ONDAS D’AMOR

Ondas d’Amor

Ondas d’amor, Valsa para Piano e canto ou só Piano, música de José Campos Coelho, versos de Júlio Sinde. Opus 10 registada. Porto: Propriedade do Auctor.

José Coelho dos Santos nasceu no dia 11 de março de 1861, em Amarante e morreu na mesma cidade a 16 de novembro de 1915. Pouco sabemos da vida do compositor, apenas que viveu e trabalhou como professor de piano na cidade do Porto, casou e teve dois filhos, que aquando da morte do compositor estavam estabelecidos no Rio de Janeiro.

A obra que chegou até aos nossos dias contempla essencialmente peças para piano, o que se justifica pelo facto de ser esse o instrumento cuja técnica José Coelho dos Santos dominava perfeitamente, a julgar pelas obras que escreveu. (…)

Vivendo José Coelho dos Santos no Porto podemos presumir que estaria a par da vida cultural e artística da cidade, que nesta época era intensa. Foi precisamente nesta altura, finais do século XIX e primeira metade do século XX que se verificou um grande desenvolvimento do comércio musical no Porto. Surgiram estabelecimentos comerciais onde se vendiam partituras e instrumentos musicais, o que terá sido um fator decisivo para o incremento da produção e interpretação musical na cidade. No Porto apresentavam-se músicos de renome mundial tais como Ravel, Bartók, Pablo Casals e Alfred Cortot.

José Coelho dos Santos, apesar de aparentemente ter sido afastado ou marginalizado pela sociedade da época, por razões que julgamos associadas às suas convicções políticas e religiosas, não terá sido alheio ao que se passava ao seu redor, na cidade onde vivia e exercia a atividade de professor de música e de piano. (…)

Margarida Assis

José Coelho dos Santos foi homenageado em Amarante com a apresentação de um livro e dois concertos em 2015. O evento começou com a apresentação da edição comemorativa do centenário (1915-2015) do compositor, na Biblioteca Municipal Albano Sardoeira e prosseguiu com um concerto no Auditório da Casa das Artes.

Do programa de concertos evocativos a 07 de julho e 27 de setembro constavam as obras de José Coelho dos Santos:

Tardes de Candemil (Valsa)
Dor de Alma (Elegia)
Fenianos (Polka)
A Filha das Águas (Transporte d’Amor)
Saudação à Nova Pátria Portuguesa

Foi feita uma breve comunicação de contextualização do compositor José Coelho dos Santos por Rui Coelho dos Santos, sobrinho neto.

Ondas d’Amor