Louis Braille também foi católico devoto e organista em várias igrejas

Braille também foi organista

Louis Braille inventou a música e a escrita em braille utilizando a mesma ferramenta que lhe tinha custado a visão.

Louis Braille nasceu na pequena cidade francesa de Coupvray, filho de um curtidor. Aos três anos, Braille, procurando imitar o pai, levantou a sovela para furar um bocado de couro. Com os olhos meio cerrados, fez força e a sovela desviou-se do couro perfurando o olho. Não foi possível encontrar tratamento e a criança sofreu terrivelmente quando o olho infecionou e a infeção alastrou à outra vista. Aos cinco anos ficou completamente cego. “Porque é que está sempre escuro?” – continuava a perguntar aos seus pais, sem dar-se conta de que nunca voltaria a ver.

O seu pai fez bastões para ele e ensinou-o a guiar-se de forma independente. Os professores e padres de Coupvray ficaram impressionados com a precocidade e perseverança de Braille e aos 13 anos recomendaram-no ao Royal Institute for Blind Youth, uma das primeiras escolas para cegos de todo o mundo. O Instituto tinha sido fundado pelo filantropo Valentin Haüy, que não era cego.

Os alunos aprendiam a ler usando letras em relevo num sistema criado por por Haüy. Mas era um processo muito moroso produzir os livros, e quando a escola abriu pela primeira vez, só tinha três. Nem as crianças podiam escrever usando o referido sistema. O pai de Braille fez-lhe um alfabeto de couro grosso, para que pudesse escrever em casa traçando as letras. Aos 12 anos, Braille tomou conhecimento da existência de um sistema de comunicação por pontos e raias em papel, idealizado pelo Capitão Charles Barbier para que os soldados partilhassem informação à noite sem falar nem usar a luz. Tinha sido rejeitado pelos militares por ser muito complicado.

Durante três anos, Braille trabalhou arduamente para desenvolver um sistema semelhante e mais simples para cegos, utilizando uma sovela, a ferramenta que o tinha deixado cego. Afirmou: “O acesso à comunicação no sentido mais amplo é o acesso ao conhecimento, e isso é de vital importância para que nós [os cegos] não sejamos depreciados ou patrocinados por pessoas videntes condescendentes. Não precisamos que tenham pena, nem que nos lembrem de que somos vulneráveis. Devemos ser tratados como iguais, e a comunicação é a forma de o alcançar.”

Depois de algumas revisões, Louis Braille criou aos 15 anos um alfabeto para cegos e publicou-o cinco anos mais tarde, expandindo-o para incluir símbolos geométricos e notação musical.

Braille, católico, era um apaixonado pela música e um talentoso violoncelista e organista. Foi organista na igreja de Saint-Nicolas-des-Champs em Paris entre 1834 e 1839, na igreja de São Vicente de Paulo. Braille foi convidado a tocar órgão em igrejas de toda a França.

Quando concluiu os estudos, foi convidado a continuar como ajudante de um professor. Foi nomeado professor aos 24 anos. Ensinou História, Geometris e Álgebra no Instituto durante a maior parte da sua vida.

Contudo, o sistema de escrita de Braille não foi aceite no Instituto. Os sucessores de Haüy foram hostis a este invento e despediram o director Dr. Alexandre François-René Pignier por ter um livro de História traduzido em Braille.

Louis Braille morreu de tuberculose aos 43 anos. Dois anos depois, o seu sistema foi finalmente adotado pelo Instituto perante a insistência dos estudantes e espalhou-se por todo o mundo francófono. (…)

Tradução de Aleteia, do Espanhol, por António José Ferreira, a 09 de janeiro de 2020 (excerto)

Cantar nutre o cérebro
,

Cantar nutre o cérebro infantil

A ciência descobriu que a música (tanto escutá-la como fazê-la) é um dos estímulos mais poderosos e complexos-completos para o desenvolvimento das crianças e jovens.”

