Castanholetas

I. Recicla objetos, recria sons

A reutilização assume-se cada vez mais como um valor pela arte que produz e pelos benefícios ambientais. Promove a redução da pegada ecológica, desenvolve a criatividade e representa economia para professores, alunos, escolas e entidades que promovem a Expressão Musical. Além disso, pode proporcionar momentos de intercâmbio entre o professor, a escola e os encarregados de educação.

“Reciclo Sons” valoriza a reutilização – utilizar de modo diferente objetos sonoros destinados ao contentor do lixo. A reutilização não implica grandes transformações no objeto sonoro mas uma organização e utilização que funcione bem com pouco trabalho.

Há coisas que não são normalmente associadas à Música mas que podem ser ligadas à pedagogia musical no 1º Ciclo: bola, mesa, cesto de papéis, almofariz. Neste caso, trata-se apenas de utilizar o objeto com uma finalidade diferente da inicial e sem quaisquer custos.

Existe à nossa volta uma grande quantidade de materiais que vão normalmente para o contentor do lixo e que podem ser interessantes fontes sonoras. Há que experimentar e descobrir onde o objeto tem mais potencial sonoro e com que baqueta, ou de que forma deve ser tocado. Outro aspeto a ter em conta é o que fazer com os instrumentos reutilizados, de modo a tornarem-se instrumentos valiosos para professores e alunos.

1. Baldes

Há latas e baldes que são ótimos tambores com as baquetas certas: baldes ecoponto, latas de tinta plásticas, latas de 20 litros de óleos da Shell (Rimula Super, Rimula D, Rimula D Extra, Rimula R2, Rimula R3 X, Rimula R4, R5, R5 E, R6 M, RX Diesel). Estes, embora não sejam fáceis de encontrar, contam com mais de 10 cores diferentes, o que permitirá espetáculos de percussão muito interessantes em termos visuais. Latas de tinta plásticas são mais acessíveis e podem igualmente ser um bom recurso, pintadas com “spray”.

2. Bolas

De forma surpreendente, bolas com diferentes características poderão seduzir as crianças proporcionando novos timbres, melhorando a concentração, incrementando o gosto pela atividade musical, desenvolvendo a motricidade.

Cada criança tem um copo reutilizado que poderá percutir com o dedo indicador, ou com baqueta de madeira ou plástico. O professor tem uma bola de basquetebol pequena, ou outra que faça o mesmo efeito. A bola pode ser uma das que existem na escola para a atividade física. O professor faz ritmos com a bola no chão, ou em cima de uma mesa. Quando a bola bate os alunos tocam.

Quando a bola rola em cima de uma mesa, as crianças batem seguido até o professor agarrar a bola. O professor pode chamar um aluno para provocar ritmos com ele: passa a bola à criança e, quando algum deles agarra, as crianças batem no copo uma só vez.

Um grupo de crianças tem tambores ou copos, ou recipientes de plástico; outro, clavas de madeira; outro, maracas recicladas. O professor começa por bater com uma bola no chão. Quando a bola bate no chão tocam tambores; quando o professor agarra, tocam as madeiras; quando a bola rola na mesa ou no chão, toca o grupo das maracas. O professor pode explorar ostinatos, accelerando, rittardando, ritmos irregulares e fazer vivenciar outras noções musicais.

3. Copos

Tampas de plástico de certos detergentes para lavar roupa (Formil ativo, por exemplo), servem muito bem para jogos rítmicos com copos, em roda, em pares ou individualmente. Outros copos de cerveja ou gelado conseguem o mesmo efeito. Copos de papel têm uma durabilidade reduzida, mas também são uma opção e têm muitas vezes um timbre mais agradável.

4. Frascos

Recipientes de iogurte bastante ergonónicos podem ser utilizados como maracas, depois de devidamente lavados e secos, com a quantidade certa de arroz. Podem tornar-se idiofones de altura definida, com baquetas adequadas e afinando-se com a própria tampa ou o dedo de quem toca.
Cada recipiente tem, em geral, um lugar mais feliz para ser percutido:

  • tampado ou destampado, produzindo um som mais grave ou mais agudo;
  • percutido num “ombro” de um frasco (de iogurte Danone, por exemplo) ou num dos quatro “cantos” de outro iogurte;
  • na extremidade do frasco sem tampa;
  • percutindo um frasco contra uma parte de outro frasco;
  • percutindo uma parte de um frasco com um pauzinho pequeno e fino.

Pode-se criar pequenas melodias de duas ou mais notas, com tons e meios tons.

Certos frasquinhos de pasta dentífrica finos e duros funcionam bem percutindo frascos de Danone líquidos, tanto na boca como no fundo do frasco.

Recipientes com saliências são ótimos reques, como o de Soft Pink Bubble Bath, por exemplo. Quando este gel de banho feminino acabar, retire as etiquetas de plástico que saem facilmente, encontre um pauzinho fino e prático e raspe. É um idiofone de fricção muito limpo, simples e eficaz. Teria sido uma pena deitá-lo ao lixo. Outro frasco de chocolate para leite Toddy, também funciona do mesmo modo.

Tampas de detergentes de roupa podem juntar-se e formar marcas muito eficazes, seguras e coloridas, gastando apenas nesse trabalho um pouco de arroz ou bocadinhos de fio elétrico e cola superforte para as partes não se separarem. Muitos frascos de champô também produzem sons claros.

