Informação sobre factos ou eventos que já aconteceram

Francisco de Sá Noronha (1820-1881). Um músico português no espaço atlântico
Francisco de Sá Noronha (1820-1881)

Em Outubro de 2019, na Biblioteca Nacional de Portugal, teve lugar o lançamento do livro Francisco de Sá Noronha (1820-1881). Um músico português no espaço atlântico, da autoria de Luísa Cymbron.

O livro traça a biografia de um violinista e compositor cuja vida decorreu entre Portugal e o Brasil num arco de sessenta anos que abrange as décadas centrais do século XIX. Nascido em Viana do Castelo, Noronha morreu no Rio de Janeiro, tendo cruzado cinco vezes o oceano Atlântico.

Português, emigrante, deveu a sua afirmação artística ao meio teatral carioca, tendo aí habitado durante o reinado de D. Pedro II. Como violinista, viajou pelas Américas e regressou à Europa e a Portugal, onde era praticamente um desconhecido. Empenhou-se na tentativa de criar, desde o Rio, o projecto de uma ópera nacional.

Depois de 1860, Francisco de Sá Noronha fixou-se durante uma larga temporada entre Lisboa e Porto e lutou obstinadamente para conseguir levar as suas obras à cena nos teatros de ópera portugueses.

Foi casado com Juana Paula Manso, uma escritora argentina, pioneira na defesa dos direitos da mulher, da qual se separou passados cerca de dez anos, e aparentemente viveu o resto da sua vida sem família.

Os seus derradeiros sucessos foram operetas que logo caíram no esquecimento.

No prefácio, Rui Vieira Nery, que também apresentou a obra, explica-nos que o texto nos esclarece “sobre a tipologia formal do repertório instrumental de concerto e de salão, bem como dos vários géneros vocais da canção de câmara e do teatro musical.

Analisa em profundidade a apropriação e a manipulação pelo compositor, na sua obra, das convenções de composição da ópera italiana e da opereta francesa do seu tempo.

Aborda em termos particularmente lúcidos a problemática da criação de uma ópera nacional em língua portuguesa, tanto em Portugal como no Brasil, à luz das estratégias de construção de identidades nacionais características da ideologia romântica, mas também das lógicas de distinção cosmopolita que pressupunham a circulação e a partilha, mesmo que transformando-os localmente, dos modelos de escrita emanados dos grandes centros de referência da vida musical europeia. […]

E consegue fazer tudo isto com uma narrativa cativante, uma linha de raciocínio clara e articulada, uma fundamentação rigorosa mas sem impedir a legibilidade da escrita, e, além do mais, com um suporte iconográfico de uma riqueza e uma diversidade impressionantes, permitindo ao leitor o contacto visual directo, não só com os retratos dos personagens e as imagens dos lugares do enredo, mas igualmente com uma documentação gráfica preciosa.”

Texto facultado por Luísa Cymbron, publicado na Meloteca a 15 de novembro de 2020

Partilhe
Share on Facebook
Facebook
O velho Teatro de S. João (1789-1908). Teatro e música no Porto do longo século XIX
O velho Teatro de S. João (1789-1908). Teatro e música no Porto do longo século XIX

No dia 7 de Novembro de 2020, no Teatro Nacional São João, Porto, teve lugar o lançamento do livro O velho Teatro de S. João (1789-1908). Teatro e música no Porto do longo século XIX, um volume coordenado por Luísa Cymbron e Ana Isabel Vasconcelos que conta com a participação de musicólogos, historiadores de teatro e um arquitecto.

Inaugurado em finais de setecentos, o Teatro de S. João foi o principal espaço teatral da cidade e do Norte do país durante todo o século XIX. Como muitos outros teatros desse período construídos por iniciativa privada, era a “menina dos olhos” da sociedade urbana e, por isso, emerge na obra de vários escritores, uns mais emblemáticos, como Camilo Castelo Branco ou Júlio Dinis, outros mais desconhecidos, como Júlio Lourenço Pinto.

Pelo seu palco passaram espetáculos de ópera e teatro declamado, mas também concertos, zarzuela e opereta, bailado e espetáculos de variedades, numa miscelânea de géneros dramáticos e musicais.