Cantar nutre o cérebro infantil. A voz, o primeiro instrumento musical

Parece que os adultos precisamos sempre de argumentos sobre a utilidade das coisas para dar valor ao que, em si mesmo, é valioso. Mas, porque estamos imersos num mundo tão rápido e que vai descartando o que desde sempre nutriu o rico mundo infantil (os jogos, os contos, as canções…), vale a pena conhecer o que diz a ciência sobre os efeitos de cantar nas crianças mais pequenas.

A ciência descobriu que a música (tanto escutá-la como fazê-la) é um dos estímulos mais poderosos e complexos-completos para o desenvolvimento das crianças e jovens (e dos adultos!). Mas, e quando as crianças são demasiado pequenas para aprender a tocar um instrumento? A resposta é simples: a voz.

Por alguma razão as canções infantis são uma parte importante da tradição cultural infantil. Se todas as culturas têm o seu próprio folclore infantil é porque responde a uma necessidade universal, agora cientificamente estudada numa investigação realizada na Universidade de Münster (Alemanha), por Thomas Blank e Karl Adamek. O estudo realizou-se em 500 jardins de infância, com a colaboração do Departamento de Saúde Pública, verificando-se que 88% das crianças que cantavam com frequência estavam preparadas para a escolarização normal, em contraste com os 44% apenas daquelas em cuja escola se cantava menos.

O estudo demonstrou que cantar e jogar cantando estimula o desenvolvimento físico, mental e social das crianças numa medida que se subestimou, e que se reflete numa melhor maturação cerebral e no desenvolvimento da fala, a inteligência social e o controlo da agressão.

Cantar beneficia todas as crianças, mas de um modo muito especial os que vivem em situações de desvantagem social (violência familiar, escassez de recursos, imigração recente…). É difícil medir os incontáveis benefícios de uma atividade que põe em jogo o corpo, as emoções e a mente, mas uma possível explicação parcial dão-na os estudos neurobiológicos e fisiológicos que mostram que cantar produz hormonas de bem estar e reduz as que desencadeiam reações de agressão.

Do mesmo modo, é fácil deduzir que as canções infantis que implicam jogos, rodas, palmas etc, a determinado ritmo, pelo facto de serem de execução mais complexa e conterem tantas habilidades diferentes de forma sincronizada, potenciam ainda mais as conexões neuronais e a maturação de estruturas cerebrais básicas.

Faltaria mais investigação sobre o efeito nos mais pequeninos de substituir as canções infantis tradicionais, todas elas compostas na escala pentatónica  (segundo a pedagogia Waldorf mais próxima da fase evolutiva dos mais novos), por canções que escutem jovens e adultos, todas elas compostas em escala heptatónica. Isto sem mencionar outros aspetos como as letras, o efeito sensorial sobre as as crianças mais pequenas de muitas canções modernas ou a perda cultural da riqueza do folclore tradicional infantil que vai caindo no esquecimento.

Citando

(…) cantar e jogar cantando estimula o desenvolvimento físico, mental e social das crianças numa medida que se subestimou, e que se reflete numa melhor maturação cerebral e no desenvolvimento da fala, a inteligência social e o controlo da agressão.

Isabel F. del Castillo, Terra Mater, tradução de António José Ferreira, a 08 de junho de 2019

