Manuel Joaquim, músicólogo natural de Valpaços, Vinte Livros de Música Polifónica

Manuel Joaquim

Musicólogo

Manuel Joaquim, musicólogo português, nasceu em Tinhela de Monforte, concelho de Valpaços, a 21 outubro de 1894 e morreu em Coimbra, a 28 de março de 1986.

Estudou como músico militar e regente de bandas filarmónicas. De 1929 a 1937 foi regente da Banda do Regimento de Infantaria 14, em Viseu.

Em 1937 passou à reforma, a fim de se dedicar exclusivamente à investigação.

Ao longo da sua vida estudou História da Música e levou a cabo um notável trabalho de investigação musicológica, em particular sobre a música portuguesa.

Foi um dos pioneiros da musicologia portuguesa, nomeadamente sobre música portuguesa dos séculos XVI e XVII. Compilou valiosos catálogos descritivos de manuscritos de música portuguesa (entre outros, no Palácio de Vila Viçosa), e transcreveu e editou música, em particular, dos compositores Duarte Lobo, Estevão Lopes Morago ou Esteban López Morago, e Manuel Mendes (compositor).

O seu trabalho de investigação e edição foi extremamente importante para o conhecimento das fontes musicais e repertório da História da Música Portuguesa.

Edições Musicais

O cancioneiro musical e poético da Biblioteca Pública Hortênsia, Edição Subsidiada pelo Instituo para a Alta Cultura (Coimbra, 1940).

A Missa de Féria do Padre Manuel Mendes, Separata de Música, Revista dos alunos do Conservatório de Música do Porto, (Porto, 1942).

Duarte Lobo: Composições polifónicas, Instituto para a Alta Cultura (Lisboa, 1945)

Estêvão Lopes Morago: Várias obras de música religiosa ‘a cappella’, Portugaliae Musica, volume IV, Fundação Calouste Gulbenkian, (Lisboa, 1961).

Escritos

Documentos para a História da Música da Sé de Elvas, Jornal de Elvas, 11 de Novembro de 1928 a 4 de Agosto de 1929.

A música militar através dos tempos, Arte Musical, (Lisboa, 1937).

Um inédito musical: o ‘Te Deum’ do licenciado Lopes Morago (Lisboa, 1940).

‘Nótulas sôbre a música na Sé de Viseu’, Beira Alta, I (1942), 7, 49, 107, 149; II (1943), 82; III (1944), 3–34, 93, 207–36.
Em louvor do grande polifonista Estevão Lopes Morago, [S.l. : s.n.], (1948).

Um Madrigal de Vicente Lusitano publicado no “Libro delle Muse”, Gazeta musical, nos.13–14 (1952), 13–14; no.16 (1952), 4–6.

‘Algumas palavras acerca de música antiga portuguesa’, Douro-Litoral, 5ª série (1952), nos.1–2, p. 3.

Da origem do canto cristão e sua antiga prática em Portugal (Porto, 1953).

Vinte livros de música polifónica do Paço Ducal de Vila Viçosa (Lisboa, 1953).

‘Os “Concertos brandeburgueses” de João Sebastião Bach’, Gazeta Musical, nos.39–46 (1954), 196–7, 214–15, 230–31, 250–51, 260–61, 274–5, 288–9.

‘O “Passionarium” de Fernandes Formoso: Lisboa 1543’, Arquivo de bibliografia portuguesa, Vol. I (Coimbra, 1955), 73–97.

‘Notícia de vários documentos dos séculos XIII, XIV, XV et XVI, existentes no Museu de Grão-Vasco’, Beira Alta, XIV (1955), 225, 263–99; XV (1956), 3.

‘Os livros do coro da Sé de Coimbra, em 1635’, Arquivo de bibliografia portuguesa, II (1956), 316–66; Separata (Coimbra, 1957).

‘O colectário de Arouca e os seus textos musicais’, Douro-Litoral, 8ª série (1957), nos.5–6.

Fonte: Wikipédia

[ Músicos naturais de Valpaços ]

Partilhe
Share on Facebook
Facebook