Todas essas experiências dramatúrgicas e sonoras tiveram um impacto considerável na vida e no imaginário cultural de várias gerações de habitantes da cidade e da região. Todavia, mais de 110 anos passados sobre o incêndio de 1908, não existia uma publicação que documentasse de forma abrangente e transversal as actividades que este teatro proporcionou.

Na génese do livro, está um puzzle de investigações parcelares sobre o S. João, não se tendo ainda conseguido ajustar todas as peças de forma a proporcionar um panorama integral desse passado. Não se pretendeu, assim, escrever uma história deste teatro e de tudo o que nele teve lugar. O que propomos é apenas – e pragmaticamente – um conjunto de olhares sobre aspectos da vida do teatro, procurando, através deles, resgatar a sua história do esquecimento a que tem sido votada.

Perante a «modernidade líquida» que o presente nos oferece, com a sua consequente imediatez, pretendeu-se, por ora, promover uma reflexão interdisciplinar e cientificamente actualizada que, partindo do velho Teatro de S. João, ajude a contribuir para reposicionar a cultura teatral e as artes do espectáculo na vanguarda da nossa consciência histórica.

Texto facultado por Luísa Cymbron, publicado na Meloteca a 15 de novembro de 2020

[ Porto e a sua música ]
Partilhe
Share on Facebook
Facebook
Concurso de Canto da Fundação Rotária Portuguesa
CONCURSO DE CANTO LÍRICO REGRESSA AOS PALCOS PARA A 11ª EDIÇÃO

Até dia 18 de outubro, os jovens cantores líricos interessados em concorrer devem preencher a ficha de inscrição.

O Concurso de Canto Lírico já premiou um alargado naipe de cantores que hoje pontuam nos palcos nacionais e internacionais, como as sopranos Susana Gaspar e Sónia Grané, a meio-soprano Cátia Moreso ou os barítonos André Baleiro e Hugo Oliveira, entre outros laureados.

Desde 2007 que o Concurso de Canto Lírico da Fundação Rotária Portuguesa tem vindo a afirmar-se como uma iniciativa de relevo na divulgação do canto lírico a nível nacional.

A 11ª edição do Concurso de Canto Lírico da Fundação Rotária Portuguesa regressa aos palcos já em novembro próximo e, neste momento, tem as candidaturas abertas para trazer ao público uma nova geração de cantores líricos.

Os concorrentes vão ser selecionados até ao dia 2 de novembro para as provas eliminatórias, a decorrer na cidade que se encontre mais próxima do seu local de residência.

Entre os dias 20 de novembro e 5 de dezembro, os concorrentes do Concurso de Canto Lírico irão passar pelas provas eliminatórias, nas cidades do Porto, Cascais, Angra do Heroísmo e Ponta Delgada, seguidas de duas semifinais, no Porto e em Cascais, culminando na prova final, em Lisboa, no Centro Cultural de Belém.

A iniciativa, promovida pela Fundação Rotária Portuguesa, tem como objetivo promover o aperfeiçoamento artístico dos jovens cantores líricos, com estudos avançados e em início de carreira, apoiando o prosseguimento dos seus estudos através da atribuição de bolsas de estudo. Estes apoios são oferecidos pela Fundação Rotária Portuguesa e demais entidades associadas ao concurso, como é o caso da Câmara Municipal de Lisboa, e revelam-se indispensáveis para a concretização das aspirações artísticas dos jovens cantores líricos.

Num ano marcado pela adversidade, a Fundação Rotária Portuguesa e a Escola Artística de Música do Conservatório Nacional, parceiro de referência na organização, consideram que “a realização da iniciativa afigura-se particularmente importante no contexto das circunstâncias atuais, com situações de precariedade com que atualmente se debatem artistas, agentes e instituições culturais, resultantes da pandemia”.

