Artigos

Crianças precisam de música

AS CRIANÇAS PRECISAM DE MÚSICA

por Wilfried Gruhn, Professor Jubilado de Educação Musica, Universidade de Música de Freiburg, Alemanha. Tradução do Inglês por Etelvina Pereira, Dra. 

1. Do ponto de vista neurológico, os primeiros anos da infância são cruciais para o desenvolvimento de ligações sinápticas no cérebro. É o que expressa em linguagem muito simples o provérbio alemão “Was Hänschen nicht learnt, lernt Hans nimmermehr.” (O que o Joãozinho não aprende, o João não aprenderá nunca”).

2. Contudo, não devemos sobrestimar esses primeiros anos (como referiu John Bruer no seu livro “The Myth of the First Three Years”, 1999). Não é que o João deixe de aprender numa idade mais avançada. O ser humano nunca acaba o seu processo de aprendizagem. É impossível abstermo-nos de aprender (não podemos não aprender) devido à plasticidade estrutural do cérebro. No entanto, é muito mais fácil aprender durante a flexível fase do seu desenvolvimento. Por isso, as faculdades mais importantes (tais como a posição vertical, o discurso verbal, o pensamento lógico, as operações formais abstractas etc.) desenvolvem-se nos primeiros anos de vida.

3. A aprendizagem baseia-se na plasticidade do cérebro que é mais intensa nos primeiros anos, mas que continua durante toda a vida. De uma perspectiva humana, neurobiológica, educacional e ética, a educação na infância é importante. As famílias e as pré-escolas (jardins de infância) são os primeiros e mais cruciais agentes a apresentar um ambiente rico e estimulante para a aprendizagem.

4. O desenvolvimento do cérebro é basicamente determinado pela sua disposição genética, mas a sua estrutura individual depende do seu uso. O cérebro desenvolve-se de acordo com o modo como o usamos. Todas as experiências são armazenadas no cérebro e influenciam a sua estrutura neural.

5. Descobertas recentes em pesquisa animal demonstraram que a privação emocional e a perda de contacto social têm um efeito negativo na estrutura profunda do cérebro, o que encorajou a “neuro-didáctica” devido ao impacto óbvio dos processos neurobiológicos no ensino e na aprendizagem. Situações tais como a hiperactividade e o síndroma de défice da atenção (ADS) referem-se a uma possível interacção entre o cuidado emocional e o desenvolvimento do cérebro. 

6. Este facto sustenta a exigência social e educacional para que se fortaleçam as famílias para os seus deveres educacionais de modo a que possam oferecer o melhor ambiente de aprendizagem possível às crianças. As pré-escolas e as escolas só podem apoiar mas não substituir o cuidado parental. A aprendizagem da música, tal como outras aprendizagens, requer interacção individual social e orientação informal.

7. A música desempenha um papel importante nos primeiros anos. De um modo muito particular, a prática musical activa processos rítmicos. A experiência do tempo e do espaço na infância é diferente da dos adultos. As crianças exploram o tempo e o espaço pelo peso corporal e fluidez do movimento, enquanto que os adultos sabem contar e medir. Assim, é óbvio e razoável que as crianças precisam de música como um meio de repetição rítmica e movimento estruturado. E respondem à música de uma forma muito sensata.

8. A música estimula o crescimento de estruturas do cérebro e liga muitas áreas cerebrais activadas. A prática musical requer uma óptima coordenação motora e melhora o círculo fonológico. Não é uma questão de ser processada no hemisfério esquerdo ou direito do cérebro, porque ela promove uma forte interligação e coerência dos dois hemisférios. Como demonstra o tratamento de crianças com implantes da cóclea, a música funciona como um estímulo altamente diferenciado para o cortex auditivo subdesenvolvido.

9. Pesquisas sobre aptidão musical demonstraram que todo o ser humano nasce com um determinado nível de potencial musical que detém o seu máximo grau imediatamente após o parto e não mais ultrapassará este nível. Sem qualquer estímulo informal, o potencial musical da criança irá diminuir e finalmente desaparecer. Por isso, é extremamente importante expor o cérebro a variados estímulos musicais de modo a que possa desenvolver representações musicais. A janela da aprendizagem para o cérebro musical abre-se numa idade muito precoce. Os pais e educadores devem ter como objectivo desenvolver o potencial que cada criança possui.

10. A aprendizagem musical começa na fase pré-natal – como referiu Kodály: A educação musical começa nove meses antes do nascimento – da mãe!) e continua informalmente depois do nascimento, dependendo das actividades musicais dos pais. As crianças aprendem música como aprendem a língua, i.e., não começam com gramática e teoria, mas com a prática. Desenvolvem um “saber como” antes do “saber sobre”. O conhecimento activo é a mais robusta representação do conhecimento musical. A necessidade vital da música facilita a aprendizagem por abordagens práticas. Assim, a música torna-se um meio natural de expressão e de comunicação.

