Artigos

A ronca é o instrumento musical que acompanha os cantos de Natal em Elvas. Membranofone de fricção constituído por uma estrutura cilíndrica com uma pele esticada numa das aberturas. É friccionado por uma cana fixada no centro da membrana. O executante, com a mão molhada, fricciona a cana fazendo vibrar a pele e produzir um ronco. Existe, com muitas designações (ronca, zamburra, zambomba, na Europa, África e América do Sul.

Luís Pedras é, atualmente, o único artesão em Elvas a manter o fabrico de Roncas, numa cidade que já teve uma comunidade de oleiros e ceramistas (ainda existe a rua dos Oleiros). Foi introduzido na profissão de oleiro através de formações em cerâmica.

A ronca é o instrumento musical que acompanha os cantos de Natal em Elvas. Os homens juntam-se nos espaços públicos em grupos informais. Cada um com a sua, tocam em conjunto e cantam à vez, improvisando sobre uma base poética tradicional.

Em Elvas, as roncas guardam-se em casa e só são usadas perto do natal. “As roncas não se emprestam” é um provérbio de Elvas que avisa quem empresta a sua ronca de que corre o risco que a devolvam danificada e imprópria para os cantes de natal.

O Fabrico

Cerâmica

Prepara-se a péla, pedaço de barro limpo, bem decantado, selecionado pela sua elasticidade, amassando até estar pronto para ser trabalhado. O barro era tradicionalmente extraído do Barreiro do Monte de Alcobaça, perto de Elvas. Hoje é adquirido comercialmente. Leva-se a péla para a roda de oleiro, onde, com as mãos e a ajuda da cana d’oleiro, se molda o recipiente de barro que serve de caixa-de-ressonância ao instrumento. Este recipiente tem uma forma de base cilíndrica com as duas extremidades abertas. Numa das extremidades molda-se um rebordo, que ajudará a manter a membrana fixa. Este recipiente tem uma forma mais abaulada (feminina) ou mais direita (masculina) por escolha do artesão. O interior do recipiente é estriado para melhorar a qualidade sonora. A parede exterior é marcada por uma sequência de desenhos feitos com a ponta da cana de oleiro no barro fresco, enquanto o objeto gira na roda. Os desenhos imprimem a marca decorativa distintiva do artesão.

Uma vez moldado, o recipiente é deixado a secar até estar pronto para a cozedura em forno.

No forno, o barro é cozido numa lenta sequência ascendente de temperaturas. O forno é o juiz , diz Luís, realçando que a presença de pequenos defeitos no barro (como bolhas de água) marcarão as peças. Aos 300ºc a água começa a libertar-se do barro. Aos 600ºc o barro seca. A partir dos 900ºc termina a primeira cozedura do barro (Chacota) e inicia-se a segunda cozedura (Vidragem) que torna a peça impermeável e lhe dá a sonoridade. Este artesão fixa a temperatura final do forno (elétrico) em 1009ºc e aconselha que a sequência descendente da temperatura deve ser feita também lentamente para evitar problemas nas cozeduras das peças.

Fonte: Memoriamedia.net

Caninha

Caninha, cana rachada, ou castanhola de cana rachada, é um instrumento tradicional português, um idiofone tocado na região da Lezíria Ribatejana e outras regiões para acompanhar ritmos e danças.

Flauta pastoril é um instrumento de sopro de formato tubular feito de cana, com três orifícios e tocada por uma só mão sendo que a outra mão toca um pequeno membranofone chamado tamboril.

Ferrinhos, ou triângulo

Ferrinhos é o termo popular para “triângulo”, idiofone metálico de percussão direta que hoje faz parte da secção de percussão da orquestra. Consiste num ferro em forma triangular, aberto, no qual se bate com um pequeno ferro. É suspenso de um fio e, enquanto uma mão sustenta o triângulo, a outra faz a percussão. Tem-se conhecimento do instrumento desde o século XIV.

Pandeireta

Pandeireta é um instrumento de percussão híbrido formado por uma pele sobre uma armação cilíndrica com fendas atravessadas por eixos e discos metálicos na ilharga.

Rabeca, Brasil

Rabeca é um cordofone de arco muito usado ainda em Portugal, Cabo Verde e Brasil. A rabeca chuleira tem origem no Norte de Portugal, especialmente na região de Amarante, no século XVIII. Na música brasileira, a rabeca está especialmente ligada ao forró.

Genebres

A genebres é um idiofone de raspagem constituído por pauzinhos de madeira maciça, tamanho decrescente, enfiados nas extremidades numa correia de couro. A genebres é tocada na Beira Baixa, nomeadamente na Dança dos Homens. O tocador coloca o instrumento ao pescoço, pendurado pela correia, e raspa com um bocado de madeira.

Chincalho, Nuno Russel

Chincalho é um idiofone de percussão indireta por agitação da mão que se apresenta, em Portugal e no mundo, com formatos e materiais muito variados. É basicamente constituído por um suporte de madeira ou plástico com pequenas chapas metálicas, soalhas ou caricas (cápsulas de bebidas), que chocam quando o executante, agarrando o cabo, sacode o instrumento. Por vezes, o chincalho tem a forma de Y, semelhante a uma fisga. Nos Açores, tem o nome de sistro.

Chocalhos de Alcáçovas

Chocalho é uma campainha colocada pelos pastores ao pescoço das ovelhas, cabras ou vacas. Não sendo propriamente um instrumento musical, o chocalho de vaca já teve utilização em obras orquestrais (Sinfonia dos Alpes, de Richard Strauss, e Sinfonias nº 6 e nº 7 de Gustav Mahler). Chocalho aparece também como nome genérico de idiofones de agitamento do tipo maraca, com pequenos objetos no interior, ou do tipo chincalho, com soalhas que chocam. O Fabrico de Chocalhos, considerado Património Cultural Imaterial, é uma arte singular que existe na região do Alentejo há mais de dois mil anos. Ofício importante na identidade da região, esta arte preserva-se ainda sobretudo nos concelhos de Estremoz, Reguengos de Monsaraz e Viana do Alentejo, tendo sido passada de geração em geração, O centro de fabrico principal fica na freguesia de Alcáçovas, onde também se pode visitar o Museu do Chocalho, uma coleção particular com mais de 3.000 peças recolhida ao longo de 60 anos. O chocalho português é um instrumento de percussão tradicional, com um som inconfundível e um papel fundamental na paisagem sonora das áreas rurais, sobretudo onde ainda se pratica o pastoreio. A prática é transmitida de pais para filhos e requer um processo de fabrico manual muito próprio, antes das peças serem polidas e aperfeiçoadas.

Campanica Trio, foto cortada

Campaniça, viola alentejana, é um cordofone dedilhado que outrora existia um pouco por todo o Baixo Alentejo e quase desapareceu do universo da música tradicional portuguesa.