Concurso de Canto da Fundação Rotária Portuguesa

Concurso de Canto da Fundação Rotária Portuguesa

Partilhe
Share on Facebook
Facebook
David Seixas

Diário de acontecimentos musicais em Portugal e no mundo

08 de novembro de 2020
  • Morreu o poeta e artista plástico Cruzeiro Seixas (Amadora, 3 de dezembro de 1920 – Lisboa, 8 de novembro de 2020). Do seu extraordinário legado, fazem parte os cenários de O Lago dos Cisnes, com coreografia de Armando Jorge, estreado pela Companhia Nacional de Bailado, em 1986.
  • Morreu Manuel Pires Bastos, padre, professor, jornalista, historiador, poeta, escritor, compositor, músico. Com uma sede insaciável de conhecimento, o Padre Bastos foi o responsável por um dos maiores registos da história de Loureiro, Oliveira de Azeméis, o livro “Banda de Música de Loureiro – Uma Banda Centenária”.
25 de outubro de 2020
  • 25 de outubro é o Dia Mundial da Ópera. Em 2020 ocorreu primeira comemoração internacional para homenagear este género que já possui 400 anos de história. A iniciativa foi organizada pelas associações de teatros OPERA America, Opera Europa e Ópera Latinoamérica, somando-se também organizações como UNESCO e Instituto Internacional del Teatro (IIT). A comemoração no dia 25 de outubro esteve vinculada a uma campanha que tem a participação de teatros de todo o mundo, na qual todos difundem ações e programas dedicados a dar notoriedade à contribuição da ópera para as artes, sob o lema Dia Mundial da Ópera.
13 de outubro de 2020
  • Luís Cipriano venceu o Prémio de Mérito/Música 2020 da Fundação Inatel cuja cerimónia teve lugar no Teatro da Trindade, em Lisboa. Na altura da distinção, Luis Cipriano frisou que o sucesso individual só surge depois do coletivo agradecendo à família, ao Coro Misto da Beira Interior, ACBI, colegas da Escola Serra da Gardunha e aos seus alunos.
  • Morreu António Fernando de Sousa Lemos, mais conhecido no meio musical como Tony Lemos. Teclista e vocalista, Tony Lemos era irmão de Filipa Sousa, a vocalista dos Santamaria, com quem geria os sucessos desde 1998.
11 de outubro de 2020
  • O Prémio Especial da Fundação Isang Yun reconheceu, em 2020, a obra do maestro venezuelano José Antonio Abreu (1939-2018), fundador do El Sistema.
10 de outubro de 2020
  • A comunidade de Compostela (um dos locais de culto católico de Foz do Sousa, Gondomar) inaugurou o seu novo órgão de tubos Emil Hammer, com bênção presidida por Dom Armando Esteves Domingues, bispo auxiliar do Porto, e concerto inaugural no mesmo dia com o organista Daniel Ribeiro e a soprano Sofia Pinto, conterrânea.
06 de outubro de 2020
  • David Seixas assinou contrato com a editora discográfica internacional Orpheus Classical que vai trabalhar no seu primeiro álbum solo digital disponível em todas as plataformas digitais principais (Spotify, Itunes, Amazon Music, Google Play, Deezer, Tidal, 7Digital, Yandex).
03 de outubro de 2020
  • O pianista gaiense Pedro Borges foi o vencedor da 3ª Edição do Prémio Novos Talentos Ageas. A final do Prémio Novos Talentos Ageas 2019 foi disputada entre Pedro Borges, a fadista Rute Rita e o Maat Saxophone Quartet, constituído por Catarina Gomes, Daniel Ferreira, Mafalda Oliveira e Pedro Silva.
28 de setembro de 2020
  • Morreu o coreógrafo Jorge Salavisa.
27 de setembro de 2020
  • Música, sons e palavra em mais de 35 mil discos de vinil: abriu a Fonoteca Municipal em Campanhã.
  • Para celebrar o 20º aniversário do Remix Ensemble Casa da Música, a CdM estreou “Remix Solistas em Foco”, uma série de pequenos filmes que oferece um vislumbre da vida musical e das inspirações dos elementos que compõem este agrupamento residente. 
26 de setembro de 2020
  • Enquadrado nas Jornadas Europeias do Património 2020, é lançado um documentário sobre os órgãos de tubos da Igreja dos Clérigos.
25 de setembro de 2020
  • No dia em que se comemoram 141 anos do nascimento do compositor Luiz Costa, a Casa da Música lançou um novo sítio inteiramente dedicado ao seu espólio musical, em grande parte inédito. A alma lírica e bucólica de Luiz Costa atravessa um repertório de quase 180 composições, abrangendo peças para piano, voz e piano, música de câmara, orquestra e outras. A catalogação da obra foi realizada pela musicóloga Christine Wassermann Beirão, curadora do espólio juntamente com Henrique Gomes de Araújo e Helena Costa Araújo.” (Casa da Música)
24 de setembro de 2020
  • Joel Pina, nascido há 100 anos, em 1920, como Amália (que acompanhou durante quase 30 anos), é homenageado no S. Luís Teatro Municipal, em Lisboa. Na homenagem participam cerca de 30 fadistas, de diversas gerações, das muitas que o músico acompanhou em palco ao longo dos anos.
23 de setembro de 2020
  • Morreu Juliette Gréco (1927-2020), cantora francesa nascida em Montpellier.
21 de setembro de 2020
  • Renata Oliveira é vice-presidente da European Association of Women Band Conductors.
  • O compositor Lucas Rei Ramos venceu o 13.º Concurso Internacional de Composição da Póvoa de Varzim, com a obra “As Estruturas de Solaris”, enquanto o público do festival distinguiu “Ministério do Caos”, de Manuel Brásio.
15 de setembro de 2020
  • Ana Vieira Leite (soprano portuguesa de Braga) venceu o Concours International de Chant Baroque de Froville (França). O Forum Opera Le Magazine du Monde Lyrique, destaca Ana Vieira Leite, cujos recursos vocais e inteligência musical provocaram uma forte impressão”.
14 de setembro de 2020
  • O portal da Câmara Municipal de Idanha-a-Nova noticiou que “A Filarmónica Idanhense desenvolveu um novo método intuitivo para ensinar crianças e jovens a tocar adufe, que tem como base 12 cantigas do concelho de Idanha-a-Nova.”
12 de setembro de 2020
  • Jorge Palma apresentou “Setenta Volta ao Sol” num espetáculo com Cristina Branco e orquestra de câmara, com arranjos de Filipe Melo e Filipe Raposo.
08 de Setembro de 2020
  • Segundo a “Visão”, a editora Deutsche Grammophon reuniu os 38 álbuns gravados pela pianista Maria João Pires, para o seu catálogo, desde há 30 anos, e publica-os este mês, numa só caixa, segundo o plano de novidades da editora.
01 de setembro de 2020
  • Comemoração do Dia Nacional das Bandas Filarmónicas
31 de agosto de 2020
  • Morreu o contratenor Claudio Cavina, fundador do agrupamento La Venexiana, referência na investigação e na interpretação do madrigal.
30 de agosto de 2020
  • Foi inaugurado o órgão de tubos da Igreja Paroquial de Paço de Arcos, órgão holandês da firma Flentrop montado pela Oficina e Escola de Organaria.
28 de agosto de 2020
  • Foi apresentado o CD Cupertinos pela Hyperion Records, Duarte Lobo, Masses, Responsories & Motets, o segundo trabalho do grupo Cupertinos.
22 de agosto de 2020
  • Faz 174 anos que nasceu na Inglaterra a palavra (conceito) “Folklore”, enquanto valor de cultura e de identidade cultural dos povos e comunidades, concebida por William J. Thoms.
  • Morreu o maestro Ten-Coronel Francisco Ferreira da Silva, ilustre oureense, que foi músico, maestro e amigo da Academia de Música Banda de Ourém.
Ten-Coronel Ferreira da Silva, músico e maestro de Ourém

