Artigos académicos ou de divulgação sobre música

soprano Susana Gaspar

Músicos Portugueses na Diáspora” é projeto Meloteca em curso ao longo de 2020 que pretende conhecer e divulgar todos os músicos portugueses na diáspora. Cada resumo biográfico, de cerca de 300 palavras, valorizará:

  • os estudos feitos pelo músico em Portugal,
  • os laços familiares musicais,
  • as circunstâncias que o levaram a emigrar,
  • a repercussão internacional da carreira,
  • as relações mantidas com a música portuguesa.

Alexandra Mascolo-David

Pianista, residente nos EUA

Alexandra Mascolo-David, pianista nos EUA
Alexandra Mascolo-David, pianista nos EUA

Residente nos EUA, Michigan, a pianista portuguesa Alexandra Mascolo-David, filha da coreógrafa Anna Mascolo, é diplomada em Piano pelo Conservatório de Música do Porto e Doctor of Musical Arts pela Universidade do Kansas, onde estudou com Sequeira Costa. Tem atuado com regularidade em temporadas de concertos na Europa, na Ásia, na América Latina e na América do Norte, incluindo um recital no Carnegie Hall em 2004, o qual recebeu uma crítica magnífica na revista New York Concert Review. Há duas décadas que tem vindo a enriquecer o seu repertório com a música de compositores portugueses contemporâneos. O seu irmão Bruno foi bailarino do Ballet Gulbenkian e do Ballet National de Marseille Roland Petit – a sua carreira foi interrompida por um acidente, o que o levou a dedicar-se ao Design de Interiores. Em 2000, Alexandra Mascolo-David casou com Patrick Donnelly em 2000, Director of Theatre Operations no Kauffman Center for the Performing Arts em Kansas City. (01/01/2020)

Dinis Sousa

Maestro, do Porto, residente em Londres, Reino Unido

maestro Dinis Sousa
maestro Dinis Sousa

Nascido no Porto, Dinis Sousa vive em Londres. É fundador e director artístico da Orquestra XXI – projecto vencedor do prémio FAZ-IOP 2013, que reúne músicos portugueses residentes no estrangeiro. Nas últimas temporadas, Dinis Sousa tem dirigido orquestras como a Southbank Sinfonia, Orquestra Sinfónica Portuguesa, Orquestra de Câmara da Escócia, Aurora Orchestra e Orquestra Sinfónica de Londres. Tem trabalhado com o maestro Sir John Eliot Gardiner, enquanto seu assistente em projectos com a Orquestra Sinfónica de Londres, onde já teve a oportunidade de dirigir a orquestra, com a Orquestra Filarmónica de Berlim e com o Monteverdi Choir e Orchestre Révolutionnaire et Romantique. A 10 de Junho de 2015, foi condecorado pelo Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, com o grau de Cavaleiro da Ordem do Infante D. Henrique. (04/01/2020)

João Terleira

Tenor, de Viana do Castelo, na residente Alemanha

João Terleira
João Terleira

João Terleira iniciou os estudos musicais na Academia de Música de Viana do Castelo. É licenciado em Canto pela Escola Superior de Música e Artes do Espetáculo (ESMAE) do Porto. Terminou o Mestrado em Interpretação Artística, na ESMAE, com a dissertação Tecnologia de Apoio em Tempo-Real ao Canto – Relação entre parâmetros percetivos da voz cantada com fenómenos acústicos objetivos, sob a orientação de Rui Taveira e Sofia Lourenço. Apresenta-se regularmente em Portugal e no estrangeiro, abrangendo repertório que inclui recitais de canto, canção sinfónica e oratória. Foi bolseiro da Fundação para a Ciência e Tecnologia no projeto “Tecnologia de Apoio em Tempo-Real ao Canto”. Entre 2013 e 2015, foi membro do estúdio da Ópera da Flandres, sediado em Gent, na Bélgica. Neste momento reside na Alemanha. (06/01/2020)

Jorge Chaminé

Barítono, do Porto, residente em Paris, França

barítono Jorge Chaminé
barítono Jorge Chaminé

Nascido no Porto, Jorge Chaminé, barítono polifacetado, ocupa um lugar de destaque no mundo da lírica internacional. Bolseiro da Fundação “Calouste Gulbenkian”, estudou em Paris, Madrid, Munique e Nova Yorque. Barítono de ópera, foi aplaudido em Nova Yorque, Boston, Paris, Florença, Roma, Washington, Hamburgo, Avinhão, Sevilha, Madrid, Marselha e convidado como solista por orquestras como as Boston Symphony, London Symphony, Filarmónica Checa, Sinfónica de Berlim, RIAS, sob a direcção dos mais prestigiados maestros. Contracenou com famosos cantores como Mirella Freni, Montserrat Caballé e Teresa Berganza. O seu conhecimento das línguas assim como a originalidade dos seus programas fazem de Chaminé um recitalista sem par, tendo-o levado a cantar nas mais prestigiosas salas de concerto do mundo assim como nos principais festivais internacionais. Foram-lhe dedicadas obras por Bussotti, Lenot, Markeas, Schwarz, Petit, Vlad e Xenakis. É detentor de inúmeros prémios e distinções internacionais, Jorge Chaminé recebeu a Medalha dos Direitos Humanos da Unesco, de mãos de Federico Mayor, pela sua acção a favor das crianças abandonadas. Realizou cursos de aperfeiçoamento artístico na Europa e América. A partir de 2001, fundou um Atelier Musical no Centro Cultural Calouste Gulbenkian de Paris para cantores, pianistas e grupos de música de câmara: dado o grande êxito deste Atelier, Jorge Chaminé foi convidado a continuar esta original experiência pedagógica em 2005 no Colégio de Espanha da Cidade Universitária de Paris. Jorge Chaminé é o Director da prestigiosa Fundação Concertante e Director Artístico do Festival CIMA na Toscana. É também vice-presidente da Associação Georges Bizet. Jorge Chaminé foi nomeado Embaixador de Boa Vontade da organização “Music in ME”. A 31 de agosto 2018, foi nomeado Officier da Ordre des Arts et des Lettres pelo governo francês. (08/01/2020)

