Artur Paredes, guitarra portuguesa, Coimbra

Artur Paredes

Guitarra portuguesa

Considerado um guitarrista genial, “o génio revolucionário da guitarra coimbrã”, muitos julgarão que a guitarra de Coimbra tenha começado com ele, mas não é bem assim.

O seu pai, Gonçalo Paredes, que se formou na Universidade em 1912, e o seu tio, Manuel Paredes, foram seus antecessores na arte difícil de tocar guitarra.

Artur Paredes foi, assim, o continuador de uma tradição familiar. Tradição familiar, aliás, cujo testemunho passou a seu filho, Carlos Paredes, outro genial guitarrista.

Segundo Nélson Correia Borges

Artur Paredes foi o grande fenómeno da guitarra de Coimbra, afastou-a definitivamente da sua irmã de Lisboa, introduzindo-lhe outras características como uma escola de 470 mm e uma afinação mais baixo do que a de Lisboa. Desenvolveu uma nova técnica de tocar guitarra portuguesa de que foi herdeiro seu filho Carlos Paredes.

Introduziu nas suas “Variações” a música popular, com predominância da música de Coimbra, com extraordinário virtuosismo. Ninguém como ele toca a “Balada de Coimbra”, que passou a encerrar todas as serenatas. Artur Paredes nunca cursou a Universidade, embora a Academia o considerasse como membro sua Academia.

De sua profissão “empregado bancário”, Artur Paredes participou em muitos saraus da Tuna e do Orfeão, até se mudar para Lisboa em 1934. Em agosto e setembro de 1925, Artur Paredes deslocou-se ao Brasil, como “artista adjunto” da Tuna Académica de Coimbra.

[ Músicos de Coimbra ]

Partilhe
Share on Facebook
Facebook