Ten-Coronel Ferreira da Silva

16 de agosto de 2020
  • Morreu aos 37 anos o pianista e pedagogo Daniel Cunha.
14 de agosto 2020
  • Morreu Julian Bream, guitarrista britânico, um dos músicos mais influentes para a guitarra clássica, com mais de trinta gravações ao longo da carreira.
13 de agosto de 2020
  • O “Interior, Diário das Beiras e Serra da Estrela” noticiou que foi aberto pela Direção Regional de Cultura da Região Centro o concurso público para o órgão da Sé da Guarda com um valor base de 500 mil euros.
12 de agosto de 2020
  • Morreu em Luanda, vítima de doença prolongada, o músico angolano Carlos Burity, que deu um importante contributo para a construção da identidade angolana e é recordado como voz do orgulho angolano.
10 de agosto de 2020
  • Morreu Carlos Firmino Soares da Cunha (1955-2020), conhecido por Carlos Firmino, músico aveirense, saxofonista, compositor, maestro, professor e artista plurifacetado. Foi maestro da Orquestra da TAUC, Tuna Académica da Universidade de Coimbra mil , de 1985 a 1987. Ofereceu à OAUC, “Little Overture”, uma peça da sua autoria, interpretada pela mesma no concerto comemorativo dos 730 anos da Universidade de Coimbra, dia 1 de março de 2020. Em 2016 apresentou no Departamento de Arte e Comunicação da Universidade de Aveiro a dissertação de maestrado “Analogias desenvolvidas entre a Formação Musical e a Análise e Técnicas de Composição: a Fraseologia como estratégia educacional”.
Carlos Firmino, saxofonista, pedagogo e compositor de Aveiro

