Andreia Pinto-Correia, compositora portuguesa natural de Lisboa

Bio+

Micro-sítios Meloteca
Clique para criar o seu micro-sítio

Andreia Pinto-Correia

Composição

Nascida em Lisboa, Andreia Pinto-Correia faz o Doutoramento em Composição no New England Conservatory em Boston, sob a orientação do compositor Michael Gandolfi, tendo recebido o seu Mestrado, com honras académicas, no mesmo conservatório, como aluna do compositor Bob Brookmeyer.

Igualmente com honras académicas, licenciou-se no Berklee College of Music em ambos os cursos de Música para Filmes e Composição de Jazz, tendo recebido inúmeros prémios e bolsas de estudo.

Entre os mais recentes reconhecimentos encontra-se o fellowship dado pela Boston Symphony para composição do Tanglewood Music Center (2009), o fellowship da National Orchestral Network/ ACO/ Memphis Symphony Orchestra (2009), uma Menção Honrosa pela American Composers Orchestra Readings (2009), uma Menção Honrosa pela Minnesota Symphony Orchestra Readings (2009), dois prémios consecutivos para Composição de Música Contemporânea do New England Conservatory of Music (2009 e 2008), o prémio de Composição Toru Takemitsu atribuído pela Japan Society (2008), um fellowship de Composição pela Composers Conference (2008), o prémio de Mérito do New England Conservatory (2008 e 2009), o prémio ASCAPLUS, a participação no II Atelier de Jovens Compositores da Orquestra do Algarve e uma bolsa de estudo da FLAD, entre outros.

Recentemente nomeada como Jovem Compositora em Residência para o Festival de Música Contemporânea de Boston/ Dinosaur Anex Ensemble, as suas encomendas incluem duas obras para a Presidência de Portugal na União Europeia (uma das quais apresentada na cerimónia de encerramento no Centro Cultural de Belém), uma obra para o Ensemble de Música Contemporânea Avian Music de Nova Iorque, uma encomenda da Dinosaur Annex Ensemble (Boston), uma obra para a OrchestrUtópica, uma obra para o Drumming GP, duas encomendas para o duo de virtuosos da tuba Sérgio Carolino (solista da Orquestra Nacional do Porto) e Anne Jelle Visser (solista da Ópera de Zurique), Orquestra de Jazz de Matosinhos, Festival do Teatro S. Luiz, uma obra para o percussionista Jeffrey Davis, Câmara Municipal da Trofa, e uma obra para o concurso Prémio Jovens Músicos para a categoria de piano, nível avançado, entre outras.

Andreia Pinto-Correia é bolseira de instituições como a Boston Symphony Orchestra/Tanglewood Music Center, American Composers Orchestra/ Ear Shot Network, New England Conservatory of Music, Composers Conference (Wellesley), Fundação Sacatar (Salvador da Bahia, Brazil), BMI Composers Workshop (Nova Iorque), Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento, Berklee College of Music, Berklee College of Music Alumni Grant, Beneficent Society (Boston) e a ASCAP(Nova Iorque).

Andreia Pinto-Correia iniciou os estudos musicais na Academia de Amadores de Música e na Escola de Jazz do Hot Clube de Portugal, em Lisboa.

Impossibilitada de tocar o seu instrumento (saxofone) devido a um acidente, voltou-se para a composição no ano de 2002, então bolseira do Berklee College of Music, iniciando uma intensa carreira como diretora da sua própria Orquestra de Jazz, dirigindo exclusivamente a sua música, com atuações nos Estados Unidos e Portugal, tendo sido patrocinada pelo Berklee College of Music. Entre alguns dos seus convidados encontram-se nomes como Eli Degibri, Perico Sambeat, Marc Miralta, André Fernandes, Sara Serpa e Carmen Staaf.

Colaborou com artistas em Cabo Verde como o compositor Vasco Martins, a batucadeira Nácia Gomi e o cantor Mário Lúcio, como diretora musical das Comemorações dos 30 anos de Independência daquele país.

As obras de Andreia Pinto-Correia têm sido apresentadas em salas de concerto na Europa, Estados Unidos e África entre as quais se destacam o Musiekgebouw (Amsterdão), Seijji Ozawa Hall (Tanglewood Music Festival), Festival de Lucerna, Zurich University for the Arts (Zurique), Jordan Hall (Boston), Berklee College of Music Performance Center (Boston), Casa da Música (Porto), Centro Cultural de Belém (Lisboa), Centro Cultural Vilar Flôr (Guimarães), Teatro das Figuras (Faro), Teatro Gil Vicente (Coimbra) e Centro Cultural do Mindelo (S. Vicente, Cabo Verde).

A sua música combina influências do seu país com técnicas de música contemporânea.

[ Publicada na Meloteca a 22 de setembro de 2020 ]

Partilhe
Share on Facebook
Facebook