Rui Vieira Nery musicólogo

Bio+

Micro-sítios Meloteca
Clique para criar o seu micro-sítio

Rui Vieira Nery

Musicologia

Rui Vieira Nery nasceu em Lisboa em 1957. Iniciou os estudos musicais na Academia de Música de Santa Cecília e prosseguiu-os no Conservatório Nacional de Lisboa, onde foi aluno de Melina Rebelo (Piano), Constança Capdeville (Composição) e Macario Santiago Kastner (Musicologia e Interpretação de Música Antiga).

É licenciado em História pela Faculdade de Letras de Lisboa (1980) e Doutorado em Musicologia pela Universidade do Texas em Austin (1990), que frequentou como Fullbright Scholar e bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian, e onde trabalhou, designadamente, com os professores Robert Snow, Gérard Béhague, Douglass green, Michael Tusa e Elliot Antokoletz.

De 1985 a 2000, ensinou no Departamento de Ciências Musicais da Universidade Nova de Lisboa e é Professor Associado do Departamento de Artes da Universidade de Évora. É, desde 1992, Director-Adjunto do Serviço de Música da Fundação Calouste Gulbenkian, onde é directamente responsável pelas actividades de Música Antiga e Musicologia.

Como musicólogo, é autor de diversos estudos sobre História da Música Portuguesa, dois dos quais receberam o Prémio de Ensaísmo Musical do Conselho Português da Musica (1984 e 1992), bem como de largo número de artigos científicos publicados em revistas e obras colectivas especializadas, tanto portuguesas como internacionais.

É frequentemente convidado a participar em congressos e seminários cientificos e a proferir conferências, em todo o país e em vários países da Europa, nos Estados Unidos e no Brasil. Os seus temas de investigação incluem a problemática do Maneirismo e do Barroco na Música Ibérica e os processos de interpenetração cultural na Música Portuguesa, do vilancico à modinha e ao fado.

Trabalha presentemente na revisão para publicação da sua tese de Doutoramento sobre a Biblioteca de Música de D. João IV, num estudo de fundo sobre a vida musical luso-brasileira, na óptica dos viajantes estrangeiros do final do Antigo Regime (1750-1834), e em diversos projectos de edição de Música Portuguesa dos sécs. XVI a XVIII.

Partilhe
Share on Facebook
Facebook