Carlos Bica

Bio+

Micro-sítios Meloteca
Clique para criar o seu micro-sítio

Carlos Bica

Contrabaixo

Carlos Bica é um dos músicos portugueses que alcançaram projecção internacional, tendo-se tornado uma referência no panorama do jazz europeu.

Entre os vários projectos musicais que lidera e para além das suas colaborações com teatro, cinema e dança, o trio AZUL, com o guitarrista Frank Möbus e o baterista Jim Black, tornou-se na imagem de marca do contrabaixista e compositor.

Quando se fala da música de Carlos Bica, a crítica costuma salientar a forma como nela se interpenetram referências de diferentes universos, da música erudita contemporânea à folk, ao rock, ao jazz, às músicas improvisadas.

O que corresponde, como seria natural, à própria trajectória do intérprete compositor. Aprendeu a tocar contrabaixo na Academia dos Amadores de Música e no Conservatório Nacional,tendo finalizado os seus estudos superiores de música na Musikhoch schule Würzburg com o bolseiro do DAAD. Foi membro da Orquestra de Câmara de Lisboa, assimcomo de diversasorquestras de câmaraalemãs, taiscomo a Bach Kammerorchester e a Wernecker Kammerorchester.

Mas o seu primeiro concerto de jazz deu-o pouco antes de partir para a Alemanha. Fez muita música improvisada, durante anos tocou com Maria João, trabalhou e gravou na área da música popular portuguesa com Carlos do Carmo, José Mário Branco, Camané, Cristina Branco, Janita Salomé e participou em inúmeros festivais de jazz internacionais em colaboração com músicos como KennyWheeler, Ray Anderson, AkiTakase, Alexander von Schlippenbach, Lee Konitz, Mário Laginha, Albert Mangelsdorf, Paolo Fresu, Markus Stockhausen, António Pinho Vargas, John Ruocco, Matthias Schubert , Joel Frahm, Gebhard Ullmann entre outros.

Em finais de 1995 gravou o seu primeiro álbum “Azul” (Polygram), juntamente com o guitarrista Frank Möbus e o baterista Jim Black, CD este que também conta com a participação do trombonista Ray Anderson e da cantora Maria João. Onde Carlos Bica se afirma não só como músico inovador no seu instrumento, mas também revela as suas qualidades como compositor.

A necessidade de projector namúsica as vivências do seupercurso musical e o enorme fascínio pelo som da voz e dos instrumentos de arco, levou Carlos Bica até ao projecto “DIZ”, queteve a suaestreia no Festival dos CemDias/Expo’98, e a edição em disco em Abril de 2001 pela Enja Records(Prémio de “Melhor disco do ano” da Antena 1/ Cinco minutos de Jazz).

Em Outubro de 2005 Carlos Bica edita”Single”(BorLand), o seu primeiro álbum de contrabaixo solo, onde músico e instrumento se encontram a sós e onde Bica revela o seu lado musical mais íntimo. Na digressão que fez em Portugal de promoção desse disco, teve como convidados alguns dos seus amigos e músicos favoritos, como: João Paulo Esteves da Silva, Jesse Chandler, Sam the Kid, Kalaf, Alexandre Soares, Jorge Coelho, DJ IlVibe, Matthias Schubert,KalleKalima e Ana Brandão.

A colaboração com DJ IllVibe prolongou-se para o álbum “Believer” (2006) – após “Azul” (1996), “Twist”1999) e “LookWhatThey’veDone to MySong” (2003) – do projecto Azul, onde o DJ Illvibe é convidado especial.

Em 2009 o pianista João Paulo grava o álbum “WhiteWorks” (Universal), um álbum onde o músico toca em piano solo as composições de Bica. “WhiteWorks” foi votado pela crítica nacional “Disco do Ano”.

Depois da sua participação em inúmeros projectos nacionais e internacionais em diferentes áreas artísticas,nasce em 2008 o projecto “Matéria-Prima”, onde participam o pianista João Paulo e o guitarrista Mário Delgado, companheiros de longas aventuras musicais, e os jovens e talentosos Matthias Schriefl no trompete e João Lobo na bateria. Carlos Bica foi distinguido com o Prémio Carlos Paredes 2011, pelo álbum “Matéria-Prima” editadopelaeditora Clean Feed.

Em2011 passados 15 anos desde a edição do seu primeiro álbum, Bica volta a reunir em estúdio os seus companheiros de longa data para gravar “Things About”, o quinto álbum do trio AZUL, que mantém intacta a formação original, numa empatia rara que tem contribuído para o reconhecimento internacional de Carlos Bica.

2014