Agenda de música

I Concurso Ibero-Americano de Clarinete

Condições de admissão

O “1º Concurso Ibero-Americano do Clarinete” destina-se a todos os clarinetistas naturais ou residentes num país do espaço Ibero-Americano, nascidos a partir de 1 de janeiro de 1989.

Conditions of admission

The “1º Concurso Ibero-Americano do Clarinete” is open to all clarinet players born or resident in a country belonging to the Ibero-American area, after January 1st 1989.

Prémios
O “1º Concurso Ibero-Americano do Clarinete” oferece os seguintes prémios:

Prizes

The “1º Concurso Ibero-Americano do Clarinete” offers the following prizes:

Primeiro prémio | First Prize

  • 5000€ em dinheiro | cash

Segundo prémio | Second Prize

  • 3000€ em dinheiro | cash

Terceiro prémio | Third Prize

  • 1500€ em dinheiro | cash

Existe a possibilidade de serem atribuídos prémios adicionais.

There is a possibility that additional prizes will be offered.

Funny Girl

Workshop de Teatro Musical “Funny Girl”

Josh Lay e Martin Callaghan no Porto!

As estrelas do musical e do filme “Funny Girl”, no West End London, reunidos para um workshop de Teatro Musical exclusivo na cidade do Porto.

Nos dias 16 e 17 de fevereiro, Josh Lay e Martin Callaghan trazem toda a experiência adquirida ao longo dos anos na área da Representação, do Canto e da Dança nos palcos da Broadway e West End London.

Datas e horários:
Dia 16 das 19h00 às 21h00
Dia 17 das 10h30 às 18h30

Valor: €80

Local: Broadway Portugal
Rua Antero Quental, 216-220 Porto
Tel: 933 070 446

As vagas são limitadas, faça já a sua inscrição!

Brincar Meloteca

Brincar Meloteca, por Sílvia Monteiro e António José Ferreira, a 16 e 23 de fevereiro, 14:30-17:00, na Rua Central de Campos, 1086, Avintes, no âmbito das Comemorações do “Mês de Avintes”. É aberto a todas as idades e sem custos, mas as crianças devem ser acompanhadas de um adulto. Se estiver de chuva, a atividade será agendada para março.

Colagem de atividades

Além do sítio www.meloteca.com e do Musorbis, sítio do património musical a lançar em 2019, Meloteca é um pequeno espaço de natureza lúdico para crianças e adultos, com baloiços, cestos de basquetebol, matraquilhos, balizas para jogos de bola e outras diversões. Para adultos, estará disponível uma exposição/venda de pequenos instrumentos e edições Meloteca, bem como livros usados para troca. Dê um livro de música ou disco (incluindo vinil que já não lhe interesse), e receba um livro de literatura (ou outro). Há uma coleção pedagógica de instrumentos musicais reciclados dispersos pelo espaço. A árvore que dá flores, frutos e sombra funciona também como suporte instrumental. Crianças (e adultos) podem experimentar sonoridades e desenvolver competências psicomotoras, criando uma paisagem sonora original no espaço de natureza.

 

Frutos comestíveis

FRUTÁLIA

Nos numerosos arbustos e árvores de fruto comestível, há etiquetas com os nomes português e científico, a região de origem.

Além da fruição em modo de brincadeira livre, é possível a organização de jogos e oficinas variadas no âmbito da Música, Psicomotricidade e Conhecimento ou Estudo do Meio. Entre maio e setembro, agende o aniversário do seu filho neste espaço multissensorial de natureza. No 3º período escolar, turmas podem realizar uma visita de estudo e de brincadeira por 2€ criança.

HERBÁRIO

Há ainda uma coleção de mais de 60 espécies de plantas aromáticas e medicinais devidamente identificadas, bem como uma coleção de suculentas sem picos.

BRINCAR MELOTECA

“Diz-me e eu esquecerei.
Ensina-me e eu lembrarei.
Envolve-me e eu aprenderei.”

(Provérbio chinês)

Professora Sílvia Monteiro

O movimento em geral desempenha um papel significativo no desenvolvimento da criança e os jogos, em particular, trabalham as potencialidades, limitações, relações sociais, afetivas, cognitivas e físicas. Pretende-se com o “Brincar Meloteca” realizar atividades que permitam à criança vivenciar e experimentar novas práticas físico-motoras, no sentido de alargar o seu alfabeto motor, incentivar a prática de atividade física e principalmente potenciar o espírito de equipa, cooperação, colaboração e respeito pelo outro. Além disso, durante as brincadeiras, a criança, desenvolve o exercício da fantasia e da imaginação, adquirindo, assim, experiências que irão contribuir para a sua formação.

Sílvia Monteiro

JOGO DA BOMBA

O objetivo deste jogo é passar pela bomba (bola) sem que esta acerte em qualquer parte do corpo.

O professor está no meio com uma bola presa na ponta de uma corda e fá-la andar à sua volta. As crianças estão à volta e, para não serem atingidas, devem saltar no momento certo e à altura correta por cima da “bomba”. Sempre que a bomba acertar “explode” e a criança que a fez “explodir” sai do jogo.

QUEM É O CHEFE?

O objetivo deste jogo é adivinhar quem está a chefiar o grupo.