Liliana de Sousa

Meio-soprano, de Caldas de São Jorge, residente na Alemanha

meio-soprano Liliana de Sousa
meio-soprano Liliana de Sousa

Residente na Alemanha, a meio-soprano Liliana de Sousa é natural de Caldas de São Jorge. Licenciou-se em 2013 em Canto na ESMAE, Porto, e prosseguiu estudos na International Opera Academy 2013/15, em Ghent, Bélgica (anteriormente denominada Flanders Operastudio). Em Ópera interpretou diversos papéis e foi solista em diversas obras no campo da Oratória. Desde a temporada 2016/2017, é solista no Aalto-Musiktheater em Essen na Alemanha, onde interpretou papéis como Hänsel (“Hänsel und Gretel”), Page (“Salome”), Annio (“La Clemenza di Tito”), Rosina (“Il Barbiere di Siviglia”) e Cherubino (“Le Nozze di Figaro”). Na última temporada cantou em Essen papéis como Küchenjunge/2.Elfe (“Rusalka”), Despina (“Così fan tutte”), Kreusa (“Medea”), Flosshilde (“Der Ring an einem Abend”), Mercédès (“Carmen”), Barbara (” Eine Nacht in Venedig”), Page (“Salome”) assim como Hänsel. Cantou como convidada na Ópera em Wuppertal e em Dortmund. (03/01/2020)

Luís Magalhães

Pianista, de Famalicão, residente na África do Sul

pianista Luís Magalhães
pianista Luís Magalhães

Residente na África do Sul, Luís Magalhães nasceu em Lousado, Famalicão. Iniciou os estudos musicais aos 5 anos. Aos 12 anos ingressou no Curso de Piano do Centro de Cultura Musical de Caldas da Saúde. Com 18 anos começou os estudos de bacharelato na ESMAE na classe de Pedro Burmester. Foi galardoado com primeiros e segundos prémios no Concurso Maria Campina 1992 e 1997, Concurso Nacional da JMP em 1992, Prémio Jovens Músicos da RDP (Música de Câmara) em 1995. Participou no “2002 Russian Music Piano Competition” na Califórnia, EUA, tendo sido distinguido com o 2º Prémio, medalha de prata, e prémios para melhor interpretação de música russa e melhor interpretação de Rachmaninoff. Apresentou-se com numerosas orquestras nacionais e estrangeiras. Concluiu “cum laude” o grau de Mestrado in Performance na Universidade de Stellenbosch. Encontra-se matriculado na Universidade de Cape Town no grau de doutoramento. Luís Miguel Magalhães apresenta-se frequentemente em duo de pianos com a sua mulher, Nina Schumann, duo que tem obtido as melhores criticas internacionais pela sua musicalidade expressiva e técnica apurada. Foi bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian desde 1993 até 2002. (02/01/2020)

Maria de Macedo

Violoncelista, de Vila Nova de Gaia, residente em Madrid, Espanha

violoncelista gaiense Maria de Macedo
violoncelista gaiense Maria de Macedo

Maria de Macedo nasceu em Gaia em 1931 e iniciou os  estudos de violoncelo no Conservatório do Porto na classe de Madalena Sá e Costa. Aquando da sua graduação foi-lhe atribuído em 1955 o Prémio Suggia. Continuou os estudos musicais na Europa e nos EUA. Durante a década de 50, manteve uma intensa actividade como solista, em recitais, concertos com orquestra e gravacões. Foi membro da Orquestra Sinfónica do Porto, da Orquestra Nacional de Lisboa, e durante dez anos, solista da Orquestra Gulbenkian. Vivendo em Madrid desde 1975, dedica-se ao ensino do violoncelo, realizando também numerosas aperfeiçoamento em diferentes cidades espanholas e importantes universidades e conservatórios Europeus. É também júri em importantes concursos internacionais. Em 2001, fundou o prestigioso Forum de Violoncelos de Espanha, incluindo alguns dos mais importantes nomes mundiais a nível da performance e do ensino do violoncelo.

Mariana Pimenta

Soprano, da Ilha da Madeira, residente nos Países Baixos

Soprano madeirense Mariana Pimenta
Soprano madeirense Mariana Pimenta

Mariana Pimenta nasceu na ilha da Madeira, Portugal. Iniciou a atividade musical na actual Direção de Serviços de Educação Artística e Multimédia, no coro Infantil, dirigido por Zélia Gomes. Prosseguiu a formação em Canto no curso Profissional do Conservatório Escola Profissional das Artes da Madeira. Após concluir a Licenciatura em canto e o Mestrado em Educação de Música, na Universidade de Aveiro, Mariana continuou a formação no Conservatório Real de Haia, Holanda, especializando-se em canto na Música Antiga. Como solista, tem vindo a cantar ópera e oratória de compositores diversos. Trabalhou com a companhia de ópera Opera2Day. Na ilha da Madeira cantou com a Orquestra Clássica da Madeira árias de ópera do século XIX e XX, teve recitais a solo, cantou com a Orquestra de Bandolins da Madeira, e foi solista de um concerto integrante no Festival de Órgão da Madeira. Como trabalho em ensemble, foi membro do Vocal Ensemble, dirigido por Vasco Negreiros. É membro solista do ensemble La Banda Ariosa. Como coralista é membro freelance do Coro da Rádio da Holanda. (11/01/2020)