Carlos Firmino, saxofonista, pedagogo e compositor de Aveiro

  • Morreu em Lisboa Waldemar Bastos (1954-2020), um dos mais consagrados artistas lusófonos da world music e dos primeiros artistas de Angola a alcançar a internacionalização.
Waldemar Bastos, musico angolano

Waldemar Bastos, musico angolano

06 de agosto de 2020
  • Morreu Fernanda Lapa (1943-2020) uma atriz, encenadora e professora universitária. Além de tudo o que fez pelo teatro, registo o seu trabalho na encenação-estreia da ópera O Sonho (Londres, 2010), do compositor Pedro Amaral. Encenou também La Princesse Jaune, de Camille Saint-Saëns e The Wondering Scholar de Gustav Holst, apresentadas em Sintra (Centro Cultural Olga Cadaval), Portalegre (CAEP) e Coimbra (TAGV), em 2013.
01 de agosto de 2020
  • O Ministério da Cultura avança com a classificação da obra fonográfica de José Afonso. Segundo a tutela, o processo ajudará a “consolidar informação relativa à obra gravada, publicada ou não, do artista”. O anúncio foi feito na véspera do aniversário do cantautor, a 2 de agosto.
31 de julho de 2020
  • A obra Groovid, de Miguel Reis, foi a vencedora da primeira edição do Prémio Internacional de Composição para Clarinete e Big Band. O júri, constituído pelo clarinetista e maestro António Saiote, o compositor e pianista Carlos Azevedo, o clarinetista e professor Paulo Gaspar, o saxofonista e compositor Pedro Moreira e a chefe da divisão de Cultura na Câmara Municipal de Loures, Patrícia Silva (em representação do presidente da Autarquia), decidiu por unanimidade a entrega do primeiro prémio a Miguel Reis, pseudónimo de César Cardoso.
30 de julho de 2020
  • Faleceu o pianista Justiniano Canelhas (1937-2020), natural de Cucujães, Oliveira de Azeméis. Foi membro fundador do Quarteto do Hot Clube de Portugal e pianista histórico do Jazz moderno português. Faleceu com 83 anos, vítima de Covid19. Justiniano Canelhas era irmão de Carlos Canelhas, compositor de canções cantadas por Madalena Iglésias e Simone de Oliveira, entre outros.
Justiniano Canelhas, pianista, membro do Quarteto do Hot Clube de Portugal

Justiniano Canelhas, pianista, membro do Quarteto do Hot Clube de Portugal

29 de julho de 2020:

  • Decorreram no Coliseu dos Recreios, Lisboa, os Play – Prémios da Música Portuguesa. Lena d’Água foi distinguida como Melhor Artista Feminina. Slow J venceu na categoria Melhor Artista Masculino. O prémio de Melhor Grupo foi para os Capitão Fausto. “Hear from you”, de Branko, Sango, Cosima e ProfJam, venceu na categoria de Melhor Videoclipe. “Aqui está-se sossegado”, de Camané & Mário Laginha, recebeu o prémio de Melhor Álbum.  “Dentro da Janela”, de João Mortágua, foi distinguido com o prémio Melhor Álbum Jazz. O vencedor da Categoria Melhor Álbum de Música Clássica / Erudita foi Archipelago, de Drumming GP/Luís Tinoco. Bárbara Tinoco recebeu o prémio Artista Revelação. Tainá recebeu o Prémio Lusofonia com a música “Sonhos”. Lena d’Água foi distinguida com o Prémio da Crítica. ]

28 de julho de 2020:

  • Faleceu Fernando Calazans, antigo violinista da Orquestra Gulbenkian e professor. ]
Fernando Calazans, violinista e pedagogo