Numa roda de crianças é escolhida uma, aleatoriamente, que será o detetive. O detetive tentará descobrir quem é o chefe do grupo. Após a escolha do detetive, este terá de ir para um local sem possibilidade de visualizar o grupo. Neste momento é escolhido, também aleatoriamente, o chefe. O detetive é chamado e entra para o centro da roda. O jogo começa com o chefe a comandar o grupo realizando vários movimentos que o restante grupo copia. O jogo termina quando o detetive descobre o chefe ou passado um determinado período de tempo (2’).

TRAVESSIA DO RIO

O objetivo deste é atravessar um “rio”, tentando chegar o mais rápido possível à outra margem. Com a ajuda de arcos e com trabalho de equipa será possível atravessar sem correr riscos. Os arcos servem de apoio para se poder avançar sem cair ao rio, estando dispostos em fila sobre o “rio” e as crianças saltam pelos arcos, quando a primeira criança chega ao primeiro arco a última criança terá de fazer passar o último arco pelos colegas até chegar ao primeiro que por sua vez o colocará no “rio” para poder saltar para ele. Ganha a equipa que chegar primeiro à outra margem.

CORRIDA DO LENCINHO

O objetivo deste jogo é marcar o número máximo de pontos para que alguma das equipas seja a vencedora. Cada equipa encontra-se no extremo oposto do terreno. O juiz coloca-se no meio do terreno, com o lenço na mão e chama um número. Cada jogador tem um número atribuído. O jogador correspondente de cada equipa corre em direção ao lenço e tenta apanhá-lo. Neste caso, verificam-se as seguintes hipóteses:

  • Se fugir com o lenço para o campo da sua equipa, sem ser tocado pelo adversário, marca um ponto.
  • Se fugir para o campo da equipa adversária, sem ser tocado, marca dois pontos.
  • Se fugir mas for tocado pelo adversário é atribuído um ponto ao adversário.

CORRIDA DA BOLA

O objetivo é apanhar a bola.

Formam-se duas rodas, uma maior que fica por fora e outra mais pequena que fica dentro da roda maior formando um corredor entre as duas rodas. As crianças sentam-se, a roda maior virada para dentro e a roda menor virada para fora. No corredor coloca-se uma bola que as crianças terão de a fazer rolar com as mãos, pelo corredor. No lado oposto está uma criança que tentará apanhar a bola, correndo atrás dela pelo corredor. O jogo termina quando a bola é apanhada ou após um determinado período de tempo (2’).

ARRUMAR A CASA

A casa é composta por 4 divisões (4 arcos de 4 cores diferentes). Cada grupo de crianças tem à sua responsabilidade uma divisão. O jogo inicia-se com a casa toda desarrumada com um indeterminado número de objetos (papéis de 4 cores diferentes, as mesma cores que os arcos) desarrumados e fora do sítio. O objetivo é arrumar a casa, ou seja, cada grupo de crianças terá de apanhar o objeto da cor da sua divisão e colocá-lo no seu arco. Após apanharem todos os objetos da sua divisão e os colocarem no seu arco a equipa senta-se à volta do seu arco. A equipa mais rápida é a vencedora.

JOGO DOS CONJUNTOS

O objetivo deste grupo é formar conjuntos o mais rápido possível, seguindo as instruções.

Os conjuntos podem variar segundo o número e género.

No início do jogo é estipulado que os arcos amarelos correspondem às raparigas e que os arcos vermelhos correspondem aos rapazes. As instruções são dadas pelo levantamento dos arcos, assim se for levantado um arco vermelho e dois amarelos as crianças têm de formar grupos com um menino e duas meninas. Após formarem os conjuntos sentam-se para poder ser verificado se os conjuntos estão corretos.

JOGO DAS FUNÇÕES

O jogo das funções consiste no seguinte: são atribuídas funções (movimentos) a números, podendo ir até ao número 5 ou até ao número 10. Cada número tem uma função ao ser solicitado um determinado número as crianças terão que executar a função correspondente. Quem se enganar – ou o último a executar o movimento – sai do jogo.

Conforme as circunstâncias e o número de crianças poderá haver:

Bichinho da Música

Conjunto de atividades musicais em forma de espetáculo improvisatório

Carro de pedais

Corrida contra-relógio em circuito

Animália

Contacto com pequenos animais (tartarugas, peixes, pintos, garnisés, patinhos)

Aldeia na areia

Um grupo de crianças constrói uma aldeia na areia, utilizando areia húmida e sólidos geométricos reutilizados e pás.

Agarra pato

À volta de um tanque, dois grupos de crianças competem entre si com estratégias próprias para agarrar dois patos que terão sido lançados à água.

Descobrindo continentes

Três grupos procurarão 5 árvores ou arbustos originários da Europa, América e Ásia. Ganha o grupo que primeiro encontrar 5 plantas. (As árvores terão uma etiqueta que as identifica com o nome e continente).

Bola no cesto

Lançamento espontâneo ou organizado em cestos de basquetebol.

