Edgar Nogueira, guitarra portuguesa, Amarante

Bio+

Micro-sítios Meloteca
Clique para criar o seu micro-sítio

Edgar Nogueira

Guitarra portuguesa

Edgar Nogueira é oriundo da Serra do Marão, Douro Litoral, freguesia de Ansiães, concelho de Amarante, e aí recebeu a divina convocação para a música.

A forte inspiração veio de seu pai, “adorador de serenatas”, que lhe incutiu a sensibilidade musical com as primeiras lições num violino quase esquecido lá em casa. Mas foi o avô materno que sugeriu a opção pela guitarra portuguesa, o instrumento em relação ao qual viria a dedicar-se, numa longa primeira fase do seu estudo, como autodidata.

Mais tarde, recebeu ensinamentos musicais na linha da Escola de Gregoriano, através do professor João Possante, com o qual adquiriu as ferramentas que lhe permitiram dedicar-se à guitarra portuguesa.

A força que subjaz na paisagem serrana parece imbuída na robustez visível do corpo e carácter de Edgar Nogueira, de forte motivação para conquistas temporais e espirituais, a mesma que o terá levado aos 20 anos para Lisboa onde fundamentalmente tem vindo a cumprir o seu desígnio.

A mesma terra portuguesa onde nasceu, Amarante, impôs-lhe as insígnias que enformam o “Espírito de Cruzada” com que fez da Guitarra Portuguesa o seu voto, a sua “Crux”, advindo daí a “santa” motivação com a qual tem pretendido reconquistar o lugar original deste instrumento, e assim contribuir para o progresso e afinação dos conhecimentos, com todos os detalhes históricos e técnicos com ele relacionados, notando-se desde sempre a sua preocupação e vocação inalterável para os transmitir.

Edgar Nogueira editou em 2006, “Painéis de Lisboa”, desenho musical de apreciado valor lírico e ao qual se juntaram outros instrumentos como a viola e o violoncelo, que foi apresentado e divulgado através de entrevistas nos meios de comunicação social, além dos espectáculos em programação em 2007. A propósito do lançamento desta obra, o maestro Vitorino de Almeida classificou-a como “música de concerto”, o que confirma as aspirações na base.

Nunca olvidando a causa primeira que se prende com o aprimorar técnico e artístico da guitarra portuguesa, este autor e estudioso persegue a ideia de repor a justiça e dignidade face a este instrumento originário de um outro, o cistre germânico (alaúde), introduzido em Portugal no século XVII, por sua vez inspirado na ancestral harpa persa de Ur, ideia que consiste em o levar até espaços distintos e consentâneos com as suas nobres origens, como sejam, salões, palcos principais, além de passar a ser lecionado no Conservatório.

Quando chegou a Lisboa, não havia uma escola oficial na qual pudesse aprofundar estudos na Guitarra Portuguesa, por isso reconhece muitos dos ensinamentos recebidos de Fernando Freitas e de Martinho da Assunção. Edgar Nogueira orgulha-se, em particular, de ter adaptado a teoria musical de Artur Fão à guitarra.

Edgar Nogueira não só incita e ensina jovens talentos para o ensino desta arte, como também, através da apresentação em concerto da sua obra se faz acompanhar por instrumentistas, naturalmente incluindo cantores, em quem continuamente aposta.

Edgar Nogueira está ligado ao Fado não só enquanto compositor e intérprete, mas também enquanto músico residente em Casas de Fado, sendo o famoso Café Luso o local de culto onde o podemos encontrar.

Na ligação e coerência de todos os aspectos que alinham a vida deste artista, encontramos o seu nome a integrar um dos maiores eventos conhecido como “Grandes Noites do Fado” do qual saem anualmente jovens talentos.

Ao longo do seu percurso tem recebido alguns prémios, como é o caso da “Estátua da Verdade”, pela revista “Eles e Elas”, o prémio Neves de Sousa e o de Carreira, pela Casa da Imprensa.

Através do cunho percursor do seu trabalho Edgar Nogueira tem vindo a contribuir com as suas experiências para marcar o progresso da guitarra portuguesa que assim se vai nobilitando no plano da linguagem musical erudita, através da interpretação de obras clássicas e composições originais, abrindo ao futuro o coração de madeira da Guitarra Portuguesa que o leva a descobrir novas linguagens musicais.

[ Músicos de Amarante ]

Partilhe
Share on Facebook
Facebook