MÚSICA PARA BEBÉS

Recorre-se cada vez mais à Música para fomentar as potencialidades criadoras da pessoa e desenvolver todas as faculdades humanas, sendo notórios os avanços científicos, psico-pedagógicos e musicais.

Segundo Elvira Drummond,

“É importante trabalhar a afetividade com a criança para que ela possa estar atenta a todo o processo de aprendizagem. E a música trabalha todos esses fatores, interferindo diretamente no processo cognitivo.”

A arte musical apresenta grandes vantagens em termos cognitivos e comportamentais. Incrementa o raciocínio espacio-temporal, o pensamento lógico e a aptidão para as matemáticas. Estimula a criatividade e o gosto artístico musical, cria um ambiente calmo em família.

Tem um efeito positivo nas grávidas, contribui para que a criança chore menos e seja mais calma, torna o bebé mais apto para a língua e a linguagem, para a experiência cativante do belo nas artes, para a escuta ecológica dos sons da natureza.

Na medida em que proporcione calma e descontracção, segurança e conforto, a música estimula o cérebro do bebé e abre-lhe o leque de aptidões intelectuais futuras. As experiências e jogos musicais intuitivos feitos pelas mães, pais, avós e avôs, são hoje corroborados pelas experiências clínicas, os progressos das neurociências e a pesquisa musical.

A audição de música torna-se, um factor de desenvolvimento neurológico do bebé, sobretudo quando abarca todo o espectro sonoro audível (20-20000 Hz), sons graves, médios e agudos.

O gosto pela música e o desejo de a realizar devem ser cultivados e desenvolvidos de acordo com as leis da vida humana e musical. A música prepara para a vida e parte da vida de cada pessoa.

António José Ferreira

Citando

Está cientificamente comprovado que a música ativa e amplia as redes neurais, aumentando o nível de percepção da criança. Grandes pensadores são unânimes ao afirmar que há uma relação estreita entre os desenvolvimentos emocional e cognitivo.

Elvira Drummond