Campeonato de matraquilhos

Jogo em pares, que pode ser livre ou organizado

EVENTOS COM TURMAS DO 1º CICLO

Casa da Meloteca

Atividades com turmas de 1º Ciclo e Jardim de Infância custam 2€ por criança (2 horas), podendo ser marcados às terças, quartas e sextas, de manhã, no 3º Período. Contacte-nos:

António José Ferreira

962 942 759

meloteca@meloteca.com

Terras Sem Sombra

Cante Alentejano estreia-se no Kennedy Center e abre portas à economia portuguesa

O Terras sem Sombra une, de forma inédita, a música ao património e à biodiversidade, e caracteriza-se por associar, à exigência da qualidade, uma programação de cariz internacional. Tem por palco o Alentejo, uma das regiões onde mais se faz sentir o peso da identidade, e o evento não se limita a trazer o mundo ao seu território leva também o Alentejo ao mundo.

A edição de 2019 tem, como país convidado, os Estados Unidos, e traz a Portugal destacados intérpretes do outro lado do Atlântico, assim como uma programação, que faz uma radiografia da música norte-americana, do século XIX à criação mais recente. Estão previstas estreias, integrais ou europeias, de alguns dos mais importantes compositores americanos da actualidade.

A abertura do festival ocorre, em Washington, num santuário das artes performativas dos EUA, o Kennedy Center. No coração da capital escutar-se-á, pela primeira vez, o Cante, através das vozes do Rancho de Cantadores de Aldeia Nova de S. Bento, um agrupamento “clássico” da música tradicional alentejana. A actuação terá lugar no Millenium Stage do Kennedy Center e será transmitida, em directo, pelo canal de TV da instituição, com audiências significativas, dentro e fora dos EUA.

O périplo por terras do Tio Sam, é acompanhado por presidentes e vereadores de câmaras municipais – como Beja, Serpa, Ferreira do Alentejo, Cuba, Vidigueira ou Sines –, mas também responsáveis por algumas das principais empresas da região, entre elas o Porto de Sines, a EDIA, a ACOS, que organiza a OVIBEJA, a Adega Cooperativa da Vidigueira ou as agências de Desenvolvimento Regional e de Promoção Turística do Alentejo, que realizarão reuniões com entidades locais.

Com a colaboração da embaixada portuguesa em Washington, da sua homóloga em Lisboa e da Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento, assim se constrói a cultura como motor da diplomacia económica, mostrando o potencial da arte, do património e da natureza – os três pilares do Terras sem Sombra – para abrir portas. Afirmar o Alentejo enquanto destino privilegiado de arte e natureza é o objectivo do festival, uma organização da Associação Pedra Angular que apresenta, em 2019, a 15.ª edição.

Um Festival, seis países, uma região

O Terras sem Sombra começa a 26 de Janeiro na Vidigueira e conta com quase 50 actividades, entre concertos, conferências, visitas ao património e acções de salvaguarda da biodiversidade, em 13 cidades: Vidigueira, Serpa, Monsaraz, Valência de Alcântara, Olivença, Beja, Elvas, Cuba, Ferreira do Alentejo, Odemira, Barrancos, Santiago do Cacém e Sines.

Espanha está bem presente, nesta edição do festival, que inaugura em Portugal o ciclo de eventos de Mostra Espanha 2019, a convite do Governo espanhol. De Madrid virá o Trío Arbós, com um programa de música hispano-portuguesa dos séculos XIX-XX. Juan de la Rubia, organista titular da basílica da Sagrada Família, de Barcelona, apresentará, na Sé de Elvas, a obra de Antonio de Cabezón. “Fora da caixa” será o concerto, em Odemira, com Quartetazzo, formado por quatro mulheres flautistas da Argentina, do Brasil e de Espanha, que recriou melodias tradicionais da América do Sul.

Se os laços à América e a Espanha dão o mote ao TSS, os autores e intérpretes portugueses, uma prioridade do festival, assumem decidido protagonismo, com nomes como Ana Telles, a Orquestra Clássica do Sul e o maestro Rui Pinheiro, Sofia Diniz, Fernando Miguel Jalôto ou Nuno Lopes. Há também espaço para uma aproximação a outras pátrias musicais, abarcando intérpretes da Hungria, da República Checa e das Filipinas, algo a ter em conta numa edição dedicada ao périplo de Fernão de Magalhães, mas que não esquece os 550 anos do nascimento de Vasco da Gama (1569-2019).

Participar no Terras significa adentrar-se no que o Alentejo tem de mais interessante para oferecer. Neste ano, a panóplia patrimonial abre-se decisivamente a novos âmbitos, entre eles o património imaterial, dando grande atenção a aspectos tão diversificados como o fabrico artesanal do pão, a aprendizagem do Cante ou as tradições relacionadas com os astros, com a sua observação nocturna como pano de fundo.

Quanto à biodiversidade, 2019 vai ser um ano cheio de aventuras. Por exemplo, acompanhar o elevador de peixes da barragem de Pedrógão, participar na festa do mundo rural – seguindo um rebanho de ovelhas de raças autóctones ao longo das canadas reais, com os pastores de Beja e do Fundão – ou entrar nas águas portuárias de Sines para conhecer a vanguarda da aquacultura. Ou ainda, na Extremadura, percorrer a maior mancha de monumentos megalíticos da Europa, em Valência de Alcântara, conhecer os segredos do Tejo internacional ou aprofundar a personalidade única de Olivença.

