Jorge Fontes, guitarra portuguesa

Bio+

Micro-sítios Meloteca
Clique para criar o seu micro-sítio

Jorge Fontes

Guitarra portuguesa . Fado

Jorge Fontes nasceu na Vila dos Carvalhos, freguesia de Pedroso, Vila Nova de Gaia, em 1935. Morreu em janeiro de 2010, aos 75 anos, na sua residência na Damaia (Amadora) e foi sepultado na sua terra natal.

Aprendeu guitarra na Barbearia Loureiro no Largo França Borges, Carvalhos. Sentiu o seu dom e partiu jovem para Lisboa. Toda a sua atividade artística está associada às casas de fado em Lisboa, atuando não só em nome individual mas também como acompanhamento de muitos fadistas.

Foi num desses locais emblemáticos, o restaurante “A Severa”, que durante anos Jorge Fontes e o seu Conjunto de Guitarras foi cabeça de cartaz e teve o mérito de apoiar o aparecimento de novos valores como foi o caso de António Chaínho, que se estreou como profissional no seu conjunto.

Mas nem só os fadistas e guitarristas despertaram a atenção de Jorge Fontes. Noutras áreas musicais o seu nome está ligado a outros cantores como Quim Barreiros e António Variações.

A ele também se deve o mérito de divulgar os fabricantes de guitarras portuguesas, como é exemplo a capa de um disco em que se deixa fotografar na oficina de Gilberto Grácio.

Como grande guitarrista editou dezenas de EP e LP, muitos dos quais apenas com registos da sua autoria. Bastante popular nas décadas de 60 e 70 nunca deixou, no entanto, de estar atento à sua condição de cidadão activo e dar o seu contributo como é prova num dos seus EP de 1974 constar o carismático tema de Pedro Osório “Portugal Ressuscitado”.

O seu último álbum foi editado em 2007, pela Metro-Som, e inclui, entre outras temas, As minha variações em Lá e O que me disse a guitarra, ambos da sua autoria, e Picadinho do Minho e Ó Malhão, para o quais fez os arranjos.

Tristão da Silva, Ada de Castro, Maria da Fé, Fernanda Maria, Fernanda Pinto, Frederico Vinagre e Lenita Gentil foram outros dos nomes que acompanhou.

Como músico integrou o elenco de várias casas de fado de Lisboa, designadamente “Arcadas do Faia” e “Restaurante Típico O Forcado”, onde atuou durante 29 anos, no Bairro Alto.

Jorge Fontes atuou por diversas vezes em programas recreativos da RTP e no estrangeiro, em Espanha, França, Bélgica, Itália, Holanda e Suécia.

[ Músicos de Gaia ]

Partilhe
Share on Facebook
Facebook