Nuno Rigaud

Organeiro, de Braga, residente na Alemanha

Nuno Rigaud organeiro
Nuno Rigaud, organeiro, 01-04-2013

Nuno Rigaud nasceu em Braga, em 1962, filho de Maria Adelina Caravana, fundadora do Conservatório de Música Calouste Gulbenkian de Braga; e de José João Rigaud de Sousa, provador do IVP e historiador. Entre 1985-1988 fez aprendizagem da organaria em França, Alsácia, na Firma Christian Guerrier Facteur d’Orgues (www.orgues-guerrier.org). Em 1990, casou com a organista alemã Waltraud Götz-Rigaud [Diploma A do curso de Música Litúgica, Curso de Pedagogia Musical e curso de órgão de concerto concluído com a classe de mestrado (Meisterklasse)] do Conservatório Nacional de Munique (Musikhochschule München) www.goetz-rigaud.de. Entre 1988-2004, trabalhou como organeiro – adquirindo experiência em todos os ramos da organaria incluindo planeamento e intonação – nas firmas da Baixa Baviera Georg Jann Orgelbau (Jann Pai, de 1988 a 1995), (orguian.com), Thomas Jann Orgelbau (Jann Filho, de 1995 a 2004), www.jannorgelbau.de. Em 2006, fundou a sua própria firma: Nuno Rigaud Orgelbau. (05/01/2020)

Pedro Costa

Pianista, de Macau, residente em Viena, Áustria

pianista Pedro Costa
pianista Pedro Costa, créditos Krystallenia Batziou Photography

Pedro Costa é um pianista português especializado no acompanhamento de canto e música de câmara. Desde 2017 é pianista correpetidor da Universidade de Música e Artes Performativas de Graz. Foi o vencedor do Concurso de Interpretação do Estoril, Prémio Helena Sá e Costa,  Concurso Louis Spohr para Acompanhamento de Lied em Kassel, o Concurso New Tenuto. Foi também premiado com o Prémio de Melhor Acompanhador no Concurso de Canto Lírico da Fundação Rotária Portuguesa. Atuou como solista com várias orquestras e maestros. Tem vindo a apresentar-se em diversas salas europeias e participou em festivais internacionais. Com o oboísta Guilherme Sousa e o fagotista Paulo Ferreira fundou o Perspective Trio que alcançou o primeiro prémio no Prémio Jovens Músicos, tendo-lhes também sido atribuído o Prémio GDA que permitirá a produção de um CD com obras portuguesas inéditas dedicadas a esta formação. Dado o seu especial interesse no acompanhamento de Lied, participou em várias edições do International Lied Masterclasses em Bruxelas, onde trabalhou com prestigiados cantores e pianistas. Nascido em 1989 em Macau, Pedro Costa é licenciado pela ESMAE no Porto.  Em 2015 terminou com distinção o Mestrado em Piano no Koninklijk Conservatorium Brussel (Bélgica). (13/01/2020)

Renato Penêda

Percussionista, residente em Roterdão, Países Baixos

Renato Penêda, créditos Arthur Stockel
Renato Penêda, créditos Arthur Stockel

Nascido em 1990, Renato Penêda é um percussionista que divide a actividade profissional entre os palcos e os bastidores. Trabalha com diversas orquestras, resultado de um trajecto educacional focado na música para ensemble e orquestra, iniciado na Banda de Música de Moreira da Maia com passagem pelo Conservatório do Porto e a ESMAE, até à chegada à Codarts Rotterdam. Em Roterdão, Renato Penêda terminou a licenciatura, durante a qual estudou também direcção de orquestra e empreendedorismo. Na Codarts, obteve o mestrado com distinção, após a apresentação de um espectáculo de teatro musical para duo de percussão e voz baseado em música portuguesa e percussão corporal. O percurso artístico levou-o a colaborações com diversos agrupamentos e orquestras e apresentações em 14 países em 3 continentes. Activo também na área da música contemporânea, é percussionista do AKOM Ensemble (Roterdão) e membro fundador do Pulsat Percussion Group, vencedor do 2.º prémio na edição de 2012 do Prémio Jovens Músicos e na edição de 2013 do Concurso Internacional de Música de Câmara “Cidade de Alcobaça”. Fora de palco, é produtor no departamento de música clássica da Codarts Rotterdam. (13/01/2020)

Rita Moldão

Soprano coloratura, de Vila Real, residente em Madrid, em Espanha

Rita Moldão soprano coloratura créditos Juan Carranza
Rita Moldão soprano coloratura

Natural de Vila real, Rita Moldão, Rita Moldão é licenciada em Canto Teatral pelo Conservatório Superior de Musica de Gaia, onde concluiu a licenciatura na classe de Fernanda Correia tendo continuado os estudos com Elisabete Matos em Madrid onde vive atualmente. Teve a sua estreia em 2003 como Susanna na ópera Le nozze di Fígaro, numa produção do Festival de Música de Gaia. Para além das excelentes críticas que tem na interpretação de papéis de ópera, Rita Moldão também é reconhecida pelos concertos e recitais, sejam de música de câmara ou música sacra, num repertório que inclui, por exemplo, Exultate JubilateMissa da Coroação e Missa Breve em SolM de Mozart, O Messias de Handel, Missa em honra de S. Giuseppe Calasanzio de Oreste Ravanello, Missa de Santa Cecília de Gounod, Gloria de Vivaldi, entre outros. A Missa de Santa Cecília foi emitida no canal televisivo TVI no ano 2007. Estreou a obra Cantata de Natal para orquestra, coro e solista do compositor e organista Rui Soares. Apresentou-se em numerosos concertos, em Portugal, Espanha, Cabo verde e EUA em recitais com piano, concertos com orquestra, galas de ópera e música sacra.  (10/01/2020)