[ Adicionado a 12 de janeiro de 2019 ]

 

Festival CriaSons

2ª EDIÇÃO FESTIVAL CRIASSONS

Tendências da Música de Câmara Portuguesa Contemporânea
2018/2019

  • 14 obras em estreia absoluta
  • 6 “compositores residentes” de prestígio internacional – Eurico Carrapatoso, Alexandre Delgado, AmílcarVasques-Dias, Fernando Lapa, Cândido Lima, Alejandro Erlich Oliva
  • 6 “compositores emergentes” seleccionados por concurso – Edward d’Abreu, Tiago Derriça, Miguel Jesus, Camila Menino, Samuel Pascoal, Hugo Reis
  • 12 concertos por todo o Portugal e Holanda
  • 1º concerto CriaSons 2018/2019 – 10 DEZ – Palácio Foz – 18h

Em 2018/2019, o Festival CriaSons regressa para a sua segunda edição com o objectivo de continuar e aprofundar a missão a que se propõe: promover e divulgar amplamente a música erudita, com particular incidência na criação contemporânea produzida em Portugal.

Concebido e organizado pela Musicamera Produções, o CriaSons convidou para esta edição seis prestigiados compositores “residentes”, responsáveis pela construção dos seis Programas que compõem o festival.

Eurico Carrapatoso, Alexandre Delgado, Amílcar Vasques Dias, Fernando Lapa, Cândido Lima e Alejandro Erlich Oliva assinam, assim, os Programas que contêm obras suas – muitas das quais em estreia absoluta –, obras de outros grandes criadores internacionais dos séculos XX e XXI – relevantes na sua formação ou no seu percurso – e, ainda, uma obra especialmente composta para o festival por cada um dos seis compositores “emergentes” – seleccionados através do Concurso CriaSons (2018). Os vencedores Edward d’Abreu, Tiago Derriça, Miguel Jesus, Camila Menino, Samuel Pascoal e Hugo Reis terão assim oportunidade de apresentar uma nova obra, inédita, em estreia mundial, na 2ª edição do CriaSons.

Nas palavras do director artístico Brian MacKay: “Seis personalidades musicais muito diferentes – Eurico Carrapatoso, Alexandre Delgado, Amílcar Vasques-Dias, Fernando Lapa, Cândido Lima e Alejandro Erlich Oliva – proporcionam um retrato da extraordinária riqueza da criatividade musical que se vive actualmente em Portugal”.
De Dezembro de 2018, e ao longo de todo o ano de 2019, o CriaSons leva os seis Programas a diversos auditórios e teatros de Norte a Sul do país – Lisboa, Porto, Viana do Castelo, Faro, Mirandela, Vila Real, Seia, Almada, Évora – e em digressões internacionais. Uma viagem que começa já no próximo mês, dia 10 de Dezembro, com o 1º concerto CriaSons 2018/2019, no Palácio Foz, em Lisboa, pelas 18h, onde será apresentado o Programa a cargo do compositor Fernando Lapa.

Todas as novas obras terão ainda edição em CD com o selo de uma editora de prestígio, estando também garantida a edição em partitura das mesmas.

O Festival CriaSons assume-se como um “retrato” das tendências da música de câmara portuguesa contemporânea que se mostra, nesta 2ª edição, de forma mais relevante e ambiciosa, aumentando o número de obras em estreia absoluta (14), de compositores residentes (6), de concertos (12) e de cidades portuguesas abrangidas (9), e convidando, pela primeira vez, compositores emergentes a participar neste fórum privilegiado de divulgação, fruição e análise da música feita hoje em Portugal.

SOBRE O 1º CONCERTO CRIASONS 2018/2019
10 DEZ
PALÁCIO FOZ – Lisboa
18h
Programa Fernando Lapa
Direcção: Brian MacKay
Músicos: Jill Lawson (piano), Paulo Gaspar (clarinete), Luís Pacheco Cunha (violino), Pedro Oliveira (2o violino), Isabel Martín Garcia (violeta), Catherine Strynckx (violoncelo), Daniela Matos, Laura Martins, Beatriz Maia, Aoife Hiney, Nélia Gonçalves, André Lacerda, Paulo Banaco, Almeno Gonçalves, Luís Rendas Pereira, Paolo Vettori, Pedro Correia (Coro)

Salvador Sobral nos Coliseus

Salvador Sobral actua pela primeira vez em nome próprio nos Coliseus de Lisboa e Porto em Maio do próximo ano, dia 10, em Lisboa, e dia 11, no Porto. Trata-se do espectáculo de apresentação ao vivo do novo álbum, com edição prevista para  Março de 2019, e que também já tem data garantida em Faro, no Teatro das Figuras, a 3 de Maio. Os bilhetes estão disponíveis nos locais habituais.

Em 2017, Salvador Sobral foi o primeiro artista português a vencer o Eurovision Song Contest, que se realizou em Kiev, trazendo o título para Portugal com “Amar Pelos Dois”, canção que conquistou o país inteiro. Após a vitória, interpretou “Excuse Me”, o seu primeiro álbum, em quatro noites esgotadas no CCB, em Lisboa, e na Casa da Música, no Porto. Agora chegou o momento de subir aos palcos dos Coliseus, rodeado dos seus companheiros de sempre: Júlio Resende, no piano, André Rosinha, no contrabaixo, e Bruno Pedroso, na bateria.

