Artigos

Dafri, Índia

Dafri é um pequeno tambor de mão circular com aro de madeira revestido de pele (esticada por chaves), tradicional da Índia.

Partilhe
Share on Facebook
Facebook
Dholki, Índia

Dholki é um tambor de mão bimembranofone, também conhecido por dholak, doki, ou nal. As peles são ajustáveis de modo a haver um intervalo de 4ª perfeita ou 5ª perfeita entre os dois sons. É largamente utilizado no norte da Índia, Paquistão e Nepal.

Partilhe
Share on Facebook
Facebook
Bin, Índia

Bin, ou been, pungi, ou murli, é um aerofone tradicional indiano com reservatório de ar e dois tubos de palheta, usado por encantadores de serpentes.

Partilhe
Share on Facebook
Facebook
Algozey, Índia

Algozey, ou algoza, é uma flauta dupla de cana tradicionalmente tocada por guardadores de cabras do Punjab (Índia e Paquistão).

Partilhe
Share on Facebook
Facebook
Saringda, Índia e Paquistão

Saringda, ou sarinda, é um cordofone tradicional da Índia e do Paquistão.

Partilhe
Share on Facebook
Facebook
Bulbul tarang

Bulbul tarang, literalmente “ondas de rouxinóis”, também chamado banjo indiano ou banjo do Punjab, é um instrumento em forma retangular cujas cordas são pressionadas contra os trastos por botões. Desenvolveu-se no Punjab indiano e paquistanês a partir do taishogoto do Japão e chegou ao Sul da Ásia na década de 1930. É similar ao akkordolia alemão. Tem dois grupos de cordas: um para a melodia, outra para o acompanhamento.

Partilhe
Share on Facebook
Facebook
Sagar veena, Paquistão

Sagar veena é um cordofone dedilhado sem trastos assente no chão usado na música paquistanesa. Foi desenvolvido em 1970 por Raza Kazim a partir do vichitra veena. O executante toca o instrumento em posição sentada. Noor Zehra Kazim, filha de Raza Kazim, é uma ilustre executante deste instrumento.

Partilhe
Share on Facebook
Facebook
Harmónio, Índia

Harmonium (harmónio indiano) é o mais difundido e tocado instrumento de sopro de palheta livre da Índia. É um aerofone de tecla com cerca de três oitavas que resulta da influência do harmónio ocidental, também chamado em França “harmonium”, levado por comerciantes e missionários ocidentais no século XIX.

O harmónio ocidental, muito mais pesado, com mais oitavas, com registos e pedais, começou por ter uso doméstico. Posteriormente foi utilizado em muitas igrejas e capelas no acompanhamento da Missa e da Liturgia das Horas, até dar lugar ao órgão eletrónico na maioria dos casos. Diversamente do harmónio ocidental, o indiano tem formato de caixa retangular e é fácil de transportar, o que contribuiu para a sua difusão e manutenção enquanto instrumento popular.

Partilhe
Share on Facebook
Facebook
Harmónio, Índia

Harmónio indiano é um aerofone de tecla que não é originário da Índia mas se baseia no órgão de palhetas (harmónio) levado pelos europeus no século XIX.

Partilhe
Share on Facebook
Facebook