António Andias, guitarra portuguesa, natural de Aveiro

Bio+

Micro-sítios Meloteca
Clique para criar o seu micro-sítio

António Andias

Guitarra Portuguesa

António Manuel Andias da Paula, guitarrista e compositor, nasceu em Aveiro a 28 de janeiro de 1946.

“É um dos mais destacados da canção de Coimbra da segunda metade do século XX. Começou a tocar guitarra com um grupo de amigos do Liceu, em Aveiro, aprofundando a sua formação em Coimbra entre 1963 e 1967 com Nuno Guimarães e Jorge Rino.

Em 1970 formou-se em Engenharia Químico-Industrial no Instituto Superior Técnico de Lisboa. Durante a permanência em Coimbra foi solista de bandolim na Tuna Académica da Universidade de Coimbra. (TAUC). Como guitarrista, integrou o Grupo de Fados ligado à TAUC e o Grupo de Fados do Orfeão Académico de Coimbra (OAC) entre 1964 e 1967, onde acompanhou José Miguel Baptista, Vítor Nunes e Fernando Gomes Alves.

Com Durval Moreirinhas e Ernesto Melo constituiu um grupo de guitarras, que gravou Guitarras de Coimbra, Guitarras de Portugal (1967). Durante os anos de estadia em Coimbra, foi um dos principais intérpretes das guitarradas de Jorge Tuna e de Carlos Paredes.

Após fixar residência em Lisboa, gravou o EP 4 Canções de Coimbra (1971) com Armando Marta e, juntamente com Durval Moreirinhas, participou na gravação do LP Canções de Amor e Esperança de Luiz Goes (1971).

Em 1970 atuou no Japão, integrado no OAC, instituição académica integrada na delegação portuguesa à Expo 70 (Osaka).

Em 1971 participou na comemoração dos 25 anos da TAP no Brasil, integrado no Grupo de Fados do OAC, juntamente com E. Melo, Durval Moreirinhas, José Miguel Baptista, Vítor Nunes, entre outros.

Marcado pelo estilo e prática de Carlos Paredes e de Jorge Tuna, procurou todavia inovar na configuração dos acompanhamentos desenvolvendo uma feição própria na qual os apontamentos melódicos ou contracantos, apesar da significativa autonomia, servem de suporte ao canto.

Integra-se no grupo dos mais representativos cultores da canção coimbrã, em larga medida pelos arranjos que fez para muitos fados e canções”

(Amparo Carvas e Virgílio Caseiro, EMPXX)

Partilhe
Share on Facebook
Facebook