Após o sucesso de “Excuse Me“, que se manteve nos lugares cimeiros do Top Nacional de Vendas desde a vitória na Eurovisão até ao fim do ano, Salvador Sobral prepara agora o seu sucessor. O aguardado novo álbum de originais será editado no primeiro trimestre de 2019, conhecendo-se por agora os dois primeiros singles, “Mano a Mano” e “Cerca del Mar”.

Após concluir a digressão nacional de 2018 e uma tour em Espanha, assistida por 13 mil espectadores, Salvador Sobral prepara em 2019 a estreia em salas icónicas de outros países, como a Polónia, Alemanha e Suíça ou Espanha, onde actua no Palau de Música Catalana, em Barcelona.

European Music Festival for Young People

EUROPEES MUZIEKFESTIVAL

We’re pleased to be able to extend our registration period for our 67th European Music Festival for Young People in Neerpelt, Belgium, enabling even more young ensembles to participate. The registration period is prolonged until November 19, 2018.

What once started off as a local music contest intending to stimulate youngsters to study music, has meanwhile become famous enough far beyond European borders to be an icon to children and youth ensembles.

From May 3 to May 6, 2019 an odd 100 children – and youth ensembles and about 4.000 youngsters up to the age of 28 from all corners of the world will get together in Neerpelt again, to participate at our 67th European Music Festival for Young People, an instrumental edition where young musicians can participate in 7 different categories and get an evaluation of their performance by an international renowned jury.

Those wanting to share their music, to discover eachother’s cultures, to celebrate a mega feast of joy, peace and friendship spiced up by musical highlights, certainly have to come to Neerpelt (Belgium).

Are you interested in participating at our 67th festival edition, are you looking for more information, are you eager to know what festival program will be offered, … feel free to check our festival website www.emj.be, where you can also find the regulations or to contact our festival office info@emj.be.

Música Analítica

Chamada de ComunicaçõesCall for Papers

Música Analítica 2019:
Porto International Symposium on the Analysis and Theory of Music

Universidade Católica Portuguesa
Porto, Portugal: March 21–23, 2019

INFORMAÇÃO GERAL OVERVIEW

O Centro de Investigação em Ciência e Tecnologia das Artes (CITAR) da Escola das Artes, Universidade Católica Portuguesa, convida à submissão de propostas para comunicações orais no Música Analítica 2019: Simpósio Internacional em Análise e Teoria da Música, a ocorrer no Campus da Foz, Porto, de 21–23 de Março, 2019.

O simpósio promove a noção de música como análise e análise como música—uma glosa da expressão “música analítica”—argumentando que os nossos modos discursivos de análise não estão fora da música, nem são apenas um complemento enriquecedor que lhe adicionamos, mas antes são integrais à forma como experienciamos, concebemos, e exprimimos a música. Em suma, a análise (implícita ou explícita) está implicada no modo em que enquadramos, processamos, e construímos o tempo e som (incluindo aspectos como o gesto ou a experiência comunal) em/como música.

A temática do simpósio é abrangente e inclusiva, esperando receber propostas com uma variedade de perspectivas sobre análise e teoria musical (especulativa, prática, histórica), ou que possam estabelecer intersecções com disciplinas como história, composição, teoria crítica, etnomusicologia, performance, artes sonoras, matemática, ciências cognitivas e tecnologias. Além disso, são particularmente encorajadas abordagens pedagógicas que explorem as implicações metodológicas e sociais da análise musical.

The Research Center for Science and Technology in the Arts (CITAR) at Universidade Católica Portuguesa invites the submission of paper proposals to Música Analítica 2019: Porto International Symposium on the Analysis and Theory of Music.

The symposium promotes the notion of music as analysis and analysis as music – a gloss on “música analítica”- arguing that our discursive modes of analysis are not outside of music or simply an enriching addition we bring to it but rather integral to the way we may experience, conceive, and music. In short, implicit or explicit analysis is implicated in the way we reframe, process, and construct time and sound, including aspects such as gesture or communal experience into/as music.

The symposium’s thematic range is inclusive, welcoming submissions from a variety of perspectives on music analysis and theory (speculative, practical, historical) or attendant to the multifarious intersections with disciplines such as music history, composition, critical theory, ethnomusicology, performance, sound art, mathematics, cognitive sciences, and technology. In addition, pedagogical approaches that address methodological and social implications of music analysis are particularly encouraged.

Reflectindo o escopo do encontro, o simpósio contará com os seguintes oradores

Reflecting the scope of the meeting, the symposium will feature the following speakers

Palestrantes principais Keynote Speakers:

Richard Cohn (Yale University)
Judit Frigyesi (Bar-Ilan University)
Sílvio Ferraz (Universidade de São Paulo)

Palestrantes plenários: Plenary Speakers:

Bianca Temes (Music Academy, Cluj)
Christopher Bochmann (Universidade de Évora)
Isabel Pires (CESEM, FCSH/Universidade Nova de Lisboa)
José Oliveira Martins (CITAR-EA/Universidade Católica Portuguesa)
Michiel Schuijer (Conservatorium van Amsterdam)
Miguel Ribeiro-Pereira (CITAR, ESMAE/Instituto Politécnico do Porto)
Moreno Andreatta (IRCAM, CNRS, UPMC-Paris)
Miguel Borges Coelho (ESMAE/Instituto Politécnico do Porto)
Naomi Waltham-Smith (University of Warwick)
Paulo Ferreira de Castro (CESEM, FCSH/Universidade Nova de Lisboa)
Steve Rings (University of Chicago)

DIRECTRIZES PARA SUBMISSÃO SUBMISSION GUIDELINES

Convidamos académicos/artistas de várias disciplinas a contribuir para este simpósio internacional (a língua do simpósio é o inglês). Envio de propostas até 15 de Dezembro de 2018 para o seguinte e-mail: musicaanalitica2019@porto.ucp.pt. Esperamos dar uma resposta até 5 de Janeiro de 2019.