Recipientes de plástico ColaCao ou Ovomaltine, substituindo a tampa por membrana de balão ou borracha. Ou então pode-se bater com baqueta adequada na beira em que a tampa roda, de frente. Se houver uma baqueta com extremidade de borracha (reciclada de uma câmara de ar, por exemplo), a mão esquerda pode agarrar a boca do recipiente e abri-la mais ou menos e fechá-la completamente percutindo com a mão esquerda. Com sensibilidade e prática pode-se tocar várias notas e fazer melodias.

Agarrando-se a parte que tem a tampa (frasco de Champô Pantene Po-V 200 ml, por exemplo) e batendo de lado com maraca de borracha produz-se um som interessante. Em muitos casos, as etiquetas de plástico saem facilmente, não sendo preciso demolhar. Na falta de melhor baqueta, certos pauzinhos finos curtos ou mesmo lápis, ou canetas gastas podem ser eficazes. Aí está uma razão para não deitar fora certas canetas gastas.

5. Cabos

Cabos de esfregona ou de vassoura que se partiu, canas de bambu, pauzinhos de diversos tipos que vão para o lume na aldeia podem dar origem a eficazes e belos instrumentos, clavas, reques, chincalhos, baquetas para tocar tambor.

6. Pedras

Há pedras com as quais se consegue belas melodias, em música tonal ou em estilo contemporâneo. Há rios e locais (Rio Paiva, na Espiunca, por exemplo) em que se encontram belas pedras para este efeito. Há também restos de xisto ou de mármore que podem dar origem a interessantes litofones de jardim ou utilizáveis na sala de aula. Para não furar mal a pedra, vá a um marmorista que furará com precisão sem estragar a pedra (o que poderá acontecer se usar máquinas de furar comuns).

7. Recipientes geométricos

Com perseverança, conseguirá reunir um vasto conjunto de recipientes em forma de sólido geométrico (de plástico) muito interessantes (esfera, oval, cilindro, paralelipípedo, cone, cubo).
Entre essas formas com excelente potencial para maracas bonitas e resistentes contam-se as esferas dadas em muitas máquinas que dão brinquedo quando se mete uma moeda, ou chocolates. A junção de uma tampa de certas tampas de detergente com outra de diâmetro ligeiramente menor faz o mesmo efeito e aumenta o colorido. Cola superforte é importante para que estes recipientes não se abram com frequência quando caem ao chão.

8. Tampas

As tampas de “spray” podem ser utilizadas para batucar com os dedos (indicador, médio e polegar), tal como as tampas em forma de dedal que encontramos em muitos detergentes. Estas podem também ser utilizadas para bater uma contra outra, ou contra tampas maiores, produzindo-se por vezes sons semelhantes ao de pingos de água, ou de estalidos com a língua.

Tampas largas de detergente de roupa, tipo copo, podem ser ótimas para jogos rítmicos em cima da mesa ou no chão, com as crianças sentadas em círculo com as pernas à chinês. Além do mais, já são coloridas e estão limpas, podendo-se com a ajuda de crianças e pais encontrar-se conjuntos da mesma para uma turma inteira.

9. Tubos

Com tubos de PVC resultantes de restauros e obras domésticas podem-se fazer instrumentos de percussão de altura definida. Tubos de diversos diâmetros que produzirão, conforme o comprimento, sons mais graves ou mais agudos. Agarrando na vertical e batendo o tubo na pedra, ou batendo com a mão na boca do tubo, ou utilizando uma baqueta de borracha (câmara de ar) podem obter-se resultados surpreendentes. Se quiser melhorar o aspeto do tubo, pinte-os com “sprays” apropriados que existem em lojas dos chineses, por exemplo.

10. Metal

Da construção de muros sobram ferros de verguinha. Por vezes, basta colocar um fio para segurar um quase triângulo e obter um fio de verguinha mais fino para bater. Se colocar uma borracha numa ponta do ferro pequeno para agarrar e percutir, tem um triângulo feito, auditivamente menos agressivo do que alguns que estão à venda.

II. Oficina

Tendo espaço, veja o que vale a pena reutilizar musicalmente:

  • cabo de madeira de faca
  • pauzinhos direitos
  • fios de pesca
  • cordéis
  • cabo de vassoura velha
  • tampas metálicas de sumo e de frascos
  • pequenos bocados de madeira
  • parafusos e pregos de tamanhos diferentes
  • testos de panela
  • arames de cobre
  • recipientes de iogurte resistentes
  • bonitos e práticos
  • areias e sementes duras
  • tachas
  • tecidos bonitos e balões
  • canas de bambu
  • beijinhos do mar
  • recipientes geométricos
  • pauzinhos chineses
  • pauzinhos de espetada
  • sacos de rede fina
  • latas
  • tubos cilíndricos de cartão forte
  • chaves inúteis
  • canetas gastas
  • bolas de ténis de mesa.

Antes de deitar fora esses materiais pense muitas vezes. Com serras de madeira e de metal, martelo, lixa, alicate, chave de fendas, sovela, fita adesiva, cola super-forte poderá fazer pequenos instrumentos robustos e muito interessantes.

António José Fereira

0 comentários

Deixe um comentário

Quer participar?
Deixe a sua opinião!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *