organista Manuel Valença

Manuel Valença

Musicologia

Manuel (Augusto Calheiros) Valença (n. Braga, 10 Abr. 1917 – m. Lisboa, 26 Jul. 2016) foi musicólogo, investigador, escritor, compositor e organista. As suas publicações, pioneiras no âmbito da organologia, em Portugal, sobre órgãos, organeiros, organistas e literatura para órgão de compositores portugueses, têm um interesse didáctico e científico, reconhecido nacional e internacionalmente. M. Valença divulgou a mecânica, história, bibliografia, discografia de órgão, e deu a conhecer a música portuguesa para órgão através dos seus concertos.

Desde criança, foi influenciado na vocação musical pelas canções ouvidas no cinema mudo e pelo ambiente familiar, onde o pai tocava bandolim, no Orfeão de Braga, e a mãe cantava e declamava poesia. No Colégio de Montariol estudou Teoria Musical, Solfejo e canto gregoriano. Foi discípulo de Armando Leça e Claúdio Carneyro, no Conservatório do Porto (1948-1952), transferindo-se para o de Lisboa (1952-1956), a fim de estudar órgão. Em Lisboa, estudou fuga com Armando José Fernandes, sonata e orquestração com Jorge Croner de Vasconcelos e órgão com Carl Heinz Müller (n. Essen, Alemanha, 1926), brilhante organista, doutorado em musicologia pelo Pontificio Istituto di Musica Sacra. Posteriormente, diplomou-se em musicologia pela University of South Africa, Pretória (1974/75-1978/79).

Entre 1967-1974, escreveu numerosos artigos e crítica musical em jornais de Lourenço Marques. Analisou e divulgou as características de canções chopes e do folclore musical moçambicano. Nas revistas Música Sacra (Brasil), Itinerarium, Nova Revista de Música Sacra, Ars Lusitana Musica, escreveu sobre compositores clássicos, registação e arte de acompanhar o canto litúrgico. Em Lourenço Marques (actual Maputo), onde foi missionário e presidente da Comissão arquidiocesana de música sacra entre 1969-1974, animou actividades musicais relevantes e foi executante de órgão, em concertos a solo e com orquestra.

Compôs música sacra e profana, vocal, instrumental e orquestral, quase toda por encomenda, para concertos em Portugal, África do Sul e Estados Unidos da América.

OBRAS EDITADAS

(1947) Cinco peças sacras (para SATB e órgão). Barcelona, Ed. P. M. Mola.

(1947) Hino ao Sacerdócio (para v. e órgão). Braga, Tipografia das Missões Franciscanas.

(1952) Hino a Stª Maria Goretti (para v. e órgão). Braga, Editorial Franciscana.

(1953) A Virgem das Rosas (para canto e piano), in Almanaque de Santo António. Braga: Editorial Franciscana.

(1958/1949) Hino Missionário (para SATB, 3 v. i. e pf). Braga: Tipografia das Missões Franciscanas.

(1986) “Quem vos escolheu, Rainha dos Céus”, NRMS (37): 16-17.

(1987) “Vinde, comei do meu pão”, NRMS (42): 13.

(1988) “Felizes os que habitam na vossa casa, Senhor”, NRMS (48): 9.

(1990) Sacerdote por Cristo eleito, Novo Cantemos Todos Cucujães: Editorial Missões nº 747.

(1991) “A toda a hora bendirei o Senhor”, NRMS (60): 19-20.

OBRA INÉDITA

Missas:

Missa ferial (1946). 4 v. i. a capella, op. 4

Missa Credo (1946). 2 v. m., órgão.

Missa Tota Pulchra (1943).3 v. e org. executada com orquestra e transmitida pelo Radio Clube de Lourenço Marques, 1953.

Missa Jubilar Sacerdotes Domini (1955).3 v. i. e órgão

Missa Meditabor (1955) 4 v. m. e órgão.

Missa breve modal (1966). Soli SATB alternado

Missa do Novo Rito (português) (1970). 4 v. m., órgão.

Cantata breve Duas poesias místicas (1989). SATB, solo de tenor, órgão, orq. câmara.

Para orquestra: Fanfarra solene, (1968). Metais, quart. e pf.

Divertimento à Seixas. orq. de madeiras e cordas.

Nove peças para órgão, seis fugas, três prelúdios e outras obras para org., treze peças, para piano, música de cena, várias orquestrações.

OBRA LITERÁRIA

(1951) “O último mestre de Capela do Convento de Mafra, frei João da Soledade”, Colectânea de estudos; 2ª série, ano III, nº 1.

(1953) “O arquivo musical da Real Casa e Igreja de Santo António à Sé”, Colectânea de Estudos; 2ª série, ano IV, nº 1.

(1971) “No bicentenário de L. van Beethoven”, Separata do Boletim da Sociedade de Estudos de Moçambique.

(1975) “Uma análise das características musicais de seis canções chopes”, Separata de Miscelânea Luso-Africana.

(1979) O órgão Rieger (opus 692) e a música sacra em Montariol. Braga, Editorial Franciscana.

(1984) “A arte organística em Braga nos séculos XVI-XIX”, separata da revista Itinerarium (116): 215-260.

(1985) O órgão do Bom Jesus (Braga), separata de Itinerarium (121-122): 3-44.

(1987) O órgão na história e na arte. Braga, Editorial Franciscana.

(1990) A arte organística em Portugal (c. 1326-1750). Braga, Editorial Franciscana.

(1993) “A arte organística do centro de Braga e a sua expansão”, Ars Lusitana Organi, 5-16.

(1994) “No centenário de Palestrina”, NRMS (71/72):

(1995) “Actividade musical dos Arrábidos em Mafra e outros aspectos culturais”, separata de Itinerarium (152): 248-294.

(1995) A arte organística em Portugal – depois de 1750. Braga, Editorial Franciscana.

(1996) A escola de música do Convento de Mafra (1730-1834), Actas do Congresso na Arrábida da Fundação Oriente “Franciscanismo em Portugal”, 287-294.

(1997) A arte musical e os franciscanos no espaço português (1463-1910). Braga: Ed. Franciscana.

(1997) “Arquivo da Ordem Terceira de São Francisco de Faro (1679-1950)”, separata de Itinerarium (159):

(1998) “As práticas musicais da Ordem Terceira de São Francisco de Faro vistas através do seu arquivo (1714-1945)”, separata de Itinerarium (162): 549-599.

(1999) “Subsídios para a organística na área do Porto”, separata de Itinerarium (164): 267-281.
(2001) “Manuel de Sá Couto, organeiro (1768-1837)”, separata de Itinerarium (169): 131-145.

António José Ferreira

Partilhe
Share on Facebook
Facebook