QUEM CANTA, OS MALES ESPANTA

A música está presente na vida de todos

de Rehab Wellness Center, Brasil, com pequenas adaptações para Português de Portugal.

Não importa o ritmo, se é rápida, lenta, nova ou antiga, a música está cada vez mais presente na vida de todos, desde a hora em que acorda, com a música do despertador, quando liga a televisão, quando entra no carro, até quando vai dormir. Mas sabia que a música também pode ser usada como meio de tratamento?

A musicoterapia nasceu dentro dos hospitais após a 2ª Guerra Mundial, para tratar dos combatentes o lado emocional, muito abalado pelas experiências vividas nas batalhas. Distinta da musicalização, em que é desenvolvida uma habilidade musical, a musicoterapia tem um objetivo terapêutico, e este é obtido por meio da música. No Brasil e na América Latina, a prática chegou nos anos 60, mas só mais recentemente tem conquistado o reconhecimento da área médica, apesar de muitos dos seus benefícios já terem sido comprovados cientificamente.

“A ideia é a recuperar funções básicas, como o caminhar, a capacidade de o paciente pegar e segurar um objeto de forma ordenada e harmoniosa, além de estimular suas funções motoras, integrá-lo na sociedade”, explica a musicoterapeuta Ana Carolina Stinkopf.

Os pacientes, uma vez por semana, durante 40 minutos, são estimulados a manter contacto com a terapeuta por meio da música. “Nossa, mudou tudo em mim”, afirma a paciente Junira Klein. Ela diz que graças às aulas ela voltou a ter voz na família, impor-se, “além de ter uma atividade para fazer e poder contar a todos”, complementa.

Além disso, a função cognitiva da música também pode contribuir para o tratamento de incapacidades neurológicas, como a esclerose múltipla, o autismo e o Alzheimer. Um exemplo consiste em estudo realizado em 2010 pela Universidade de Boston, nos Estados Unidos, que demonstrou que pacientes com doença de Alzheimer conseguiam memorizar as mensagens quando elas eram transmitidas cantadas. Nessa pesquisa, um grupo de controle e outro de pacientes com a doença foram submetidos a um teste: quarenta mensagens foram repassadas, sendo a metade acompanhada da música cantada e o restante somente com a gravação falada. O resultado apontou que as palavras cantadas foram mais familiares para o grupo com doença de Alzheimer do que para o de controle.

De acordo com a psicóloga Rafaela Borges, o idoso precisa de estimulação, e a música vem como um suporte no tratamento.

“Eles não encaram como um tratamento de saúde, mas como uma diversão, um lazer, fazendo com que a atividade tenha muito mais ganhos”, diz.

A musicoterapia tem ajudado também muitas crianças com síndrome de Down. Exercícios para fortalecimento da musculatura bucal trabalhados na fonoaudiologia, por exemplo, ganham reforço na terapia com música, que muitas vezes desperta mais pelo seu aspeto lúdico.

O ReHaB Wellness Center tem uma profissional qualificada para realizar o tratamento em todas as idades. Musicoterapia é a utilização da música no tratamento, reabilitação, educação e estimulação, de crianças, adultos e idosos, que apresentam algum distúrbio físico, mental ou emocional.

De acordo com a Federação Mundial de Musicoterapia, musicoterapia é a utilização da música, por um musicoterapeuta qualificado, para facilitar e promover a comunicação, relacionamento, aprendizagem, expressão e organização e outros objetivos terapêuticos relevantes.

CORO TERAPÊUTICO

Com uma proposta inovadora e exclusiva o Coro Terapêutico consiste num grupo conduzido por um musicoterapeuta, em que a voz é utilizada como recurso para a comunicação, expressão, satisfação e interação social. Os participantes, através do cantar, ressocializam, melhorando a autoestima, a fala, a timidez, respeito, autorrealização, expressão, entre outros benefícios. (…)

REHAB WELLNESS CENTER – RWC
Endereço: SHLS Quadra 213, Conjunto D, Lote 36, Asa Sul
Brasília/DF

Bird College of Dance