Jorge Ramos compositor

Bio+

Jorge Ramos

Composição

Jorge Ramos nasceu em 1995 em Braga, Portugal. Em 2001, com seis anos de idade é aceite no Conservatório de Música Calouste Gulbenkian de Braga onde estudou até 2013 e onde teve a oportunidade de estudar as mais variadas disciplinas, incluindo nove anos de Bombardino/Euphonium, três anos de Piano, três anos de Percussão e um ano de Tuba.

Em 2010 ingressa no Curso de Composição no ensino secundário do mesmo conservatório, sendo aluno da classe de composição de André Ruíz e Paulo Bastos e da classe de Paulo Bastos na disciplina de Laboratório de Composição (Música Eletrónica). Durante esses doze anos esteve também em algumas das diferentes orquestras e coros do conservatório.

Em 2013, foi aceite na ESML – Escola Superior de Música de Lisboa onde concluiu a Licenciatura em Música – Composição em 2016 sob a orientação principal de João Madureira, Luís Tinoco e António Pinho Vargas. Atualmente encontra-se a finalizar o Mestrado em Música – Composição (focado na música eletrónica e eletroacústica) sobre a orientação do professor Carlos Caires.
Em 2013, participou no workshop Max – From the Introduction to the Stage, organizado pelo festival SEMIBREVE em parceria com a Digitópia (Casa da Música) e como ouvinte no Sond’Ar-Te Ensemble 3rd International Forum for Young Composers com o Sond’Ar-Te Ensemble e os compositores António de Sousa Dias, Miguel Azguime e Simon Emmerson.

Em Julho de 2014, foi vencedor do 1º Prémio do 1º Concurso de Composição para Flautas Transversais da 2ª Academia de Flauta de Verão, com a sua obra Prometheus for Flutes tendo sido estreada na ESMAE – Escola Superior de Música e das Artes do Espetáculo, Porto – Portugal.
Em Junho de 2015 compôs a sua primeira banda sonora para a curta-metragem Eterna Incógnita… realizada por Pedro Pereira. Em Dezembro do mesmo ano fez a sua primeira colaboração (compositor) na área da dança com a obra Em construção…com a bailarina Marta Fernandes e o clarinetista José Castela.

Em Abril de 2016, foi vencedor do 2º Prémio do 3º Concurso de Composição para Flautas Transversais da 2ª Academia de Flauta de Verão, com a sua obra Recompor a ser estreada na ESMAE – Escola Superior de Música e das Artes do Espetáculo. Em 2017 foi premiado com o décimo prémio no concurso 2017 iMelody International Composition Contest – iMelody Music Club (Dallas, EUA) com a sua obra Merge e uma menção honrosa no concurso 2017 Composition Competition pela The National Flute Association (EUA) na categoria de Flute and other instruments com a sua obra SemiQuaver.
A sua música é regularmente tocada em concursos, festivais e concertos tanto a nível nacional como internacional (México, Japão, Brasil, EUA, entre outros.).

Entre 2014 e 2018, foi pontualmente coralista convidado (ou estagiário) do Coro Gulbenkian da FCG – Fundação Calouste Gulbenkian, e em Abril de 2015, foi coralista na ópera Eugene-Oneguin de P. Tchaikovsky realizada no Coliseu do Porto.

Recentemente foi premiado com uma bolsa de investigação pela FCT – Fundação para as Ciências e Tecnologias em parceria com a Escola Superior de Música de Lisboa.

Até hoje teve a oportunidade de trabalhar com alguns compositores como: André Ruíz, Paulo Bastos, João Madureira, Luís Tinoco, António Pinho Vargas, Carlos Caires, Sérgio Azevedo, José Luís Ferreira, Carlos Marecos, Achim Bornhoft, Ivan Moody, Luigi Abbate, Hans Tutschku e Jaime Reis.