Fernando Calazans, violinista e pedagogo

23 de julho de 2020:

  • No centenário oficial do nascimento da grande diva da canção nacional, Amália Rodrigues, Rui Vieira Nery diz que não basta amar Amália, é preciso pensá-la. Acredita também que, enquanto o fado existir, o seu legado não se apagará. (Público) ]

18 de julho de 2020:

Órgão Dirardet da Catedral de Nantes, destruído por incêndio a 18 de julho de 2020

Órgão Dirardet da Catedral de Nantes, destruído por incêndio a 18 de julho de 2020

  • Um incêndio na catedral de Nantes, França, destruiu o monumental órgão construído em 1620 pelo organeiro Girardet. Sobreviveu à Revolução Francesa, aos bombardeamentos e ao incêndio de 1720 mas não sobreviveu a este incêndio. ]
  • Morreu a pianista belga Marie Louise Bastyns Zadra, mulher do pianista Argentino Fausto Zadra. ]
Partilhe
Share on Facebook
Facebook
Torres Vedras: O órgão Histórico da Igreja da Misericórdia

Decorreu no domingo, dia 28 de Junho de 2020 pelas 17h00, o lançamento/apresentação do CD Torres Vedras: O Órgão Histórico da Igreja da Misericórdia que, devido às regras aplicadas à COVID-19, passou em streaming no Facebook do Teatro-Cine de Torres Vedras.

No ano em que a Santa Casa da Misericórdia de Torres Vedras celebra os seus 500 anos de existência, este trabalho discográfico representa os 12 anos de actividade deste órgão de tubos de 1773, construído por Bento Fontanes (restauro em 2008 por Dinarte Machado), importante organeiro galego do século XVIII, recriando as sonoridades e práticas musicais da época.

Obras de Domenico Zipoli (1688- 1726), Carlos Seixas (1704-1742) ou Tomaso Albinoni (1671-1750), são apenas alguns dos compositores apresentados neste disco, que apresenta também a paisagem sonora de um Portugal, fortemente influenciada pela cultura italiana de então.

Estiveram presentes nesta sessão de apresentação, a Dra. Ana Umbelino, vereadora da cultura da Câmara Municipal de Torres Vedras, José Elias, vice-provedor desta Santa Casa e François Sibertin-Blanc, editor discográfico e representante da editora francesa FSB Musique, a qual gravou este trabalho. O CD teve o apoio da Santa Casa da Misericórdia de Torres Vedras e Câmara Municipal de Torres Vedras.

A apresentação contou com a interpretação de peças musicais a cargo de Daniel Oliveira, organista titular do instrumento e professor de órgão na Escola de Música Luís António Maldonado Rodrigues, e Marcos Lázaro, violinista e professor no Instituto Gregoriano de Lisboa, os intérpretes que se apresentam neste mesmo trabalho discográfico.

Foi ainda recordado o provedor Vasco Fernandes, provedor da Santa Casa de Torres Vedras, falecido no início do mês de Junho, onde foi feita uma reconhecida homenagem pelo trabalho e dedicação a este projecto.

O CD está disponível em vários locais, incluíndo na própria igreja da Misericórdia em Torres Vedras. Estando também disponível online no sítio da editora FSB Musique.

Partilhe
Share on Facebook
Facebook
Prémio de Composição para Acordeão 2020 (4ª edição)

Prémio de Composição para Acordeão 2020 (4ª edição)

Este ano as obras a concurso foram escritas para Acordeão solista e Ensemble.

O Júri foi formado por:

Luís Tinoco – compositor

Daniel Moreira – compositor

Paulo Jorge Ferreira – acordeonista/compositor

As obras premiadas serão editadas pelo MPMP e estreadas num concerto do Festival Folefest em 2021, com transmissão pela RTP/Antena 2.