Susana Gaspar

Soprano, de Lisboa, residente em Londres, Reino Unido

soprano Susana Gaspar
soprano Susana Gaspar

Susana Gaspar apresentou-se em concertos e recitais no Reino Unido (St. Martin in the Fields, St. Olave’s Church, Wigmore Hall, Barbican Centre, Cadogan Hall, Winchester, Cambridge, Birmingham, Cardiff), Portugal (Teatro Nacional de São Carlos, Gulbenkian, CCB, Casa da Música), França, Suiça, Malásia e México. Iniciou os estudos musicais na Escola Profissional de Música de Almada. Frequentou o curso de canto a Escola de Música do Conservatório Nacional. Como bolseira da Fundação Calouste Gulbenkian, estudou na Guildhall School of Music and Drama, em Londres. Participou ainda em classes magistrais e cursos de ópera. No domínio da ópera representou diversos papéis. Apresentou-se no Grémio Lusitano num recital inteiramente preenchido com obras de Mozart. Pertenceu ao Coro de Câmara de Lisboa dirigido por Teresita Marques, com o qual realizou concertos em Portugal, França, Espanha, México e Cuba, e gravou os discos a capella. É membro fundador do grupo Alma Nua – Canto y guitarra, que se dedica à divulgação de modinhas luso-brasileiras, tendo-se apresentado em concerto em Portugal e França. (14/01/2020)

LISTA EM CONSTRUÇÃO

Alexandra Mascolo-David, pianista, residente nos EUA

Cristiana Oliveira, soprano lírico, de Braga, residente em Londres, Reino Unido

Dinis Sousa, maestro, do Porto, residente no Reino Unido

João Terleira, tenor, de Viana do Castelo, na residente Alemanha

Jorge Chaminé, barítono, do Porto, residente em Paris, França

Liliana Sousa, meio-soprano, de Caldas de São Jorge, residente na Alemanha

Luís Magalhães, pianista, de Famalicão, residente na África do Sul

Maria de Macedo, violoncelista, de Vila Nova de Gaia, residente em Madrid, Espanha

Mariana Pimenta, soprano, da Ilha da Madeira, residente nos Países Baixos

Miguel Erlich, violetista, de Lisboa, residente na Alemanha

Nuno Rigaud, organeiro, de Braga, residente na Alemanha

Pedro Costa, pianista, de Macau, residente em Viena, Áustria

Renato Penêda, da Maia, residente em Roterdão, Países Baixos

Rita Moldão, soprano coloratura, de Vila Real, residente em Madrid, em Espanha

Sofia Ribeiro, cantora jazz, do Porto, baseada na Colômbia

Susana Gaspar, soprano, de Lisboa, residente em Londres, Reino Unido

Uma que toda a gente saiba!

.

– Ó filho, nesta altura achamos que não é boa ideia deixares a música barroca para te dedicares à música eletrónica…

Música barroca e música eletrónica

Órgão barroco

.

“Para Elisa”

– Não sejas tonta, Elisa!
Claro que me lembrei do teu aniversário!…

Para Elisa

Für Elisa

.

Um dia na infância de Philip Glass:

– Ó filho, o papá e a mamã adoram-te e adoram os teus arpejos mas…

Um dia na infância de Philip Glass

Um dia na infância de Philip Glass

.

Uma que toda a gente saiba!

Uma que toda a gente saiba!

Recital de piano

.

– Tu não! O trombone!…

Tu não... o trombone!

A morte e o trombone

.

O percussionista barroco mais ou menos historicamente informado

O percussionista barroco mais ou menos historicamente informado

Percussionista barroco

.

Trio de Cordas de Schubert para músicos com expressões faciais exageradas.

Trio de cordas

Trio de cordas

.

– É um oratório intitulado “Ó meu doce Jesus, filho da Virgem cheia de graça”. É na igreja de Nossa Senhora do Socorro de Santa Maria Madalena. Dura cerca de três horas. Trago-te um convite?

É um oratório

L’ambiance va être chouette

Artur Pizarro aos 3 anos com o professor Campos Coelho

.

Artur Pizarro

Artur Pizarro aos 3 anos com o professor Campos Coelho

Artur Pizarro aos 3 anos com Campos Coelho

Artur Pizarro apresentou-se em público pela primeira vez aos três anos de idade e no ano seguinte apresentou-se na RTP ao lado do professor Campos Coelho. Os seus primeiros passos ao piano foram acompanhados pela avó materna, a pianista Berta da Nóbrega, e pelo professor Campos Coelho. Obteve três primeiros prémios de concursos internacionais, nomeadamente o Concurso Vianna da Motta em 1987, o Greater Palm Beach Invitational Piano Competition de 1989 (onde seis primeiros prémios de concursos internacionais foram convidados a competir) e o Leeds International Piano Competition de 1990. Artur Pizarro tem uma extensa discografia (perto de 50 CD) em diversas editoras internacionais. Em reconhecimento pela relevância da sua arte, Artur Pizarro foi galardoado com o Prémio Bordalo, o Prémio SPA, a Medalha de Mérito Cultural da Cidade de Funchal e a Medalha de Mérito Cultural de Portugal. Em 2014 foi-lhe atribuído o Prémio Albéniz pelo Festival Albéniz em Camprodon, Espanha.

.

