Artigos

Chapman stick, Rodrigo Serrão

Chapman stick designa um instrumento de corda criado por Emmet Chapman nos anos 60 que goza de uma implantação crescente ao longo dos anos, exponenciada mais recentemente com o acesso generalizado à informação que a internet proporciona. É um instrumento de corda (10 ou 12) no qual se utiliza maioritoriamente o “taping” (técnica de pressionar uma corda provocando assim a sua vibração). Tem uma tessitura de 5 oitavas e meia e a possibilidade de utilizar todos os dedos de cada mão em simultâneo para emitir notas. Difere no entanto a partir daí. Tem um som característico e é um instrumento de corda pressionada o que equivale a dizer que o instrumentista controla desde o início até ao fim toda a expressão sonora, utilizando todas as técnicas tradicionais destes casos como glissandos e vibrato. É, hoje em dia, utilizado em todos os géneros musicais: desde o repertório clássico até à musica pop (faz parte dos instrumentos que acompanham o cantor Peter Gabriel desde a década de 80), é também um instrumento solista de extraordinária riqueza uma vez que é possível ao instrumentista fazer três papeis diferentes em simultâneo: Baixo, Harmonia e Melodia. Um bom exemplo mundialmente reconhecido, é o do solista norte-americano Bob Culbertson ou, no universo do Jazz, Alphonso Johnson (é famoso o seu dueto com o guitarrista Carlos Santana).

Fonte: Rodrigo Serrão

Arpa de boca

Arpa de boca é a designação em Espanhol de harpa de boca, lamelofone dedilhado. Conforme as regiões e países, a harpa de boca tem diferentes nomes:  guimbarda, guimbarde, marranzanu, maultrommel, morchang, morsing, munnharpe, murchang, murchunga, scacciapensieri, tromp, trompe de Béarn, trump. A harpa de boca é feita de metal ou bambu, colocada entre os dentes ou lábios e tocada pelo executante com os dedos.

Tar, Azerbaijão

Târ é um cordofone originário da Ásia Central, um alaúde de braço longo e cordas dedilhadas, da família das rebab.

Tam thap luc, Vietname

Tam thap luc é um cordofone da família das cítaras em forma de trapézio isósceles com 36 cordas de metal.

Balalaika, Rússia

Balalaica é um cordofone de corpo triangular achatado, de madeira, com 3 cordas simples ou duplas dedilhadas. Com o garmon e a jaleika é o o símbolo da música russa. A primeira menção conhecida a este instrumento ocorre num documento de 1688. “Nas orquestras russas de instrumentos populares atuais usam-se geralmente os cinco tipos: a prima, a segunda, a alto, a baixo e a contrabaixo. Apenas a prima é usada em solos, a segunda e a alto são usadas para acompanhamento, enquanto a baixo e a contrabaixo fazem, evidentemente, a função de baixo.”

Rajão, Madeira

Rajão é um instrumento de corda beliscada tradicional da Madeira, Portugal. Arma com cinco cordas simples e é, provavelmente, o único instrumento de criação verdadeiramente madeirense. O som é produzido pela vibração de uma ou mais cordas tensionadas.

Harpa céltica, ou harpa celta

Harpa céltica, ou harpa celta, é um cordofone dedilhado, uma pequena harpa de 24 a 34 cordas e cerca de 1,5 metros de altura. É um verdadeiro símbolo da Irlanda, cuja bandeira integra. É representada em moedas e inspirou uma ponte em Dublin.

Lira-viola, França, Museu Nacional Soares dos Reis

Viola bastarda, o mesmo que lira-viola, é uma guitarra em forma de lira fabricada no século XIX que fazia o contraponto à melodia principal. Existe um exemplar no Museu Nacional Soares dos Reis (Porto).

Lira-viola, França, Museu Nacional Soares dos Reis

Lira-viola, também chamada viola bastarda, é uma guitarra em forma de lira fabricada no século XIX que fazia o contraponto à melodia principal.

Bandola portuguesa

Bandola portuguesa é um cordofone com braço curto trastejado e corpo em forma de lágrima.