Prémio Composição Acordeão 2020

Resultados

1º Prémio:

José Brandão

Obra: Um Última Reflexão

2º Prémio:

Francisco Gomes

Obra: Torma

3º Prémio:

Gonçalo Rodrigues

Obra: Silentium

Coordenação Artística:

Paulo Jorge Ferreira

Produção:

Carisa Marcelino, Horácio Pio, Liliana Rodrigues

Prémio de Composição para Acordeão 2020 (4ª edição)

Prémio de Composição para Acordeão 2020 (4ª edição)

Partilhe
Share on Facebook
Facebook
Jovem bailarina Carolina Costa

Carolina Costa premiada nos EUA

Aos 12 anos a jovem bailarina Carolina Costa regressa a casa com mais três medalhas de ouro, que ganhou a dançar no Ballet Beyond Borders, EUA. Carolina é aluna do Conservatório Internacional de Ballet e Dança Annarella Sanchez, em Leiria. Começou a ter aulas de ballet aos três anos – a ideia foi da avó – e até aos sete quis desistir. Os pais disseram-lhe: “Experimenta mais um ano.” A partir dos oito, começou a participar em concursos de dança e tudo mudou. A jovem bailarina conseguiu o primeiro lugar nas três categorias em que participou, no escalão de estudante: solo contemporâneo, solo clássico, de Le Corsaire, e pas de deux, de Flames of Paris, que dançou com o também português Francisco Gomes. (25/01/2020)

Anarella Sanchez bailarina e professora
Anarella Sanchez bailarina e professora
Partilhe
Share on Facebook
Facebook
Curiosidades da Música em Portugal

Entre 2006 e 2019, a Casa da Música, o edifício projetado pelo arquiteto holandês Rem Koolhaas e inaugurado 2005 registou um total de 7.249.846 milhões de pessoas que nele entraram. Espanhóis, ingleses, franceses e brasileiros constituem a maioria dos estrangeiros que visitam a Casa. “O público não residente tem tido um crescimento sustentável ao longo dos anos, representando cerca de 60% do público das visitas guiadas e 15% dos espectadores de concertos”. Construída para fazer parte da Porto Capital Europeia da Cultura em 2001, a Casa da Música foi inaugurada em 2005, mas os trabalhos só terminaram efetivamente em maio de 2006.

Partilhe
Share on Facebook
Facebook
Música para todos no Cerco

Música para Todos

No dia 15 de janeiro de 2020, decorreu nos Paços do Concelho do Porto a cerimónia de entrega dos instrumentos aos 28 novos estudantes do 5.º ano Agrupamento de Escolas do Cerco do Porto que passam a integrar o projeto “Música para Todos“. Marta Ren, madrinha da iniciativa, afirmou dirigindo-se aos alunos: “precisam de tocar o vosso instrumento todos os dias; para alguns não vai ser fácil, pois não vão sentir uma evolução imediata, mas é preciso insistirem e não desistirem até terem resultados”.

O presidente da Câmara Municipal do Porto, Rui Moreira, destacou que este projeto “contribui para o sucesso escolar dos alunos e é um desafio para todos os intervenientes no sistema de ensino”. São vários os fatores que podem influenciar o rendimento escolar dos alunos, mas a educação e o ensino artístico, em particular a música, “assume um papel preponderante para que os alunos possam encontrar o pleno desenvolvimento do seu potencial como alunos e como cidadãos”, acrescentou Rui Moreira.

A iniciativa foi lançada em 2010 pelo Município do Porto, através da Fundação Porto Social, em parceria com o Curso de Música Silva Monteiro e o Agrupamentos de Escolas do Cerco do Porto e do Viso. O principal objetivo do projeto é a promoção do ensino articulado da música a alunos dos 2.º e 3.º Ciclos do Ensino Básico, de Territórios Educativos de Intervenção Prioritária (TEIP) da cidade do Porto, de forma a combater o insucesso e o abandono escolar. (15/01/2020)

Partilhe
Share on Facebook
Facebook
Eva da fadista Cristina Branco

Eva, de Cristina Branco

Com data de estreia agendada para março, Cristina Branco assina a produção musical do CD Eva em conjunto com os seus músicos: Bernardo Couto (guitarra portuguesa), Bernardo Moreira (contrabaixo) e Luís Figueiredo (piano). O trabalho gráfico desenvolvido conta com a visão de Joana Linda, realizadora, que já tinha colaborado com Cristina Branco na capa do último álbum “Branco” e também nos vídeos: “Namora Comigo”, “Aula de Natação” ou “Alvorada”. (16/01/2020)