11. Face ao exposto, uma organização internacional tal como a ISME (International Society for Music Education) é extremamente importante. Partilha a responsabilidade de facultar às crianças a melhor educação possível correspondendo às condições humanas gerais e às propriedades culturais individuais. 

A troca e interacção de diferentes culturas pode ser vista como o melhor meio de evitar o choque de culturas e de estabelecer uma simbiose pacífica no mundo global. As mais poderosas redes neurais e atitudes comportamentais desenvolvem-se durante a infância. Uma aquisição geral do conhecimento do mundo envolvente (que Donata Elschenbroich chama “Weltwissen” e “Weltfahrung”) governa os nossos sentimentos e pensamentos, a nossa prática e conhecimento. A educação musical desempenha o seu papel especial na educação das crianças. Realiza uma doutrina ética para apoiar e desenvolver um dado potencial ao máximo.

 

Artigo publicado a 6 de Outubro de 2003, no sítio da ISME (International Society for Music Education).

Crianças com formação

CRIANÇAS COM FORMAÇÃO MUSICAL

“Enquanto muitas escolas estão a cortar nos programas de música e a gastar cada vez mais tempo em preparação para provas, os nossos resultados sugerem que a formação musical pode realmente ajudar a moldar as crianças para um futuro académico melhor. Crianças que tocam um instrumento apresentam níveis de atividade no córtex cerebral aumentados, indicando maior aptidão para multitarefas.”

Pesquisadores do Hospital Infantil de Boston trabalharam com imagem por ressonância magnética e descobriram que a formação musical precoce melhora as áreas do cérebro responsáveis pelo funcionamento executivo.

Também conhecido como controle cognitivo ou sistema atencional supervisor, o “funcionamento executivo” refere-se à gestão do cérebro, parecido com o termo corporativo correspondente.

No topo da hierarquia em termos de organização do cérebro, o funcionamento executivo permite o processamento e a retenção de informações, regula o comportamento e é responsável pela resolução de problemas e planeamento, entre outros processos cognitivos. Pode ser considerada uma peça-chave para se ter sucesso na vida.

No estudo, os pesquisadores consideraram que uma criança musicalmente treinada era alguém que tivera pelo menos dois anos de aulas particulares. Eles selecionaram 15 delas, com idades entre 9 e 12 anos, e as estatísticas do grupo corresponderam a treinos mais significativos do que aqueles que os pesquisadores estavam a procurar: as crianças tocavam por 5,2 anos e praticavam 3,7 horas por semana, começando na idade de 5,9 anos.

Os cientistas compararam-nos com um grupo de 12 crianças da mesma faixa etária sem formação musical. Em seguida, foram formados dois grupos de estrutura semelhante de adultos, embora o grupo musical consistisse unicamente em músicos profissionais ativos. Os testes cognitivos mostraram que músicos em ambas as faixas etárias tiveram uma posição de vantagem.

A ressonância magnética mostrou que as crianças apresentaram os níveis de atividade no córtex pré-frontal aumentados, indicando que elas podem ser mais aptas a multitarefas do que as não musicais. Os inúmeros benefícios cerebrais da formação musical são bem conhecidos e têm sido o tema central de muitos estudos académicos.

No ano passado, a Sociedade para Neurociência apresentou três estudos numa conferência anual. Todos eles concluem que as influências da formação musical não só determina as funções, como também a anatomia do cérebro.

O estudo de Boston, contudo, é um dos poucos a explorar o funcionamento executivo e adaptar os resultados ao nível socioeconómico, fator importante ao qual estudos anteriores não deram a devida atenção.

Já que o funcionamento executivo tem fortes condições para determinar o desempenho académico, mais até do que o QI, pensamos que as nossas descobertas possuem grandes implicações educacionais. Enquanto muitas escolas estão a cortar nos programas de música e a gastar cada vez mais tempo na preparação para provas, os nossos resultados sugerem que a formação musical pode realmente ajudar a moldar as crianças para um futuro académico melhor— afirma a pesquisadora Nadine Gaab.

Nadine diz que estudos futuros podem determinar se crianças e adultos que têm dificuldade com o funcionamento executivo – como crianças com Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH) ou idosos – poderiam beneficiar da música como uma ferramenta de intervenção terapêutica.

Os pesquisadores observaram que um melhor funcionamento executivo é o verdadeiro aspecto do cérebro, motivando as crianças para continuar as suas aulas de música, sugerindo que a formação deve começar cedo na vida. O estudo foi publicado no PLOS ONE, jornal científico publicado pela Public Library of Science (PLOS).

[ http://www.psicologiasdobrasil.com.br/criancas-com-formacao-musical-possuem-melhor-gerenciamento-do-cerebro/#ixzz48Tn0FgN5 ]

12 de maio de 2016

Portfolio Items