José dos Santos Pinto

José dos Santos Pinto

Oboé . Direção . Composição

José dos Santos Pinto foi um oboísta, maestro e compositor mangualdense, natural de Lobelhe do Mato.

Nascido em 1915, iniciou os seus estudos musicais em clarinete, com o seu pai, na Sociedade Filarmónica Lobelhense.

Em 1935, ingressou a Banda do Regimento de Infantaria nº 14, de Viseu, e com a extinção desta em 1937, foi transferido para o Batalhão de Caçadores nº 5, em Lisboa, concorreu a uma vaga em oboé e mudou assim de instrumento.

No ano de 1940/41 matriculou-se no Conservatório Nacional e integrou a Orquestra Filarmónica de Lisboa, dirigida por Ivo Cruz. Entretanto, fez provas e integrou a Banda da Guarda Nacional Republicana.

Entre 1951 e 1953, através de uma bolsa do Instituto para a Alta Cultura, Santos Pinto conclui 5 cursos no Conservatório Nacional de Paris, designadamente: Oboé, Música de Câmara, Fuga, Composição e Direção de Orquestra. Também durantes estes anos concluiu Composição e Direção de Orquestra na Academie d’Été, com o apoio da Fundação Calouste Gulbenkian e do Estado Francês.

Em 1956 patenteia um oboé único, construído pela Marigaux, com uma dedilhação específica, projetada pelo músico.

Quando regressou de Paris, Santos Pinto deu concertos a solo com a Orquestra Filarmónica de Lisboa, Banda da GNR e com o quinteto de Sopros da Emissora Nacional, do qual fazia parte juntamente com Luis Boulton, Carlos Saraiva, Ângelo Pestana e Adácio Pestana.

Tornou-se entretanto professor de oboé no Conservatório Nacional e continuou a frequentar os Cursos Internacionais de férias da Costa do Sol em Direção Coral e Direção de Orquestra.

Em 1986 dirigiu as suas obras Sonata em Espírito Clássico e a Canção da Serra, à frente da Orquestra da RDP.

A sua obra foi doada ao município de Mangualde e Sociedade Filarmónica Lobelhense e dela fazem parte diversas obras como Canção da Serra, Quadras ao Gosto Popular, Fátima, Sinfonia, Sonata em Estilo Clássico, 2ª Sonata, Quinteto para instrumentos de sopro, Mater Dolorosa, Recordando Lobelhe, Hino a  Mangualde, entre muitas outras.

[ Biografia por Margarida Cardoso, facultada e publicada na Meloteca a 26 de novembro de 2019 ]