Artur Pizarro grava Poulenc e Koechlin

Já está à venda o CD Couleurs pelo pianista portugês Artur Pizarro com a Bamberger Symphoniker sob a direção de Thomas Rösner, da editora discográfica norte-americana Odradek, com obras dos compositores franceses Francis Poulenc e Charles Koechlin. (03/01/2020)

Couleurs, por Artur Pizarro com a Sinfónica de Bamberga
Couleurs, por Artur Pizarro com a Sinfónica de Bamberga

I Am The Escaped One de Carlos Bica

One Man’s Jazz elegeu o álbum I Am The Escaped One do compositor e contrabaixista português Carlos Bica com Daniel Erdmann e DJ Illvibe como o melhor álbum de jazz editado em 2019: “Outside the box, unique, and highly recommended.” I Am The Escaped One também está na lista dos Melhores Discos de 2019 para a Jazz.pt. (03/01/2020)

Carlos Bica, I am the escaped one
I am the escaped one

Archipelago de Luís Tinoco

O álbum Archipelago, editado pela Odradek, apresenta composições de Luís Tinoco interpretadas pelo Drumming GP e pelo Quarteto de Matosinhos. Foi gravado no claustro do Mosteiro de S. Bento da Vitória, no Porto. O disco inclui as peças “Short Cuts”, “Mind the Gap”, “Genetical Modified Fados/Fados Geneticamente modificados”, “Zoom In – Zoom out”, “Archipelago” e “Steel Factory”. Reúne várias peças para percussão, algumas compostas para outros músicos, como “Mind the Gap”, peça inspirada na cidade Londres e dedicada ao percussionista Pedro Carneiro. Quanto ao título escolhido, “Archipelago”, corresponde “por um lado à peça mais recente incluída no CD, que data deste ano”. Segundo o compositor, “estas peças constituem uma espécie de arquipélago de momentos musicais que tenho vindo a juntar ao longo dos anos”. (01/01/2020)

Archipelago de Luís Tinoco pelo Drumming
Archipelago de Luís Tinoco pelo Drumming

O Fado de Florbela Espanca

O Fado é a obra que celebra os 125 anos do nascimento de Florbela Espanca, apresenta pela primeira vez a poesia de Florbela Espanca em livro e disco nas vozes do fado no feminino. O livro inclui textos e os poemas, o CD 18 temas com 9 gravações novas. O Presidente da República disse ser uma justíssima e magnífica homenagem a Florbela Espanca. (01/01/2020)

O fado de Florbela Espanca
O fado de Florbela Espanca

Sempre, de Katia Guerreiro

Sempre, de Katia Guerreiro foi escolhido pelo crítico francês do Le Monde Patrick Labesse como um dos cinco discos melhores do ano. “Voz soberana e intensa, Katia Guerreiro transporta também uma memória, a do fado tradicional. Sem com isso por de lado a poesia contemporânea e o prazer da digressão, como é testemunho o seu brilhante Sempre”. (31/12/2019)

Sempre de Katia Guerreiro
Sempre de Katia Guerreiro

Porto Romântico, por Sofia Lourenço

No dia 15 de dezembro de 2019, Sofia Lourenço apresentou o seu mais recente CD, “Porto Romântico – Mazurkas e Romanzas”, no Museu Romântico da Quinta da Macieirinha, ao piano inglês Collard & Collard que agitou os jornais portuenses na época de 1848/49. O sarau de piano decorreu no Salão de Baile e contou com a presença do historiador Germano Silva para falar do Porto na época do Rei Carlos Alberto da Sardenha e do musicólogo e diretor da Cultura da Fundação Calouste Gulbenkian, Rui Vieira Nery, para uma abordagem sobre a época do Romantismo na História da Música em Portugal e na Europa. (15/12/2019)

Porto Romântico - Mazurkas e Romanzas
Porto Romântico – Mazurkas e Romanzas

Solo, de Bernardo Sassetti

O disco Solo, publicado pela Casa Bernardo Sasseti, reúne um conjunto de gravações que o pianista efectuou no Teatro Micaelense, em Ponta Delgada, no ano de 2005. Na altura corria a crença de que o piano do teatro tinha características únicas e Sassetti foi aos Açores gravar a sua música, composições novas e antigas, na companhia do produtor Nelson Carvalho. (07/12/2019)

Solo de Bernardo Sassetti
Solo de Bernardo Sassetti
Partilhe
Share on Facebook
Facebook