Fernando Laires

pianista Fernando Laires

pianista Fernando Laires ao centro

Fernando Laires iniciou a carreira internacional aos 19 anos com o ciclo completo das 32 sonatas de Beethoven de memória numa série de concertos. Nessa data, apenas outro pianista com menos de 20 anos tinha conseguido tal proeza. Emigrado para os EUA, do governo norte-americano recebeu financiamento para observar 20 universidades e conservatórios dos Estados Unidos. Visitou quatro continentes nos papeis de pianista, pedagogo e diretor artístico. Foi galardoado com a Beethoven Medal in memory of Artur Schnabel dos Harriet Cohen International Music Awards, Londres, pela sua interpretação das sonatas de Beethoven, e a Ordem do Infante D. Henrique pelo Governo Português, e recebeu a medalha Franz Liszt da Sociedade Liszt da Hungria e a Medalha Comemorativa Liszt da República Popular da Hungria.

.

Filipe Pinto-Ribeiro fez a estreia em Portugal de grandes obras para piano. É convidado como solista pelas principais orquestras portuguesas e de vários países europeus. Apaixonado pela música de câmara, apresenta-se em parceria com alguns dos maiores nomes do panorama internacional. É fundador e diretor artístico do DSCH – Schostakovich Ensemble que se apresentou de norte a sul de Portugal e em diversos países, e gravou para o canal de televisão Mezzo. O duplo álbum do Schostakovich Ensemble, com a primeira gravação mundial da Integral da Música de Câmara para Piano e cordas de Schostakovich, foi premiado com: 5 Diapasons, Opus D’Or, Álbum do ano 2018 Classique News, Melhor do ano 2018 Jornal Público, máximas classificações de revistas europeias, e críticas de grande destaque. Gravou diversos CD que obtiveram excelente receptividade por parte do público e da crítica. A sua última gravação a solo, o duplo CD “Piano Seasons” recebeu mais elevadas classificações da crítica internacional (BBC Music Magazine, Klassik Heute, Classique News, BR-Klassik).

.

Maria João Pires

Maria João Alexandre Pires

Maria João Alexandre Pires aos 7 anos

Maria João Pires tinha quatro anos quando tocou pela primeira vez em público. Aos sete anos, tocou em público concertos de Mozart. Aos nove recebeu o galardão da Juventude Musical Portuguesa. Em 1970, ganhou o primeiro prémio do concurso Beethoven de Bruxelas que lhe conferiu uma projecção internacional. O CD duplo com os Nocturnos de Chopin, gravado em 1996, vendeu cerca de trinta mil cópias em Portugal, recorde absoluto na música clássica. No princípio dos anos 80, um acidente obrigou-a a interromper a actividade. Regressou aos concertos em 1986, exibindo o seu talento nas grandes capitais. Em 1989 ganhou o Prémio Pessoa. Em 1990, a gravação integral das sonatas para piano de Mozart valeu-lhe o Grand Prix International du Disque, bem como o CD Compact Prize. Em 1983 foi feita Dama da Ordem Militar de Sant’Iago da Espada, em 1989 foi feita Comendadora da Ordem do Infante D. Henrique e em 1998 foi elevada a Grã-Cruz da Ordem Militar de Sant’Iago da Espada. Em 2019 recebeu a Medalha de Mérito Cultural e  foi condecorada com a Grã-Cruz da Ordem do Infante D. Henrique. Em 2015, foi distinguida em Londres com um prémio Gramophone, equivalente aos óscares para a música clássica.

.

Sérgio Varella-Cid

pianista Sérgio Varela-Cid aos 5 anos

Sérgio Varela-Cid aos 5 anos

Sérgio Varela-Cid era filho de Lourenço Varela Cid, também pianista e professor do Conservatório, e de Dora Soares Varela Cid, violinista natural do Brasil. Desde os 3 anos revelou um talento extraordinário para o piano dando aos oito anos o seu primeiro concerto no ginásio do Liceu Camões e aos dez o primeiro recital público no Tivoli. A casa paterna era frequentada por alguns dos maiores vultos da música do século XX: Prokoffief, Arthur Rubinstein, Isaac Stern, Yehudi Menuhin, Igor Markevitch. O sucesso destas apresentações elevou-o desde logo à categoria de menino prodígio com concertos em várias cidades da Europa: Paris, Madrid, Escandinávia. Rubinstein terá dito: “Este poderá ser o meu sucessor”. Entre 1955 e 1962, Varela Cid acumulou prémios. Venceu em 1955 o 1º Prémio do Conservatório, em 1957 o 1º Prémio Concurso Internacional Magda Tagliaferro, em 1957 o 4º Prémio do Concurso Internacional de Música Vianna da Motta e em 1962 o 6º lugar no I Concurso Internacional Van Cliburn. Em 1972, no auge das suas capacidades, imediatamente após ter dado uma série de concertos com sucesso no Carnegie Hall e dois anos depois de ter ganho o Prémio da Imprensa com a sua gravação integral dos concerto de Beethoven abandonou a carreira de pianista. Iniciado no jogo pelo próprio professor de piano, foi incapaz de vencer a vertigem do vício. Enredou-se em dívidas, o que o levou a procurar dinheiro através de expedientes ilícitos. Em 1981, desapareceu da sua residência em São Paulo, Brasil.

maestro Yannick Nézet-Séguin

.

Vítor Rua

Vítor Rua

Vítor Rua, guitarrista e compositor

Um dia, quando o guitarrista e compositor Vítor Rua tinha uns 3 ou 4 anos, os seus pais foram para Paris com os seus tios. Ele ficou na casa de praia com as tias, tios, primas, primos e irmãos. Ficou “doente”, tipo gripe, e ligaram aos pais, que regressaram preocupados.

