Dornelas do Zêzere

Minha Roda (cantiga de rega)

Roda, roda…
Minha roda ‘stá parada,
Minha roda, roda,
Minha roda, roda, ó…

Minha roda ‘stá parada
Por falta de tocador;
Anda roda, anda roda,
Qu’ eu cá vou com meu amor!

Esta água ‘stá parada:
Quem seria que a parou?
Foi a mãe do meu amor
Qu’ esta noite aqui passou.

Letra e música: Tradicional (Margens do rio Zêzere, provavelmente em Dornelas do Zêzere, Pampilhosa da Serra, Beira Baixa)
Recolha: António Avelino Joyce (“Minha Roda ‘stá Parada”, 1938, in revista “Ocidente”, IV, Lisboa, 1939; “Cancioneiro Popular Português”, de Michel Giacometti e Fernando Lopes-Graça, 1981 – p. 145)
Arranjo: Toni Andrade
Intérprete: Segue-me à Capela (in Livro/CD “San’Joanices, Paganices e Outras Coisas de Mulher”, Segue-me à Capela/Fundação GDA/Tradisom, 2015)

Dornelas do Zêzere
Dornelas do Zêzere
0 comentários

Deixe um comentário

Quer participar?
Deixe a sua opinião!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *