pianista Bernardo Sassetti

Bernardo Sassetti

Piano

Bernardo Sassetti nasceu em Lisboa a 24 de Junho de 1970, oitavo filho de Maria de Lourdes da Costa de Sousa de Macedo Sassetti Paes e Sidónio de Freitas Branco Paes. Era casado com a actriz Beatriz Batarda, com quem teve duas filhas Maria Sassetti Paes e Leonor Sassetti Paes.

Bernardo Sassetti iniciou os estudos de piano clássico aos nove anos com Maria Fernanda Costa e, mais tarde, com António Menéres Barbosa, tendo frequentado também a Academia dos Amadores de Música.

Dedicou-se ao jazz, estudando com Bernardo Moreira, Zé Eduardo, Horace Parlan e Sir Roland Hanna. Em 1987, começou a sua carreira profissional, em concertos e clubes locais, com o quarteto de Carlos Martins e o Moreiras Jazztet; participou em inúmeros festivais com músicos tais como Al Grey, John Stubblefield, Frank Lacy e Andy Sheppard.

Desde então, apresentou-se por todo o mundo ao lado de músicos como: Art Farmer, Kenny Wheeler, Freddie Hubbard, Paquito D´Rivera, Benny Golson, Curtis Fuller, Eddie Henderson, Charles McPherson, Steve Nelson, Chano Domínguez, Guy Barker, Mário Laginha, Pedro Burmester, Maria João Pires, João Paulo Esteves da Silva, Alexandre Frazão, Carlos Barretto, Demian Cabaud, Carlos Bica, Laurent Filipe, JeanFrançois Lezé, Bernardo Moreira, José Salgueiro, Marco Miralta, Guillermo McGill, Perico Sambeat, Pedro Moreira, João Moreira, Nelson Cascais, Adja Zupancic, André Fernandes, Drumming Grupo de Percussão, entre outros. Destacando-se a colaboração estreita e regular com a Sinfonietta de Lisboa e o Maestro Vasco Pearce de Azevedo.

Em 1994, integrou a United Nations Orchestra, fundada por Dizzy Gillespie, tocando ao lado de vários músicos latinos, influenciando de forma evidente o seu primeiro álbum Salsetti.

No mesmo ano, gravou com o quinteto de Guy Barker o CD Into The Blue (Verve), nomeado para os Mercury Music Prize 95 – Ten albums of the year. Em 1997, também com Guy Barker, gravou What Love is, acompanhado pela London Philharmonic Orchestra e com a participação especial do cantor Sting.

Como compositor destacam-se as composições Ecos de África (1994), Sons do Brasil (1994), Mundos (1995), Entropé (para piano e orquestra) (2001), 4 Movimentos Soltos (para piano, vibrafone, marimba e orquestra) (2003),Fragments (of Cinematic Illusion) (2004/2005), Concerto Dinâmico (2005), Suite para Dom Roberto (2007), e entre muitas outras peças para pequenas formações.

O seu primeiro trabalho discográfico como líder, Salsetti (Groove/Movieplay), foi gravado em Abril de 1994, com a participação de Paquito D’Rivera, seguido de Mundos (Emarcy/Polygram), em Janeiro de 1996. Em 2002, gravou Nocturno (Clean Feed), o primeiro disco do Bernardo Sassetti Trio, com Carlos Barretto e Alexandre Frazão, distinguido com o Prémio Carlos Paredes; e no mesmo ano iniciou a colaboração com Olga Neves Carneiro que o representou ao longo da década seguinte.

Em 2004, gravou dois discos para piano solo Indigo e Livre (Clean Feed). No ano seguinte, lançou o segundo disco do Bernardo Sassetti Trio, Ascent (Clean Feed), com a participação de Ajda Zupancic e François Lezé, um fruto da comunhão entre a música e as artes visuais derivadas da sua dedicação ao cinema e à fotografia.

Em Dezembro de 2006, também dentro do contexto audiovisual, Bernardo Sassetti editou Unreal: Sidewalk Cartoon (Clean Feed), materializado em espectáculo e contando com a participação de vinte e oito músicos e uma actriz, um disco que recebeu o melhor acolhimento da crítica nacional e internacional. Em 2007, foi editada a banda sonora da peça de teatro Dúvida (Clean Feed), com encenação de Ana Luísa Guimarães.

Em Outubro de 2006, apresentou-se no Grande Auditório do Centro Cultural de Belém com Mário Laginha e Pedro Burmester no concerto 3 Pianos, editado em CD e DVD no ano seguinte. Em 2010, gravou o terceiro e último disco do Trio de Bernardo Sassetti com o título Motion (Clean Feed), e também em parceria com Carlos do Carmo Bernardo Sassetti & Carlos do Carmo (Universal).

De entre muitos discos gravados (como acompanhador e compositor) podem destacar-se os seguintes: Conrad Herwing e Trio de Bernardo Sassetti – Ao vivo no Guimarães Jazz; Orquestra Cubana Sierra Maestra – Dundumbanza e Tibiri tabara; Carlos Barretto – Impressões e Olhar; Carlos Martins com Cindy Blackman – Passagem; Luís Represas – Cumplicidades; Carlos do Carmo Ao vivo no Coliseu; Guy Barker – Into the blue, Timeswing e What love is; Perico Sambeat – Perico; Guillermo McGill – Cielo e Oración; Tetvocal – Desafinados; Djurumani – Reencontro e Andy Hamilton – Jamaica by night, Da Weasel – Amor, Escárnio e Maldizer, Rui Veloso – Rui Veloso e Amigos, Sérgio Godinho – Dias Consecutivos, entre outros.

Bernardo Sassetti dedicou 18 anos da sua vida à composição de música para cinema, uma paixão que o acompanhou desde os seus 12 anos de idade. Destaca-se a participação no filme The Talented Mr. Ripley (Paramount/Miramax) do realizador Anthony Minguella, em 1999. Para este projecto, gravou My Funny Valentine com o actor Matt Damon, entre outros temas.

Compôs igualmente, em parceria com o trompetista Guy Barker, uma série de temas para serem apresentados na Premiére deste filme realizada em Los Angeles, Nova Iorque, Chicago, Berlim, Paris, Londres e Roma. Dos seus trabalhos de composição para cinema destacam-se Maria do Mar de Leitão Barros, Facas e Anjos de Eduardo Guedes, Quaresma de José Álvaro Morais, O Milagre Segundo Salomé eUm Amor de Perdição de Mário Barroso, A Costa dos Murmúrios de Margarida Cardoso, Alice e Como desenhar um círculo perfeito de Marco Martins, Second Life de Miguel Gaudêncio e Alexandre Valente, 98 Octanas de Fernando Lopes, o documentário Noite em Branco de Olivier Blanc e a curta-metragem As Terças da Bailarina Gorda de Jeanne Waltz.

Como solista, participou também no filme Pax de Eduardo Guedes e na curta-metragem Bloodcount de Bernard McLoughlan. As bandas sonoras de A Costa dos Murmúrios e Alice foram distinguidas com o troféu internacional Cineport para melhor banda sonora original.

Escreveu e interpretou música também para teatro, destacando-se as peças Dúvida e A Casa de Bernarda Alba encenadas por Ana Luísa Guimarães, A Bicicleta de Faulkner encenada por Rita Lello e Azul Longe nas Colinas encenada por Beatriz Batarda.

Em 1994, Bernardo Sassetti intensificou a dedicação à fotografia movido não apenas pela paixão por esta arte mas por uma real necessidade de associar a imagem à música que escreve. Tal como aconteceu com a sua música, a fotografia foi, para Sassetti, mais do que a própria realidade, o espelho das coisas que dela se imaginam.

Em 2007 começou a expor o seu trabalho, apresentando-se no Museu Nogueira da Silva, em Braga, em Setembro deste ano. De Abril a Julho de 2008 expôs na FNAC do Norte Shopping em Matosinhos, e no final do mesmo ano apresentou-se em Guimarães no Centro Cultural Vila Flor. Em 2009, a exposição rumou à Madeira, sendo apresentada na Casa das Mudas na Calheta.

Como concertista, apresentou-se em piano solo, em trio com Carlos Barretto e Alexandre Frazão, em duo com o pianista Mário Laginha, com quem gravou os CDs Mário Laginha/Bernardo Sassetti, Grândolas, Trago Fado nos Sentidos e Dias da Música 2011, e ainda em trio de pianos com Mário Laginha e Pedro Burmester.

Em 2007, integrou o grupo Art Impressions, ao lado de Maria João Pires, no espectáculo Schubertíade. Apresentou-se também ao vivo interpretando música da sua autoria para A Viagem, Fada Oriana e Menina do Mar com narração de Beatriz Batarda, entre 2007 e 2011 em Portugal, Itália e Canada. Em 2008, Bernardo Sassetti reuniu Perico Sambeat, André Fernandes, Paco Charlín e Alexandre Frazão no concerto Bebop, Bird and Beyond na Casa da Música, num tributo a Charlie Parker, Thelonious Monk e Charles Mingus. Em 2008, tocou com Mário Laginha, Camané e Carlos Bica no espectáculo Vadios, no CCB, um espectáculo que juntou o jazz e o fado.

Em 2009, realizou no Teatro Maria Matos o concerto Music Around Circles, juntando-se a João Paulo Esteves da Silva, Mário Laginha e Filipe Quaresma num concerto que nasceu da colaboração criativa com o realizador Marco Martins para a criação da banda sonora original de Como desenhar um círculo perfeito.

Em 2010, realizou o espectáculo Histórias do Castelo, uma viagem musical, visual e literária, à propósito da comemoração dos 100 anos da classificação do Castelo de S. Jorge como Monumento Nacional, com textos de Nuno Júdice, imagem de António Jorge Gonçalves, fotografia, vídeo e música de Bernardo Sassetti, com a interpretação da Sinfonietta de Lisboa e um elenco de oito actores.

Em 2011, Bernardo Sassetti compôs e interpretou a música para o espectáculo Uma coisa em forma de assim,uma obra co-criada pelos coreógrafos Clara Andermatt, Francisco Camacho, Benvindo Fonseca, Rui Lopes Graça, Rui Horta, Paulo Ribeiro, Olga Roriz, Madalena Victorino e Vasco Wellenkamp, numa produção da Companhia Nacional de Bailado. A última apresentação de Bernardo Sassetti foi a solo no Fórum Cultural Alcochete, no dia 28 de Abril de 2012.

Bernardo Sassetti faleceu em Cascais no dia 10 de Maio de 2012.

Partilhe
Share on Facebook
Facebook