A proposta deve consistir em dois ficheiros pdf. separados:

(1) Título da comunicação e um resumo da comunicação detalhando a abordagem, argumento e principais resultados, com um máximo de 350 palavras. Deve também incluir 5 palavras-chave e até 8 referências bibliográficas. O arquivo deve ter a designação

[ LAST NAME, proposal, MA2019 ].

Informações sobre o(s) autor(es):

Nome, afiliação institucional, e-mail, título da palestra, e uma pequena nota biográfica (máx. 150 palavras).

We invite scholars from various disciplines to contribute to this international symposium (the language of the symposium is English). Please send a paper proposal no later than December 15, 2018, to the following email:
musicaanalitica2019@porto.ucp.pt. We project a response by Jan 5, 2019.
The proposal should consist of two separate pdf. files:

(1) Title of the communication and an abstract detailing your approach, argument, and main findings, with a max. 350 words. Also include 5 keywords, and up to 8 bibliographic references. The file should have the designation

[ LAST NAME, proposal, MA2019 ].

(2) Information about the author(s): Name, Institutional affiliation, e-mail, title of the talk, and a short biographical note (max. 150 words).

Organização Organizing Committee
José Oliveira Martins (CITAR-EA/Universidade Católica Portuguesa)
Sofia Serra (CITAR-EA/Universidade Católica Portuguesa)
Daniel Moreira (CITAR, ESMAE/Instituto Politécnico do Porto)
Paulo Perfeito (CITAR, ESMAE/Instituto Politécnico do Porto)
Telmo Marques (CITAR, ESMAE/Instituto Politécnico do Porto)

Comité Científico Scientific Committee
[ Os palestrantes principais são também membros do comité científico ]
[ Plenary Speakers listed above are also scientific committee members ]

Adriana Lopes Moreira (Universidade de São Paulo)
André Venturoti Perrotta (CITAR-EA/Universidade Católica Portuguesa)
António Augusto Aguiar (ESMAE/Instituto Politécnico do Porto)
Antonio Grande (Conservatorio di Musica “G. Verdi” di Como)
Benoît Gibson (Universidade de Évora)
Carlos Caires (ESML/Instituto Politécnico de Lisboa)
Carlos Guedes (New York University, Abu Dhabi)
Catello Gallotti (Conservatorio di Musica “Giuseppe Martucci” di Salerno)
Gilberto Bernardes (INESC TEC/Universidade do Porto and Universidade de Aveiro)
Ildar Khannanov (Peabody Institute, Johns Hopkins University)
Jean-Pierre Bartoli (Sorbonne Université)
João Pedro d’Alvarenga (CESEM, Universidade Nova Lisboa)
John Koslovsky (Conservatorium van Amsterdam, and Utrecht University)
Manuel Pedro Ferreira, (CESEM, FCSH/Universidade Nova Lisboa)
Mattia Bergomi (Fundação Champalimaud, Center for the Unknown)
Mine Dogantan-Dack (University of Cambridge)
Nicolas Meeùs (SBAM, and IReMus)
Paulo de Tarso Salles (Universidade São Paulo)
Pedro Pestana (CITAR-EA/Universidade Católica Portuguesa)
Robert Hasegawa (McGill University)
Rodolfo Coelho de Souza (Universidade de São Paulo)
Rui Penha (INESC TEC/Universidade do Porto)
Sanja Kiš Žuvela (University of Zagreb)
Sigrun Heinzelmann (University Mozarteum Salzburg)
Sławomira Zeranska-Kominek (University of Warsaw)
Vasilis Kallis (University of Nicosia)

Website

CICPV

CONCURSO INTERNACIONAL DE MÚSICA DA PÓVOA DE VAZIM

1. Disposições Gerais General Rules

1.1. O Festival Internacional de Música da Póvoa de Varzim (FIMPV) anuncia a décima segunda edição do Concurso Internacional de Composição da Póvoa de Varzim (CICPV).

The International Music Festival of Póvoa de Varzim (FIMPV) announces the twelfth edition of the International Composition Competition of Póvoa de Varzim (CICPV).

1.2. O CICPV tem como objectivo premiar obras de compositores nascidos depois de 31 de julho de 1978.

The CICPV is open to composers of all nationalities born after the 31st of July 1978.

1.3. O agrupamento de música convidado para a edição de 2018/2019 é o Toy Ensemble (violino, violoncelo, flauta, clarinete e piano). As obras concorrentes devem utilizar, no mínimo, três instrumentos daquela formação.

The chamber music ensemble invited to perform for this year’s competition is the Toy Ensemble (violin, cello, flute, clarinet and piano). The competing works should use at least three instruments of that formation.