Quando chegaram e foram ao seu quarto ele acordou, olhou para eles e exclamou:

– Olha os meus dois grandes amigos!

Eles choraram. E o Vítor ficou logo bom…

Yannick Nézet-Séguin

maestro Yannick Nézet-Séguin

maestro Yannick Nézet-Séguin

Quando o maestro ​​Yannick Nézet-Séguin tinha 10 anos apenas, foi à cave da casa da família, pôs a tocar um dos discos de vinil da família, pegou num lápis amarelo a fazer de batuta e pôs-se a dirigir o repetidamente primeiro andamento da Sinfonia nº 40 de Mozart.

Bebé tocando

Cantar, dançar e movimentar-se ao som da música são atividades perfeitas para favorecer o despertar musical de uma criança. Não há necessidade de ser um músico e de cantar muito bem para fazer jogos musicais com o bebé. O importante sentir prazer. É preferível propor-lhe curtas atividades para manter o seu interesse.

Eis algumas sugestões de atividades a fazer para jogar com a música.

Cante para o bebé no dia-a-dia. Aproveite os momentos de cuidados ou rotinas, como a mudança de fraldas, o banho, o arrumar dos brinquedos e a rotina do adormecer. Não hesite em cantar-lhe canções da sua infância. Recite também lengalengas pois desenvolvem o ritmo e divertem as crianças.

Divirta-se a transformar em conjunto canções e lengalengas. Por exemplo, cante com uma voz de “rato” ou de “gigante”, tocando nas suas mãos, mimando ou alterando as palavras. Estas variações permitem à criança familiarizar-se com elementos musicais como a duração, a intensidade e os diversos timbres de voz.

Convide a criança a prestar atenção aos sons quando ouve uma música. Por exemplo, faça-a ouvir um excerto de música colocando-lhe questões: “Que estás a ouvir?”, “Em que te faz pensar esta música?”. “O Carnaval dos Animais” de Camille Saint-Saëns, com excertos como “A Marcha Real do Leão” ou “Cangurus”, é uma obra interessante para este tipo de jogo. Faça-lhe ouvir várias vezes o mesmo excerto pois a repetição desenvolve a memória auditiva.

Deixe a criança divertir-se com instrumentos feitos em casa. Por exemplo, garrafas vazias bem fechadas, com arroz seco ou pedrinhas podem fazer maracas e um recipiente de gelado vazio e duas colheres de madeira pode funcionar como tambor. Ela aprende assim a fazer sons e a criar um ritmo.

Privilegie instrumentos musicais “verdadeiros” (carrilhão, xilofone, tamborim, maracas, triângulo) em vez das imitações de instrumentos em brinquedo (piano ou guitarra de brincar), pois o som que produzem é de melhor qualidade. Por motivos de higiene, instrumentos que vão à boca, como a harmónica ou a flauta, devem ser reservados a um só utilizador.

Crie ritmos batendo as mãos e peça à criança que os reproduza, depois inverta os papéis. Peça ao pequenino para inventar uma dança ao som da música. Pode também jogar à estátua musical: a criança deve dançar com música e fazer de estátua quando a música para.

Atenção à fadiga auditiva

Evite deixar música a tocar continuamente em casa. A música de fundo pode cançar a criança. Mesmo com volume baixo, há o risco de tornar a criança irritável e diminuir o seu desejo de ouvir e de comunicar. Não deixe a rádio ou a televisão ligada continuamente e desligue a música quando o pequenino já não lhe dá atenção. Momentos de calma permitem-lhe apreciar os sons do meio envolvente, e mesmo o silêncio.

A reter

A música faz muito bem à criança: diverte, acalma, além de estimular as suas aprendizagens, a sua criatividade e a sua linguagem.

Cantar, dançar e tocar instrumentos são formas de despertar a criança para a música.

Não é obrigatório ser músico ou cantar muito bem para iniciar a criança na música. O importante é divertir-se.

FONTES E REFERÊNCIAS

BOLDUC, Jonathan et Pascal LEFEBVRE. Des comptines pour apprendre. Les Éditions Passe-Temps, 2017, 45 p.

CORBEIL, Mariève et autres. «Singing Delays the Onset of Infant Distress», Infancy, vol. 21, no 3, mai-juin 2016, p. 373-391.

DÉSY PROULX, Monique. Pourquoi la musique? Son importance dans la vie des enfants. Les Éditions du CHU Sainte-Justine, 2014, 271 p.

MALENFANT, Nicole. L’éveil du bébé aux sons et à la musique. Québec, PUL, 2004, 384 p.

MALENFANT, Nicole. Vivement la musique! Avec les 3 à 6 ans. Montréal, Chenelière éducation, 2012, 232 p.

PEREZT, Isabelle. Apprendre la musique. Nouvelles des neurosciences. Éditions Odile Jacob, 2018, 155 p.

VAILLANCOURT, Guylaine. Musique, musicothérapie et développement de l’enfant. Éditions du CHU Sainte-Justine, 2005, 186 p.

Tradução do Francês, de Naître et grandir, por António José Ferreira

Bebé tocando

Bebé tocando

Créditos Sebastien Monachon (Éveil Musical)

Quais são as vantagens da música para uma criança?

A música permite comunicar o amor.

A música é um bom meio de criar uma ligação positiva com a criança. Quando canta e dança com ela, transmite-lhe o seu amor e afeto. O mesmo acontece quando faz música com o bebé: é uma boa forma de criar bons laços com ele.

A música melhora a capacidade de aprender das crianças

A prática de atividades musicais (cantar, tocar ritmos num tambor, ouvir diferentes músicas) estimula diferentes zonas do cérebro, o que favorece várias aprendizagens. As atividades musicais entre outras a escuta, a memória, a atenção, a organização do pensamento e a capacidade de os pequeninos controlarem certos comportamentos.

