Artigos

Gillian Lynne
A criança que não conseguia ficar sentada na escola

Gillian era uma criança de sete anos e não conseguia ficar sentada na escola. Levantava-se constantemente, distraía-se, voava com os pensamentos e não seguia as lições. Os seus professores ficavam preocupados, castigavam-na, repreendiam-na, recompensavam-na…. mas nada. Gillian não sabia ficar sentada e não conseguia ficar atenta.

Quando chegava a casa, a mãe também a castigava e pensava que nada podia com o comportamento da menina. Gillian não só sentia a escola como um lugar de punição, como também sentia a sua própria casa como se fosse um castigo. Sentia-se humilhada e triste. Achava que era diferente e distante de todos os aplausos e louvores.

Um dia, a Mãe de Gillian foi chamada à escola. A senhora, triste, como quem esperava notícias desagradáveis, levou a menina e seguiu para a escola aguardando na sala que lhe fora indicada.

Sem a presença da criança, os professores falaram de uma doença, de um distúrbio evidente da menina, de algo que se passava com Gillian que não era normal e que não lhe permitia aprender.

Entretanto, durante a entrevista, apareceu um antigo professor que conhecia a menina e a sua história. Solicitou a todos os adultos, mãe e colegas, que o seguissem até um quarto, onde tinha deixado Gillian sozinha, dizendo-lhe que tivesse paciência que voltaria num instante. Tinha ligado um rádio velho com música de fundo.

Sem que ela se apercebesse que estava a ser observada, e sentindo-se sozinha na sala, imediatamente se levantou e começou a mover-se para cima e para baixo perseguindo com os pés e coração a música no ar. O velho professor sorriu e, enquanto os colegas e a mãe a olhavam entre o perplexo, o compassivo, o incrédulo,… ele exclamou:

“Vejam, a Gillian não está doente, a Gillian é uma bailarina!”.

Aconselhou, então, a mãe a matriculá-la numa aula de dança e aos colegas disse-lhes que a fizessem dançar de vez em quando nas suas aulas.

A menina foi à sua primeira aula e, quando chegou a casa, só disse à mãe: “São todos iguais a mim, ninguém consegue ficar sentado!”

Dame Gillian Barbara Lynne foi uma bailarina, dançarina, coreógrafa, atriz de teatro e apresentadora de televisão britânica. Recebeu prémios e escreveu livros. Nasceu 20 de fevereiro de 1926, Bromley, Reino Unido e morreu a 1 de julho de 2018, com 92 anos, em Londres, onde tem um teatro com o seu nome.

Gillian Lynne, que começou sua carreira como bailarina clássica, trabalhou em mais de 50 espectáculos entre os quais se destacam as coreografias de dois dos mais famosos musicais compostos pelo britânico Andrew Lloyd Webber: Cats (1981), um espetáculo inspirado nos poemas do escritor inglês T.S. Eliot, e O Fantasma da Ópera (1986), inspirado no romance homónimo de Gaston Leroux.

Cats e O Fantasma da Ópera conquistaram milhões de espectadores em todo o mundo, e ainda estão em cena em Londres, mais de três décadas após sua criação.

(Marion Nugnes, com adaptações, e Agência Lusa)

Gillian Lynne

Gillian Lynne

Partilhe
Share on Facebook
Facebook
Colette Maze, pianista
Colette Maze publica 5º álbum aos 106 anos

Colette Maze é uma pianista francesa de música clássica. Um dos seus compositores preferidos é Cluade Debussy. Aos 106 anos, a pianista publica novo álbum, o quinto da sua carreira. A paixão pela música acompanha-a desde a infância. É uma mulher de baixa estatura. Nasceu em Paris, em 1914, numa família burguesa que lhe deu uma educação severa.

“O piano dava-me um pouco de ternura e de evasão. O que eu não encontrava na minha família, encontrava no piano” – recorda. Toca ainda quatro horas por dia. O instrumento é para ela sinónimo de conforto e refúgio. Vive sozinha no seu apartamento em Paris.

Em adolescente, Colette entrou na École Normale de Musique de Paris. Foi discípula de Alfred Cortot e Nadia Boulanger. O seu último CD é dedicado a Satie e Debussy. Colette é mãe do realizador Fabrice Maze. Com a sua idade, é algo completamente inesperado, reconhece o seu filho. A sua mensagem é:

“Ama a vida, e ela te amará”

A pianista parisiense foi professora de piano toda a vida. Aos 100 anos tocava para manter a memória. Tem mil vidas e já foi hoquista, bailarina, enfermeira. O seu segredo de longevidade é “4 horas de piano por dia, três ovos frescos e um copo de vinho.”

Fonte: France Info

Colette aos 106 anos

Colette Maze, pianista

Colette Maze, pianista francesa

Partilhe
Share on Facebook
Facebook