1.4. As obras a concurso deverão ter uma duração entre 8 (oito) e 15 (quinze) minutos.

The works should have a duration between 8 (eight) and 15 (fifteen) minutes.

1.5. As obras devem ser rigorosamente inéditas, sendo excluídas todas aquelas que tenham sido tornadas públicas por qualquer meio, ou que sejam resultado de uma encomenda.

The works must be strictly unpublished, all works that have been made public or commissioned by any means are excluded.

1.6. São também excluídas as obras que já tenham sido premiadas em qualquer concurso nacional ou internacional.

Are also excluded all works that have already been awarded in any national or international competition.

1.7. Cada candidato pode apresentar apenas uma obra a concurso.

Each applicant may submit only one piece to the competition.

1.8. As obras devem ser apresentadas em edição de programa informático (Sibelius, Finale, ou equivalente).

The works should be layed out in a computer program (Sibelius, Finale, or similar).

1.9. Os concorrentes deverão enviar cinco exemplares em papel da partitura, que poderão ser entregues por mão própria, ou enviadas por correio registado para o Secretariado do FIMPV: Rua D. Maria I, 56, 4490-538 Póvoa de
Varzim.

The competing works must be submitted as five copies of each score, and may be delivered by hand or sent by registered post mail to the address of Secretariat of FIMPV: Secretariado do Festival Internacional de Música da Póvoa de Varzim, Rua D. Maria I, 56. 4490-538 Póvoa de Varzim, Portugal.

1.10. As composições devem ostentar apenas o título e o pseudónimo do compositor, não devendo conter qualquer elemento susceptível de identificação do seu autor.

The compositions must contain only the title and the composer’s pseudonym, which shall not show any evidence that identifies its author.

1.11. Juntamente com a peça concorrente, deve ser anexado um sobrescrito fechado, contendo a identidade do concorrente, os seus endereços postal e electrónico, o número de telefone, uma fotocópia autenticada de um documento de identificação (B.I. ou passaporte), um curriculum resumido, uma foto e um breve texto de apresentação da obra. O sobrescrito deve apenas ter inscrito na frente o nome da obra, e o pseudónimo do compositor, e será aberto após a decisão final do júri.

Along with the competing work, there must be sent a sealed envelope containing the identity of the competitor, their postal and electronic addresses, phone number, an authenticated photocopy of an identification document (ID or passport), a summarized curriculum, a photo and a brief text about the work. The sealed envelope should have just enrolled in front the name of the work and the pseudonym of the composer, and will be opened after the final decision of the jury.

1.12. As cinco cópias da obra e o sobrescrito de identificação devem ser entregues num único envelope.

The five copies of the work and the above identification must be submitted in one envelope.

2. Calendário Calendar

2.1. Lançamento e publicação do CICPV: 14 de Junho de 2018.

Release and publication of CICPV: June 14, 2018.

2.2. O prazo para entrega termina impreterivelmente no dia 19 de Março de 2019 (as obras chegadas depois daquela data não serão consideradas pelo júri).

The deadline for delivery without fail ends on March 19, 2019 (works arriving after that date will not be considered by the jury).

2.3. Os títulos das obras finalistas, bem como os nomes dos seus autores, serão tornados públicos no dia 26 de Abril de 2019, sendo divulgados na plataforma electrónica do FIMPV e nos meios de comunicação social.

The titles of the finalist works as well as the names of their authors, will be made public on April 26, 2019, and will be published on the FIMPV web site and social media.

2.4. Os concorrentes cujas obras sejam finalistas deverão entregar as respectivas partes da obra até ao dia 6 de Maio de 2019.

Competitors whose works are finalists must submit the respective parts of the work until May 6, 2019.

2.5. A(s) obra(s) seleccionada(s) será(ão) estreada(s) durante a edição do FIMPV de 2019 (no decorrer do concerto de 23 de Julho de 2019).

The selected work(s) première(s) will occur during the FIMPV 2019 (during the concert of July 23rd, 2019).

2.6. No decorrer da temporada de 2019/2020, o FIMPV publicará edições em partitura da(s) obra(s) vencedora(s) (1º e 2º prémios).

During the 2019/2020 season, FIMPV will publish editions of the score(s) of the winning work(s) (1st and 2nd prizes).

3. Os Prémios Awards

3.1. Serão atribuídos 1° e 2° prémios. O júri reserva o direito de atribuir menções honrosas. O valor dos prémios é de 2.500 (dois mil e
quinhentos) euros, 1° prémio; e de 1.000 (mil) euros, 2° prémio. O prémio é também considerado como pagamento de direitos de autor relativos à estreia, aluguer de materiais e edição em partitura das obras premiadas. Serão publicadas edições em partitura impressa das obras vencedoras (primeiro e segundo prémios).

1st and 2nd prizes will be awarded. The jury reserves the right to award honorable mentions. The value of the prize is 2,500 (two thousand five hundred) euros, 1st prize; and 1,000 (thousand) euros, 2nd prize. The prize is also considered as payment of première copyrights equipment rental and score editing for the winning works. The scores of the winning works will be published (first and second prizes).

3.2. Os autores das obras vencedoras (1° e 2° prémios) comprometem-se a mencionar na partitura editada, bem como em notas de programa de futuras apresentações públicas, um breve texto com a indicação “obra vencedora do 1° / 2° Prémio do Concurso Internacional de Composição da Póvoa de Varzim 2018/2019”.

