Artigos

Jung-jung, Senegal

Jung-jung é um tambor bimembranofone tradicional de África. No século XIX era utilizado pelo povo Serer nos atuais Senegal e Gâmbia, à ida para a guerra e em ocasiões especiais do Estado.

Serouba, Senegal

Serouba é um membranofone, conjunto de instrumentos de percussão que podemos encontrar na Áfica Central e Ocidental.

Kora, Senegal

Kora, ou korá, é um instrumento de corda tradicional da Guiné-Bissau, Senegal, Gâmbia e Mali, com caixa de cabaça e pele esticada, braço de madeira, duas pegas e cordas de nylon dedilhadas. É um cordofone híbrido, pertencendo simultaneamente a duas famílias: harpa e alaúde. Da harpa porque as cordas não são paralelas ao braço afastando-se deste formando um ângulo de cerca de 30 graus; do alaúde, porque tem um braço comprido onde estão atadas as cordas e couro com abertura que permite sair o som. Tem um número de cordas que varia entre 21 e 24. De acordo com a lenda, a korá nasceu no império do Gabú, zona leste da Guiné Bissau, no século XIX. É tocado por “djidius”, termo que significa músicos, nas festas populares, casamentos, batizados e fanados. Também é tocado quando morre um “mansa” (rei), um velho djidiu (músico), ou um guerreiro. Este instrumento é originário da etnia mandinga, onde a pessoa que o toca é chamada koráfola (literalmente pessoa que faz a korá falar).

Baseado em manual de apoio aos cursos de artes performativas em Bissau.

Colaboração: Wilson da Silva

Kutirindingo, Senegal

Kutirindingo, ou pequeno kutiro, é um tambor unimembranofone em forma de cálice com corpo de madeira e pele de cabra dos Mandinka.