Artigos

Mãos idosas ao piano

Além de ser uma atividade prazerosa, tocar um instrumento na terceira idade é benéfico a vários níveis quer para principiantes quer para pessoas com conhecimentos e experiência musicais. Com o aumento da idade, é comum a perda de certas habilidades, a memória e a flexibilidade do pensamento. Mas isso pode ser prevenido, evitado ou retardado pelo estudo e a prática da música.

Sendo cada vez maior a esperança de vida, é importante que os idosos aprendam coisas, realizem atividades nos tempos livres e exercitem o cérebro. Aprender a tocar um instrumento é uma realização para muitos adultos e idosos que antes não tiveram tempo, disponibilidade, dinheiro ou espaço em casa. A família e os amigos devem incentivar à realização deste sonho e apoiá-los nesta prática altamente recomendada.

Tocar órgão ou piano age sobre a memória e o movimento das articulações, estimula o cérebro e retarda o envelhecimento. Melhora o bem-estar e a qualidade de vida, reduz a ansiedade, solidão e depressão, e tem benefícios para a convivência social. Idosos que tocam um instrumento são menos suscetíveis a doenças como Alzheimer e esquizofrenia, visto que a prática musical estimula o cérebro e torna os idosos mais criativos.

Será que existe uma idade para além da qual não é possível aprender música?

“Numerosos são os adultos que sempre quiseram aprender música, observa Isabelle Peretz. E vendo as aulas de música das crianças, alguns questionam se não seria a ocasião de o fazerem. A ciência é encorajadora a este respeito. Sim, mesmo em idade avançada, podemos aprender música.”

E a concluir: “Além do facto de que esta aprendizagem tem um efeito protetor sobre o cérebro – o declínio relacionado com a idade tem um efeito menos devastador no músico – aprender música tardiamente melhora a audição no ruído, a atenção e previne os malefícios do isolamento social.”

Cf. Traduzido revista Le Temps (Suiça), excerto, tradução e acrescentos por António José Ferreira

Mãos idosas ao piano

Mãos idosas ao piano