The authors of the winning works (1st and 2nd prizes) undertake to mention on the edited score, as well as notes for future public presentations program, a brief text such as “Awarded 1°/ 2° prize in the International Composition Competition of Póvoa de Varzim
2018/2019”.

3.3. O júri fará uma selecção de um máximo de duas obras finalistas. A(s) obra(s) seleccionada(s) será(ão) posteriormente estreada(s) durante a edição do FIMPV de 2018. No final do concerto de estreia, o júri reunirá para atribuição da ordem definitiva dos prémios. Para a deliberação final haverá também um voto dos intérpretes envolvidos na execução das obras, ou seja, três votos do júri e um voto dos intérpretes, num total de quatro votos.

The jury will make a selection of a maximum of two finalist works. The work(s) selected will be later premiered during the 2018 edition of FIMPV. At the end of the concert début, the jury will meet again to award the final order of the prizes. For the final decision there will also be a vote of the performers involved in the execution of the works, i.e. three jury votes and a vote of the performers, for a total of four votes.

3.4. O público votará um Prémio especial à parte, com o valor de 500 (quinhentos) euros (“Prémio do Público”).

The public will vote a special award, with the value of 500 (five hundred) euros (“Audience Award”).

4. Do Júri The Jury

4.1. O júri é constituído por Alexandre Delgado (Presidente), António Chagas Rosa e Eurico Carrapatoso.

The jury is constituted by Alexandre Delgado (President), António Chagas Rosa and Eurico Carrapatoso.

4.2. O júri poderá não seleccionar qualquer obra concorrente.

The jury may not select any competing work.

4.3. O júri reserva-se o direito de decidir a não atribuição de prémio(s).

The jury reserves the right to decide not to award the prize(s).

4.4. Não haverá obras premiadas ex-aequo.

There will be no ex-aequo prize-winning works.

5. Disposições Finais Final Provisions

5.1. Todas as obras não premiadas, bem como os respectivos sobrescritos de identificação, ficarão na posse do secretariado do CICPV, podendo ser reclamados até um mês depois da publicação dos resultados. Expirado esse prazo serão destruídos para preservação dos direitos de autor. No caso de se pretender que a devolução das partituras seja feita por correio, os candidatos deverão juntar um pagamento de 10,00 euros para cobrir as despesas postais.

All not awarded works, as well as their identification envelopes, will be held by the secretariat of CICPV and can be claimed up to a month after the publication of the results. After the expiry date they will be destroyed to preserve the copyright. In case the return of scores by mail is desired, applicants must enclose a payment of 10.00 euros to cover postage costs.

5.2. A participação neste concurso implica a aceitação de todos os artigos deste regulamento.

Participation in the contest implies acceptance of all the articles of these Regulations.

5.3. Cabe ao Secretariado do CICPV/FIMPV prestar todos os esclarecimentos sobre o presente regulamento.

It is the Secretariat of CICPV / FIMPV to provide any clarification on these Regulations.

5.4. Os casos omissos neste Regulamento serão solucionados pelo Júri e pela Direcção do CICPV/FIMPV.

Omissions herein shall be resolved by the jury and the Directorate of CICPV / FIMPV.

Póvoa de Varzim, 14 de Junho de 2018
Póvoa de Varzim, 14th June 2018.

Prémio de Composição

PIC

PRÉMIO INTERNACIONAL DE COMPOSIÇÃO

ÓRGÃOS DO PALÁCIO NACIONAL DE MAFRA 2019

O Ministério da Cultura e o Município de Mafra promovem o “Prémio Internacional de Composição – Órgãos do Palácio Nacional de Mafra”, visando criar novo repertório para o magnífico conjunto instrumental. As candidaturas estão abertas até 29 de março de 2019.

Da autoria dos dois mais importantes organeiros portugueses do seu tempo – António Xavier Machado e Cerveira e Joaquim António Peres Fontanes – os seis órgãos da Basílica do Palácio Nacional de Mafra constituem um conjunto único no mundo, não pelo seu número, já de si notável, mas pelo facto de terem sido construídos ao mesmo tempo e concebidos originalmente para tocar em conjunto.

O prémio, com periodicidade bienal, visa distinguir compositores que apresentem peças destinadas ao referido conjunto instrumental, fazendo uso das suas características próprias.

Dividido em duas categorias, desdobra-se numa componente relativa à composição de uma obra original e outra referente à transcrição para os seis órgãos. O valor dos prémios é de 10 mil e 5 mil euros, respetivamente.

O júri desta terceira edição é constituído por quatro personalidades de reconhecido mérito internacional:

Jean Ferrard (Bélgica), que preside, Sérgio Azevedo (compositor, Portugal), William Whitehead (Inglaterra) e João Vaz (organista, Portugal).

Para mais informações:
http://www.cm-mafra.pt/pt/municipio/premio-internacional-de-composicao-orgaos-do-palacio-nacional-de-mafra

02-08-2018

 

Citando

Os seis órgãos da Basílica do Palácio Nacional de Mafra constituem um conjunto único no mundo, não pelo seu número, já de si notável, mas pelo facto de terem sido construídos ao mesmo tempo e concebidos originalmente para tocar em conjunto.