As canções e lengalengas desenvolvem a linguagem

As palavras ouvidas nas canções e lengalengas enriquecem o vocabulário do bebé. Ouvi-las e cantá-las levam-na também a fazer sons, dizer palavras e formar frases. Além disso, com as canções e lengalengas, a criança dá-se conta, pouco a pouco, que as palavras são formadas por sílabas e por sons, o que a ajudará mais tarde a ler e escrever.

A música favorece a criatividade

Quando os mais novos se movem livremente ao som de uma música ou descobrem o som de um instrumento, isso favorece a sua expressão artística. A criança desenvolve também a sua imaginação quando inventa palavras para uma canção ou gestos para a acompanhar.

A música facilita ao bebé a descoberta do seu corpo

Quando a criança faz gestos nomeados numa lengalenga, toma consciência do seu corpo. Dançar, saltar, bater palmas e pés ao som de uma música exercem também as habilidades motoras como a coordenação.

Desenvolve o sentido musical

Por os mais pequeninos em contacto com uma variedade de estilos musicais (pop, rock, blues, country, jazz, clássica, tradicional) ajuda a desenvolver o seu sentido da música e os gostos musicais.

Oferece momentos para socializar

Cantar, dançar e fazer jogos musicais com outras crianças permitem desenvolver as competências sociais dos mais pequenos, como cooperar, partilhar instrumentos, respeitar regras e esperar a sua vez.

A música permite descobrir o mundo

Quando a criança ouve músicas de culturas variadas, a criança abre os seus horizontes.

Ajuda a acalmar e a gerir as emoções

Cantar tal como fazer música e ouvi-la favorecem a produção de hormonas associadas ao prazer, ao bem-estar e à confiança. A música tem um efeito calmante que ajudará os mais pequenos a gerir as suas emoções. Um estudo da Universidade de Montréal mostrou que os bebés com saúde permaneciam calmos duas vezes mais tempo quando ouviam uma pessoa a cantar do que uma pessoa a falar.

Se a criança tem algum mal-estar, faz-lhe bem cantar a canção preferida dela. Ela pensará menos na dor se a sua atenção se dirigir para algo de positivo.

Benefícios para os prematuros

A música pode também ter benefícios para os bebés prematuros. Estudos revelaram que quando se canta canções de embalar a bebés prematuros ou quando se faz ouvir músicas que reproduzem o pulsar do coração, o ritmo cardíaco estabiliza. Os bebés respiram mais calmamente, adormecem mais facilmente e dormem bem.

Tradução do Francês por António José Ferreira, de Naitre et grandirLes bienfaits de la musique, a 22 de dezembro de 2019.

Créditos Sebastien Monachon (Éveil Musical)

Créditos Sebastien Monachon (Éveil Musical)

Mãos idosas ao piano

Além de ser uma atividade prazerosa, tocar um instrumento na terceira idade é benéfico a vários níveis quer para principiantes quer para pessoas com conhecimentos e experiência musicais. Com o aumento da idade, é comum a perda de certas habilidades, a memória e a flexibilidade do pensamento. Mas isso pode ser prevenido, evitado ou retardado pelo estudo e a prática da música.

Sendo cada vez maior a esperança de vida, é importante que os idosos aprendam coisas, realizem atividades nos tempos livres e exercitem o cérebro. Aprender a tocar um instrumento é uma realização para muitos adultos e idosos que antes não tiveram tempo, disponibilidade, dinheiro ou espaço em casa. A família e os amigos devem incentivar à realização deste sonho e apoiá-los nesta prática altamente recomendada.

Tocar órgão ou piano age sobre a memória e o movimento das articulações, estimula o cérebro e retarda o envelhecimento. Melhora o bem-estar e a qualidade de vida, reduz a ansiedade, solidão e depressão, e tem benefícios para a convivência social. Idosos que tocam um instrumento são menos suscetíveis a doenças como Alzheimer e esquizofrenia, visto que a prática musical estimula o cérebro e torna os idosos mais criativos.

Será que existe uma idade para além da qual não é possível aprender música?

“Numerosos são os adultos que sempre quiseram aprender música, observa Isabelle Peretz. E vendo as aulas de música das crianças, alguns questionam se não seria a ocasião de o fazerem. A ciência é encorajadora a este respeito. Sim, mesmo em idade avançada, podemos aprender música.”

E a concluir: “Além do facto de que esta aprendizagem tem um efeito protetor sobre o cérebro – o declínio relacionado com a idade tem um efeito menos devastador no músico – aprender música tardiamente melhora a audição no ruído, a atenção e previne os malefícios do isolamento social.”

Cf. Traduzido revista Le Temps (Suiça), excerto, tradução e acrescentos por António José Ferreira

Mãos idosas ao piano

Mãos idosas ao piano

Coro Polifónico de Amarante

Cantar em coro é uma atividade que traz grandes benefícios artísticos, sociais e pessoais a quem canta, e retarda os efeitos do envelhecimento na comunicação.

Quem canta num coro aprende a dominar o seu instrumento, a voz, escuta as outras vozes, respeita os membros do coro, aprecia a agilidade e o timbre dos outros cantores. Trabalha a postura e reeduca a maneira de respirar.

O coro funciona como um anti-depressivo e melhora o humor. Ajuda a tecer laços mais ou menos fortes, conforme os anos, laços criados nos ensaios, encontros e partilha do palco. Melhora a partilha e as trocas intergeracionais.

