Pedro Gonçalves, contrabaixista, Dead Combo

Pedro Gonçalves

Contrabaixo . Produção

Contrabaixista (também tocava piano e guitarra), Pedro Gonçalves era no dia-a-dia tal qual era na música e nos Dead Combo: discreto, a intervir apenas nos momentos certos e com o tom indicado. Faleceu em 2021, de cancro, com 51 anos.

Há um mês, os últimos concertos de despedida da banda portuguesa tinham sido cancelados “por força da impossibilidade de Pedro Gonçalves poder participar”, na sequência do agravamento da sua situação de saúde, informava a banda.

O músico e compositor fundou os Dead Combo no início dos anos 2000 com o guitarrista Tó Trips. Em conjunto, marcaram as últimas duas décadas de música portuguesa, tendo editado discos como Lusitânia Playboys (2008), Lisboa Mulata (2011), A Bunch of Meninos (2014) e Odeon Hotel (2018).

Com Tó Trips como parceiro musical — um, Gonçalves, assumia a personagem de “gangster” em palco e o outro, Trips, a de “cangalheiro” —, o contrabaixista conseguiu o que antes dos Dead Combo parecia inimaginável: que um projeto de música portuguesa predominantemente instrumental (sem voz ou canto) conseguisse tornar-se suficientemente popular para chegar a algumas das principais salas de espetáculo e festivais de música do país.

Ainda na penúltima edição do festival Vodafone Paredes de Coura (em 2018), por exemplo, os Dead Combo atuaram no palco principal e em horário nobre acompanhados por Mark Lanegan (norte-americano, antigo membro do grupo de grunge Screaming Trees e da banda Queens of The Stone Age), tendo tocado depois do grupo Big Thief e antes da banda Arcade Fire. O concerto acabou por ser gravado e por ficar mesmo disponível nas plataformas de streaming. Uns meses depois, em 2019, a banda atuava no Coliseu dos Recreios, em Lisboa. Oito meses mais tarde era anunciado o fim dos Dead Combo.

TESTEMUNHOS

“O Pedro era uma pessoa muito discreta, com humor refinado mas sempre muito discreto nos contactos. Não era aquela pessoa ultra comunicativa, que era o centro das atenções. É engraçado notar a relação que existe entre o Pedro persona e o Pedro músico: acho que os dois coincidem. Era uma pessoa de palavra certeira mas económica. Não era um tipo falador, efusivo. Era uma pessoa com a palavra cuidada”, aponta ainda Henrique Amaro.” (Henrique Amaro)

“Pedro Gonçalves, finalmente em paz, momento triste para quem gosta muito de ti, podíamos ter dado mais uns toques”. (Jorge Palma)

“O Pedro era bom e generoso, o Pedro era um excelente músico, ousado e original, o Pedro levou a vida, mesmo na doença, com uma espécie de semi-sorriso, aberto ao presente e ao futuro possível.” (Sérgio Godinho)

“Somos amigos há 25 anos. Fomos sempre muito amigos. Recordo-me dele como um grande músico, sempre o foi. Andámos juntos muito tempo, quer com o Sérgio Godinho quer com os Xutos — ele tocou connosco num período”. (Kalú, Xutos & Pontapés).

“Encontrei, há três discos atrás, o produtor musical com quem quero ficar até ser velhinha, como costumo dizer. É o Pedro Gonçalves. O Pedro ia fazer a produção musical deste disco [Roubados], mas teve um problema de saúde e coincidiu a intervenção cirúrgica com as datas do estúdio”. (Aldina Duarte)

Fonte: Mário Costa e Agência Lusa

Partilhe
Share on Facebook
Facebook