Drumming Grupo de Percussão

Bio+

Micro-sítios Meloteca
Clique para criar o seu micro-sítio

Drumming – Grupo de Percussão

Percussão

Drumming – Grupo de Percussão emergiu em 1999 do primeiro curso superior de percussão aberto em Portugal, cinco anos antes, pela Escola Superior de Música e Artes do Espectáculo do Porto, com o apoio do Instituto Politécnico e da Escola Profissional de Música de Espinho.

Sob direcção de Miquel Bernat, percussionista e pedagogo de prestígio internacional, o agrupamento, formado por alunos e professores, ostenta no seu currículo dezenas de actuações em todas as principais salas do país – Fundação Gulbenkian, TNSJ no Porto, Culturgest, Centro Cultural de Belém, Fundação Serralves, Casa da Música, etc. – e também no estrangeiro – Espanha, Bélgica, França, Brasil, Alemanha, África do Sul.

Drumming resulta também da evolução da percussão erudita em Portugal e na própria cultura ocidental, contribuindo, através da divulgação das grandes obras contemporâneas, para um ganho progressivo de público para esta especialidade, no seio da qual percorre as vias da inovação sonora e da poética do espectáculo enquanto momento cénico único e total. Com a estabilização em termos profissionais e autónomos, o projecto Drumming passou a desempenhar um papel central na divulgação do mais significativo repertório existente para percussão, entrando numa fase de desenvolvimento do seu próprio repertório com compositores internacionais e portugueses.

Nos últimos anos, tem-se consolidado a singularidade do papel de Drumming na cena musical portuguesa, mediante apresentações que vão da percussão erudita, ou do rock-jazz-world music, à música de cena para teatro, ópera e bailado, passando pela programação contemporânea temática. O grupo tem, igualmente, apresentado programas concebidos para fins itinerantes e didáctico-pedagógicos de trabalho com não profissionais.

No campo da pesquisa, a organização de seminários e conferências e a elaboração de um programa pedagógico próprio integram uma actividade orientada numa perspectiva ecléctica que inclui também o trabalho de atelier experimental, por onde passam trabalhos coreográficos, de ligação à música electrónica e fusão com outros géneros musicais e artísticos.

2013

Partilhe
Share on Facebook
Facebook