Em coro, aprende-se a estar em grupo, a cooperar em projetos que ultrapassam o indivíduo e veiculam valores e mensagens sociais. Ganha-se autoconfiança, desenvolvem-se diversas competências e criam-se oportunidades de expressão. Desenvolve-se o lado direito do cérebro, sede da intuição, da criatividade e das capacidades artísticas.

Melhora o conhecimento da(s) língua(s), a comunicação, a dicção e articulação, o que torna as pessoas idosas mais inteligíveis do que as que não cantam. Estudos comprovam que o coro ajuda a estabilizar a voz: quem canta em coro fala num tom mais variado e controla melhor a voz.

Cantando em coro, a pessoa preserva a qualidade de vida e usufrui de uma vida social mais interessante.

“A música teria um efeito sobre o comportamento social. Assim, cantar em coro aumentaria, segundo diversos estudos, a confiança no outro e favoreceria a cooperação em detrimento da competição. No jogo do dilema do prisioneiro, por exemplo, conhecido por sondar a atitude de entreajuda face à traição, os indivíduos que cantam em coro imediatamente antes manifestam maior confiança no outro e cooperam mais do que aqueles que lêem poesia em grupo ou vêem um filme, ou que ouvem música gravada. (da revista Le Temps, traduzido por António José Ferreira)

Coro Polifónico de Amarante

Coro Polifónico de Amarante

Criança a estudar, foto DN Life

Nos anos 90 do século XX, especialistas fizeram testes para examinar a influência da música sobre a memória. O estudo revelou que a música podia ter um impacto positivo nas revisões da matéria.

A música pode melhorar o humor reduzindo a pressão arterial e o ritmo cardíaco. Música dos períodos clássico e barroco, em especial, à volta das 60 pulsações por minuto.

Um andamento de 60 pulsações por minuto ativa o hemisfério cerebral direito, enquanto rever a matéria ativa o hemisfério esquerdo.

Com os dois hemisférios ativados, o cérebro pode tratar a informação mais rapidamente.

Apesar dos vantagens que a música pode ter sobre o cérebro e a memória, ela também ser uma causa de distração. Para evitá-lo, há que ouvir:

  • música sem palavras, que poderiam distrair, enquanto a música instrumental melhora a concentração;
  • música lenta ou moderada e nunca rápida;
  • música em volume baixo, em fundo sonoro.

Há que evitar:

  • música com baixos muito fortes, como rock ou metal;
  • músicas novas, que concentrariam o cérebro na música e não nas revisões;

Em resumo, a música pode reforçar as capacidades de memorização. Embora sejam de privilegiar a música clássica e a música barroca, o tipo de música pode variar de indivíduo para indivíduo. Para ter sucesso, cada um deve fazer os seus próprios testes e verificar o que realmente funciona.

Criança a estudar, foto DN Life

Criança a estudar, foto DN Life

Criança feliz a tocar piano

Para as crianças, fazer música favorece as aprendizagens

O jovem músico brilha em todas as esferas cognitivas que dependem da atenção, como os testes de inteligência, a memória e as aquisições escolares.

Como a aprendizagem da música age sobre o nosso cérebro? Que efeitos tem sobre a curiosidade, a atenção e a memorização? É preciso tornar a aprendizagem da música obrigatória na escola? São algumas das questões colocadas por Isabelle Peretz.

Em Apprendre la musique. Nouvelles des neurosciences, livro editado pelas Editions Odile Jacob, esta investigadora aconselha a fazer música desde a idade de 6 meses. Ela cita um raro estudo em meio natural conduzido por professores da Universidade McMaster em Ontário (Canadá) sobre bebés.

“Os bebés e os seus pais aprendem um repertório de canções marcando o compasso, mexendo e cantando. Seis meses depois, as habilidades musicais dos bebés são testadas.” De modo interessante, a comunicação pais-filhos é mais intensa e o desenvolvimento socio-emotivo (exploração, sorrisos) melhora significativamente nos bebés “músicos”. “Vejo aí as primícias da inteligência”, analisa Isabelle Peretz.

Por volta dos 6 anos, reencontramos efeitos semelhantes. “As crianças de 6 anos que frequentam cursos de piano ou de canto durante um ano obtêm alguns pontos a mais na escala de medida da inteligência. Os cursos de teatro ou a falta às aulas, durante o mesmo período, não proporcionam tal vantagem.” Facto interessante, o ensino dos rudimentos da música a crianças de 8 anos durante seis meses, à média de uma aula por semana, ajuda à aquisição da leitura.

Um bom complemento à educação geral

A vantagem intelectual do jovem músico, que se exprime por resultados académicos superiores, parece manter-se durante toda a sua escolaridade. Assim, um inquérito recente realizado junto de 18 000 alunos confirmou que ao fim do secundário (entre os 16 e 17 anos), os alunos canadianos que participavam numa orquestra de sopros, um coro ou um agrupamento de cordas tinha uma taxa de sucesso mais elevada em todas as matérias avaliadas (Matemática, Biologia, Inglês).

Os que tinham seguido cursos de artes plásticas não mostravam tal vantagem. De notar, contudo, que a vantagem intelectual não se observa em músicos profissionais quando se comparam com profissionais não músicos. “Os estudantes de música não têm um QI superior aos estudantes universitários de outras disciplinas, nota Isabelle Peretz. Dito de outro modo, aprender a fazer música é uma vantagem quando a atividade faz parte da educação geral. Fazer disso uma profissão não assegura uma manutenção intelectual de alto nível.”

A ciência é encorajadora, mesmo em idade avançada pode-se aprender música. Isabelle Peretz

Traduzido por António José Ferreira da revista Le Temps (Suiça) (excerto)

Criança feliz a tocar piano

Foto Best Digital Piano Guides