Campos Costa, maestro

Bio+

Micro-sítios Meloteca
Clique para criar o seu micro-sítio

Campos Costa

Direção

Oriundo de uma família tradicionalmente covilhanense, Manuel Macedo Campos Costa nasceu em 3 de fevereiro de 1929, na Cidade do Porto, onde os seus pais viveram temporariamente. Com três meses de idade mudou-se para a Covilhã onde frequentou o Liceu Frei Heitor Pinto e a Escola Industrial Campos Mello.

No âmbito do Orfeão da Covilhã, criou, em 1961 o conservatório Regional de Música da Covilhã e dirigiu, de 1966 a 1973, o Coro Misto, o Coro Sacro e o Coro Etnográfico, tendo mantido colaboração mensal com a Emissora Nacional de Radiodifusão.

Em 1962 e 1970 revelou a obra do compositor covilhanense Eng. Ernesto de Campos Mello e Castro, cujas composições jaziam esquecidas ou desconhecidas.

Em 2006/2007, divulgou a obra do compositor tortosendense Gabriel da Cruz Morais de Sosa, por ocasião do centenário do seu falecimento.

Em 1970, no centenário da elevação da Covilhã a Cidade, propôs à Câmara Municipal e levou a efeito o 1º Concurso de Piano “Cidade da Covilhã”, do qual já se realizaram 9 edições.

Promoveu igualmente o ressurgimento dos “Quadros Vivos” do Teixoso, que não se realizavam há mais de 50 anos, tendo a sua ação merecido as melhores referências por parte do Dr. José Lopes Dias. Também esteve na base da ideia da canção “Cidade-Neve”, cantada por Amália Rodrigues, do qual são autores Nóbrega e Sousa (música) e Joaquim Pedro Gonçalves (letra), sobre guião do Dr. Duarte Simões.

Em 1971, sob proposta do Dr. João de Freitas Branco, foi nomeado Delegado da Juventude Musical Portuguesa na Covilhã.

Em 1972, como professor de Canto Coral do Liceu Heitor Pinto, esteve na origem do 1º Concurso de Piano “Júlio Cardona”, em estreita colaboração com os alunos finalistas desse ano lectivo.

Em 1975, o seu nome figura entre os Membros Observadores de Honra do VII Concurso Internacional de Piano “Vianna da Motta”, a que assistiu a convite do pianista Sequeira Costa.

Em 1997, no âmbito da Delegação da Juventude Musical Portuguesa, promoveu e levou a efeito o Concurso de Instrumentos de Arco “Júlio Cardona”, de âmbito internacional, do qual está em preparação a 9ª edição.

Ainda que autodidata em música, é autor de diversas composições, sendo da sua autoria o “Hino da Escola Industrial Campos Mello”.

No campo das letras, para além de artigos de opinião, crítica musical e reportagem, publicou diversas obras de caráter literário.

Em 2002 criou o Coro Misto da Academia Sénior da Covilhã.

Em reconhecimento pela sua ação no âmbito da Cultura, foi agraciado com as seguintes condecorações: Cavaleiro da Ordem Imperial Bizantina de Santo Eugénio de Trebizonda, grau Protospatário (Comendador); Cavaleiro de Justiça da Ordem Ecuménica de Malta; Condecorado com a Cruz de Honra da Ordem Ecuménica de Malta e Medalha de Mérito Municipal, categoria Prata, atribuída pela Câmara Municipal da Covilhã.

Campos Costa, maestro, foi figura emblemática e incontornável da Música e da Cultura Covilhanense. Criou fortes laços com a EPABI e a sua neta, Carolina Campos Costa, também foi aluna da classe de violino da EPABI.

Faleceu a 03 de maio de 2022.

Partilhe
Share on Facebook
Facebook