Joel Pina

Bio+

Micro-sítios Meloteca
Clique para criar o seu micro-sítio

Joel Pina

Viola

Correu os grandes palcos do mundo, gravou em mais de três centenas de discos e, aos 100 anos, continua activo nos meios fadistas. (Público)

Joel Pina, violista, nasceu no Rosmaninhal (Idanha-a-Nova), em 19 de fevereiro de 1920. Foi Joel Pina o responsável pela introdução da viola baixo no acompanhamento do Fado.

Músico autodidata, chegou a Lisboa com 18 anos e começou a frequentar o Café Luso. Aí conheceu Martinho da Assunção que o convidou, em 1949, para integrar o Quarteto Típico de Guitarras Martinho de Assunção.

No ano seguinte foi convidado para o elenco permanente da Adega Machado onde nos dez anos seguintes afirmou a viola baixo no acompanhamento de fado, o que não era habitual até aí.

Foi fundador do Conjunto de Guitarras de Raul Nery com o guitarrista Fontes Rocha e Júlio Gomes. Acompanhou Amália Rodrigues durante três décadas e com ela percorreu os palcos de todo o mundo, em inúmeros espetáculos e digressões que passaram, por exemplo, pelo Canadá, Estados Unidos e Brasil (diversas vezes), Chile, Argentina, México, Inglaterra, França, Itália (diversas vezes), Rússia, cinco vezes ao Japão, Austrália, África do Sul, Angola, Moçambique, Macau, Coreia do Sul.

Para além de Amália Rodrigues, marcou presença na gravação de discos e espetáculos de fadistas como Maria Teresa de Noronha, Carlos do Carmo, Carlos Zel, João Braga, Fernando Farinha, Nuno da Câmara Pereira, João Ferreira-Rosa, Teresa Silva Carvalho, Fernanda Maria, Celeste Rodrigues, Carlos Ramos, Lenita Gentil, Rodrigo e, mais recentemente, Cristina Branco, Joana Amendoeira ou Ricardo Ribeiro.

Ao fim de mais de sete décadas de fado, Joel Pina continua a “acompanhar, dar “chão”, dar a base a quem está a cantar” (Joel Pina, 2006) e não restam dúvidas quanto ao significativo papel que desenvolveu para que a viola baixo fosse, como é hoje, parte integrante da base instrumental do universo musical do fado.

É celebrado num concerto dia 24 de setembro de 2020 no São Luiz, Lisboa, onde estará ao lado de muitos fadistas. E será retratado este ano num livro.

[ Publicado na Meloteca a 08 de março de 2020 ]

[ Músicos naturais de Idanha-a-Nova ]