Rogério Charraz cantor

Bio+

Micro-sítios Meloteca
Clique para criar o seu micro-sítio

Rogério Charraz

Cantautor

Rogério Nuno do Carmo Charraz (Lisboa, Março de 1978) mais conhecido por Rogério Charraz (Lisboa) é um cantor português.

Foi ainda no Liceu de Queluz, em 1994, que formou com o amigo Rogério Oliveira a banda União de Loucos que em 1999, prestes a editar o álbum Madrigal, mudou de nome para Boémia. Em 2003 foi lançado o segundo álbum, Semente, com as participações especiais de Luis Represas, Luís Pastor e Fausto Bordalo Dias.

Fausto acabou por convidá-los a participar na gravação de A ópera mágica do cantor maldito. Charraz terminou a ligação aos Boémia, em Fevereiro de 2007, e formou o Rogério Charraz Trio com Paulo Monteiro e Rui Cabral. Construiram versões próprias de grandes temas da música portuguesa, brasileira e africana. Com a saída de Paulo Monteiro para França refizeram a banda passando a contar com João Coelho e Luís Pinto. Participaram na II edição do Festival Cantar Abril, com os originais “Liberdade” e “A dita dura“.

Conheceu Sílvia Nazário e Cláudio Kumar e formaram o projecto Sotaques e levaram o espectáculo a várias salas.

Em Dezembro de 2009 actuou nas caves da empresa José Maria da Fonseca, na presença de altas figuras da sociedade portuguesa. É ainda autor do hino da sociedade Ecopilhas e do tema da Benfica Telecom (sociedade entre o SL Benfica e a TMN. Em Agosto de 2010 iniciou a gravação do seu primeiro disco a solo e participou também nas Festas do Mar, em Cascais.

Em 2011 voltou a participar no Festival Cantar Abril onde venceu o prémio Ary dos Santos com o tema “Pára, olha, escuta e avança“. Em Junho participou no novo disco de Fausto Bordalo Dias, cantando Por altas serras de montanhas ao lado de Luís Represas, José Mário Branco, Jorge Palma, Jorge Fernando, João Pedro Pais ou João Afonso.

Em Outubro de 2011 foi lançado o álbum de estreia, “A Chave”, com 11 canções originais e duetos com Ana Laíns, José Mário Branco e Rui Veloso. Quatro temas integraram a banda sonora de Pai à Força e o “Grito Vagabundo” fez parte da banda sonora da telenovela da TVI, Louco Amor.

Gravou com Ricardo Carriço uma nova versão de “Um pouco mais”.

Em 2014 foi lançado o segundo disco “Espelho” que contou com nomes como Sensi, Luanda Cozetti, Dany Silva e Miguel Calhaz. Colaborou depois com Rui Pregal da Cunha numa nova versão de “Se me perguntas a mim agora”.

Vários artistas gravaram a canção “Os Rapazes” de solidariedade com a instituição Casa dos Rapazes e que contou com música, produção e voz de Charraz.

O álbum “Não tenhas Medo do Escuro”, gravado em 2016 após o sucesso de uma campanha de “crowdfunding”, é composto por 11 canções. As músicas são todas do próprio Rogério Charraz, com exceção de “Meu Amor Eterno”, composta em conjunto com o pianista Júlio Resende e com letra escrita pelo cantor que dedica a canção à sua mãe.

Entre os autores das letras deste terceiro disco destaca-se o jornalista José Fialho Gouveia (com cinco letras incluindo do single “Põe de Lado o GPS”). Joana Correia (esposa do cantor) que se estreia com duas letras, a romancista Filipa Martins, Maria Morgado e Rogério Perrolas escreveram as letras dos restantes temas. Como convidados musicais aparecem Júlio Resende, Katia Guerreiro, Marta Pereira da Costa, João Gentil, os irmãos Buba e Eduardo Espinho e António Caixeiro.

O cantor assinou um dos temas no disco de estreia da guitarrista Marta Pereira da Costa.

Partilhe
Share on Facebook
Facebook