Artigos

Criança a estudar, foto DN Life

Nos anos 90 do século XX, especialistas fizeram testes para examinar a influência da música sobre a memória. O estudo revelou que a música podia ter um impacto positivo nas revisões da matéria.

A música pode melhorar o humor reduzindo a pressão arterial e o ritmo cardíaco. Música dos períodos clássico e barroco, em especial, à volta das 60 pulsações por minuto.

Um andamento de 60 pulsações por minuto ativa o hemisfério cerebral direito, enquanto rever a matéria ativa o hemisfério esquerdo.

Com os dois hemisférios ativados, o cérebro pode tratar a informação mais rapidamente.

Apesar dos vantagens que a música pode ter sobre o cérebro e a memória, ela também ser uma causa de distração. Para evitá-lo, há que ouvir:

  • música sem palavras, que poderiam distrair, enquanto a música instrumental melhora a concentração;
  • música lenta ou moderada e nunca rápida;
  • música em volume baixo, em fundo sonoro.

Há que evitar:

  • música com baixos muito fortes, como rock ou metal;
  • músicas novas, que concentrariam o cérebro na música e não nas revisões;

Em resumo, a música pode reforçar as capacidades de memorização. Embora sejam de privilegiar a música clássica e a música barroca, o tipo de música pode variar de indivíduo para indivíduo. Para ter sucesso, cada um deve fazer os seus próprios testes e verificar o que realmente funciona.

Criança a estudar, foto DN Life

Criança a estudar, foto DN Life