Música e deficiência mental

Música e deficiência mental moderada-grave

Crónicas de Música Adaptada

Muito agitada na sala de aula, a “Tina” que tem deficiência mental moderada-grave, começou a ter “Oficina dos Sons Adaptada”. É prestável e quer ajudar-me a levar uma pequena mochila com instrumentos adaptados, que acaba por deixar cair. E pede desculpa.

Entramos na sala onde vão decorrer as sessões ao longo do ano. Ela fica muito curiosa sobre o que há na mala e na mochila.

Canta uma canção que eu desconheço, “A linda Rosa juvenil”. Só canta o primeiro verso.

Começamos uma atividade com pandeiro e ela interrompe: “Para”. Eu digo: “Não, agora é a minha vez de tocar”. Depois toca maracas coloridas a acompanhar música instrumental. Tem pouca permanência na atividade, e volta a cantar dançando “A linda Rosa juvenil”. Eu digo que desta vez trago internet e prometo que às 14:10 lhe mostro a canção no telemóvel.

Coloco-lhe duas pulseiras musicais feitas pela Sílvia Monteiro e ela sente-se ainda mais feliz a dançar e fica com as pulseiras até ao fim da sessão. Eu cumpro a promessa de lhe mostrar o vídeo e fico a conhecer a tão citada canção.

Ela canta vários versos e eu já posso ajudá-la um pouco mais a partir do que ela gosta. Assim se vai negociando e gerindo o tempo para que ela aprenda e se sinta bem com música.

A linda Rosa juvenil, juvenil, juvenil.
A linda Rosa juvenil, juvenil.

Vivia alegre no seu lar, no seu lar, no seu lar.
Vivia alegre no seu lar, no seu lar.

Um dia veio a bruxa má, bruxa má, bruxa má.
Um dia veio a bruxa má, bruxa má.

Adormeceu a Rosa assim. Foi assim, foi assim.
Adormeceu a Rosa assim. Foi assim.

O tempo passou a correr, a correr, a correr.
O tempo passou a correr, a correr.

O mato cresceu ao redor, ao redor, ao redor.
O mato cresceu ao redor, ao redor.

Um dia veio um belo rei, belo rei, belo rei.
Um dia veio um belo rei, belo rei.

E despertou a Rosa assim, foi assim, foi assim.
E despertou a Rosa assim, foi assim.

Puseram-se eles dançar, a dançar, a dançar.
Puseram-se eles dançar, a dançar.

Batemos palmas ao casal, ao casal, ao casal.
Batemos palmas ao casal, ao casal, ao casal.

[ Esta canção infantil tradicional do Brasil está na internet. Foram feitas algumas alterações ao texto que me pareceram convenientes. A estória pode ser cantada e representada na sala de aula, com as personagens referidas (Rosa, bruxa, rei) ].

Música e deficiência mental
Criança com deficiência mental

António José Ferreira

0 comentários

Deixe um comentário

Quer participar?
Deixe a sua opinião!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *