Bio+

Micro-sítios Meloteca
Clique para criar o seu micro-sítio

Massimo Mazzeo

Violeta, direção

Diplomado pelo Conservatório de Veneza, Massimo Mazzeo aperfeiçoou-se sucessivamente em viola com os maestros Bruno Giuranna, um dos mais importantes violetistas e professores de viola d’arco do século XX, e Wolfram Christ viola solista da Orquestra Filarmónica de Berlim, em música de câmara, quarteto de cordas com o mestre Dino Asciolla e com os membros dos celebrados Quarteto Italiano e Quarteto Amadeus e em técnica de orquestra com o mestre Angelo Stefanato concertino solista da Orchestra da Accademia Nazionale di Santa Cecilia em Roma.

Depois de um intenso período de desenvolvimento no domínio da música de câmara, actividade que o levou a efectuar recitais em toda Europa, África e América do Sul obteve, entre outros, um primeiro e um terceiro prémios em competições nacionais no seu país. Em seguida fez parte de algumas das mais representativas orquestras do panorama musical Italiano: a Orquestra dell’Accademia Nazionale di Santa Cecilia e a Orquestra da RAI Radio Televisione Italiana em Roma e como coordenador de naipe das violas da Orquestra Internazionale d’Italia, Orquestra Sinfónica Abruzzese e da Orquestra Sinfónica de San Remo.

Trabalhou sob a direcção de ilustres maestros entre os quais Leonard Bernstein, Zubin Metha, Carlo Maria Giulini, Yuri Temirkanov, Giuseppe Sinopoli, Georges Pretre, Lorin Maazel. Massimo Mazzeo actuou com prestigiadas orquestras de câmara tais como I Virtuosi di Roma, I Virtuosi di Santa Cecilia, Accademia Strumentale di Santa Cecilia, Accademia Strumentale Italiana, Ensemble Nuove Sincronie de Milano, Musica Vitae Chamber Orchestra (Suécia), Caput Ensemble de Reykjavik e com o European Soloists Chamber Ensemble.

No campo da música Barroca depois de ter colaborado com artistas tais como Cristophe Coin, Fabio Biondi, o Ensemble Aurora, Academia Strumentale Italiana e Segreis e Lisboa colabora com a orquestra Barroca Capela Real com a qual tem actuado tambem como solista de Viola de arco e Viola d’Amore. Em 2003 forma a orquestra barroca “Divino Sospiro” que num prazo de tempo muito breve se afirma como uma das realidades mais promissoras em Portugal. Com este agrupamento estreou-se na “Festa da Música” de 2003, no seu activo tem digressões ao estrangeiro e concertos em Portugal que foram recebidos com grande atenção pelo público e pela crítica.

No domínio da música contemporânea tem colaborado com artistas entre os quais se encontram Luciano Berio, Salvatore Sciarrino, Mauricio Kagel, Aldo Clementi, Franco Donatoni, Alessandro Solbiati, Wolfgang Rihm merecendo felicitações públicas da parte do compositor Giacomo Manzoni.

No campo da música de câmara colaborou com alguns músicos ilustres, tais como Salvatore Accardo, Bruno Canino, Antonio Rosado, Alexander Mazdar, Hervé Joulain, Marco Rizzi, Stefano Pagliani, Marco Scano, Marco Postinghel, Irene Lima, Paulo Gaio Lima, Antonio Saiote e, desde 2002, é membro do “Quarteto Capela” com o qual participou á temporada de música de câmara da Fundação Calouste Gulbenkian e a “Festa da Música” em Lisboa entre outras. Participou nas temporadas artísticas de: Ferrara Música, Panatenee Pompeiane, Rossini Opera Festival, temporada de Música de câmara da Accademia Nazionale di Santa Cecilia em Roma, Festival de Sintra, Praga Europa Festival, Budapest Europa Festival, no Festival dos100 dias no âmbito da Expo 98 de Lisboa e na Festa da Música 2002; em Otubro de 2000 representou, juntamente com o quinteto Lusitânia, a cultura Portuguesa em Madrid no decorrer do projecto Perfil de Portugal.

Massimo Mazzeo tem gravado pelas etiquetas BMG, Erato, Harmonia Mundi France, Deutche Armonia Mundi, Nuova Era e Movieplay. Foi director artístico do festival Roncegno Musica onde participaram alguns dos melhores jovens músicos internacionais.

Desempenhou actividade de Professor de Viola d’arco no Conservatório Nacional de Música de Trento em Itália e, de 1996 até 1998, foi violetista na Orquestra Metropolitana de Lisboa e professor de Violeta e música da câmara na Academia Nacional Superior de Orquestra.

Desde 2003 é professor titular de Viola, técnica de orquestra e música de câmara nos Master Classes do curso internacional PSA Spettacolo Aperto em Itália, onde participam professores provenientes das maiores orquestras mundiais como o Scala de Milão, Orquestra de Paris ou Rádio de Munique da Baviera. A partir de 1998 integra a Orquestra Sinfónica Portuguesa. Foi consultor artístico do Departamento Cultural da Provincia Autonoma di Trento (Italia) para a qual realizou o projecto Trentino-Portogallo, considerado como projecto piloto a nível Europeu.

14 Outubro 2004

Partilhe
Share on Facebook
Facebook