Emiliano Toste

Balsagaita cun Pandeiros

Este pandeiro que toco,
este que tengo na mano,
que me lo dou mie cunhada,
la mulhier de miu armano.

Acudi-me, moças!
Beni-me acudir!
Las pulgas son tantas,
nun me déixan drumir…
Bóto-me a agarrá-las,
bótan-se a fugir…
Bóto-me a agarrá-las,
bótan-se a fugir…

Este pandeiro que toco
ten un aro de cortiça;
You toco an Dues Eigreijas,
respónden na Belariça.

Acudi-me, moças!
Beni-me acudir!
Las pulgas son tantas,
nun me déixan drumir…
Bóto-me a agarrá-las,
bótan-se a fugir…
Bóto-me a agarrá-las,
bótan-se a fugir…

Este pandeiro que toco,
a la puorta de la frauga,
fai las moças mais bonitas
chegar l burrico a l’auga.

Acudi-me, moças!
Beni-me acudir!
Las pulgas son tantas,
nun me déixan drumir…
Bóto-me a agarrá-las,
bótan-se a fugir…
Bóto-me a agarrá-las,
bótan-se a fugir…

Letra: Tradicional (Planalto Mirandês, Trás-os-Montes) e Galandum Galundaina (estrofe incipit “Este pandeiro que toco / a la puorta de la frauga”)
Música: Galandum Galundaina
Intérprete: Galandum Galundaina (in CD “Quatrada”, Açor/Emiliano Toste, 2015)

Emiliano Toste
Emiliano Toste
0 comentários

Deixe um comentário

Quer participar?
Deixe a sua opinião!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *