Artigos

Chocalhofone

Chocalho e chocalhofone

Não me recordo quando, nem como, surgiu a ideia de se criar o chocalhofone. Com certeza, a candidatura a património imaterial da UNESCO terá sido um critério nesta decisão. Devo dizer que já me tinha ocorrido a ideia há muitos anos de se criar com os chocalhos de Alcáçovas (concelho de Viana do Alentejo) um instrumento semelhante ao utilizado pelo compositor francês Olivier Messiaen em várias obras nomeadamente dos anos 1960. Estes factos e ainda o entusiasmo de alguns intervenientes, nomeadamente a Câmara de Viana do Alentejo e o Sr. André Correia (que se interessa pelo chocalho de Alcáçovas, tendo inclusive escrito um livro sobre o assunto),  fizeram com que fosse ao início do ano de 2015 que chegámos a realizar a ideia de facto.

O instrumento não é uma inovação. Já foram utilizados chocalhos há muito tempo em composições da música “erudita”, por compositores como Mahler e Strauss. Aos meados do século XX foi desenvolvido um instrumento mais sofisticado em que foi reconhecido aos chocalhos uma afinação específica, resultando assim num instrumento afinado cromaticamente algo semelhante ao Xilofone ou ao Vibrafone. A novidade deste instrumento reside apenas no facto de terem sido utilizados chocalhos alentejanos, de fabrico artesanal.

Os chocalhos foram produzidos pela empresa Chocalhos Pardalinho em Alcáçovas. Não se pode dizer, porém, que o instrumento tenha sido produzido por esta empresa: o papel dos Chocalhos Pardalinho era a de fabricar e oferecer os chocalhos. O instrumento  também teve a colaboração da câmara de Viana do Alentejo, que forneceu através dos seus serralheiros o arcabouço que suporta os chocalhos. Ainda contou com a minha colaboração no que dizia respeito a questões musicais: a escolha do âmbito (extensão) do instrumento – que é duas oitavas e meia – e a escolha dos chocalhos mais afinados de entre os que estavam na oficina; ainda colaborei na escrita de uma obra, Pastorale, para chocalhofone e orquestra para a ocasião do “lançamento” do instrumento.

A obra foi escrita em maio do ano de 2015 e foi estreada a 21 de junho na Igreja Matriz  das Alcáçovas.  É uma peça que dura uns 10 minutos e que apresenta o chocalhofone como instrumento solista, acompanhada por uma orquestra pequena. A obra foi repetida em outubro no Teatro S. Luiz em Lisboa.

Partes da música gravada na sua estreia foram utilizadas no concurso da candidatura dos chocalhos a património imaterial da UNESCO.

No ano seguinte, escrevi também uma pequena peça para chocalhofone solo – Ponteio – estreada por Bruno Sebastien de Oliveira na Universidade de Évora. O instrumento também foi utilizado pelo compositor João Nascimento, entre outros.

[ Texto facultado pelo autor, Christopher Bochmann, publicado na Meloteca a 11 de setembro de 2020 ]

Chocalhofone

Chocalhofone