Cantar nutre o cérebro

Menino cantando

Virginale Joannes Ruckers
,

Musical instruments that begin with the letter V

MUSICAL INSTRUMENTS THAT BEGIN WITH THE LETTER V

Instrumentos musicais que começam por V

Valiha

Valimba

Veena

Venu

Venuvu

Verrilon

Veuze

Vibrafone

Vibraslap

Vielle

Vihuela

Vihuela ibérica

Vina

Viola

Viola d’amore

Viola da Gamba

Violeta

Violino

Violoncelo

Virginal

Virginale

Volynka

Vozarrona

Vuhol’nik

Vuvuzela

Virginale Joannes Ruckers

Virginale Joannes Ruckers

Instrumentos musicales que empiezan por v

Instrument de musique qui commence par v

Strumenti musicali che iniziano con la v

Tsuzumi
,

Musical instruments that begin with the letter T

MUSICAL INSTRUMENTS THAT BEGIN WITH THE LETTER T

Instrumentos musicais que começam por T

Ta’arija

Taal

Tabalet

Tabaque

Tabla

Tablah

Tablahzerbaghali

Tabor

Tadghtita

Tagelharpa

Tagutok

Taiko

Taishogoto

Taishogoto japonês

Takebue

Talharpa

Tamak

Tambarinu

Tambor

Tambor de fenda

Tambor de mão

Tambor falante

Tamboril

Tamboriles

Tamborim

Tamboura

Tambura

Tamburica

Tampuri

Tangmuri

Tanpura

Tantã

Tapan

Tarabaki

Taraban

Tarabuka

Tarka

Tárogató

Tayaw

Tchakare

Temple block

Teorbo

Teponatzli

Teta maung

Thali

Thappu

Thawil

Theremin

Thimila

Ti

Tibetan bell

Tilinca

Timba

Timbales

Timbila

Timila

Timpani

Timpanon

Tímpanos

Timpanum

Timple

Timps

Tin Whistle

Tiorba

Tiple

Titi

Tlapitzali

To’ere

Tochácatl

Tom

Tombak

Ton wa

Tonbak

Tongue drum

Toombi

Torban

Torokhkatalo

Torupill

Totoloche

Toumperlek

Tow-tone block

Toxacatl

Trashchotka

Traskofiol

Trejdeksnis

Trembita

Triângulo

Triccaballaca

Trigonon

Trikitixa

Tro

Tro che

Tro khmer

Tro sau thom

Tro sau toch

Tro u

Trombone baixo

Trompa

Trompa alpina

Trompa natural

Trompete

Trstenke

Truba

Trumpet

Tsenatsil

Tsugaru-shamisen

Tsuri-daiko

Tsuzumi

Tsymbaly

Ttun-ttun

Tuba

Tulum

Tumbi

Tumpong

Tungehorn

Txalaparta

Txistu

Tyba

Tynia

Tzi-ditindi

Tzoura

Tsuzumi

Tsuzumi

Instrumentos musicales que empiezan por t

Instrument de musique qui commence par t

Strumenti musicali che iniziano con la t

Clavichord, The Metropolitan Museum of Art, Boston
,

Musical instruments that begin with the letter C

MUSICAL INSTRUMENTS THAT BEGIN WITH THE LETTER C

Instrumentos musicais que começam por C

Cabasa

Cacharaina

Caixa de rufo

Cajón

Caña rociera

Candungo

Cántaro

Caracaxá

Carillon

Carimba

Carracho

Carretilla

Castanholas

Castañuelas

Caterineta

Cavaquinho

Caxirola

Caxixi

Cega-rega

Celesta

Cello

Celtic harp

Cembalo

Cennala

Ceterone

Ch’in

Cha cha cha bell

Chácaras

Chalaban

Chalumeau

Chande

Chango

Chap

Charaina

Charango

Charangón

Charanguito manguero

Charrasca

Chauklon pat

Chelys

Chenda

Chengila

Chequere

Chhikka

Chicote

Chikara

Chillador

Chimta

Chincalho

Ching

Chinlili

Chinlilo

Chiquitzi

Chirimia

Chirisuya

Chirula

Chitarrone

Chitata

Chitatya

Chitende

Chitra veena

Chitra vina

Chitraveena

Chiufolo

Chivoconvoco

Chocalho

Chod damaru

Chonka

Choquella

Chusao samishen

Ci wain

Ciaramedda

Ciaramédha

Çifteli

Çiftelia

Cimbalom

Cimpoi

Cistre

Cítara

Cithara

Citre

Cittharne

Ciufolo

Clapper

Clapper stick

Clapstick

Clarim

Clarinet

Clarinete

Clarino

Clarsach

Clavas

Claves

Clavichord

Clavicórdio

Cobza

Coixinera

Concertina

Congas

Conocchie

Contrabaixo

Contrabassoon

Contrafagote

Copofone

Copos musicais

Cor anglais

Cornamusa

Corne inglês

Corneta

Cornetão

Cornetto

Crash cymbals

Cravo

Crescente turco

Cristalofone

Crótalos

Crowth

Cruzao

Crwth

Cuatro

Cuíca

Cuiringua

Culepuya

Culo e puya

Culo’e puya

Culoepuya

Cumbus

Cymbales

Cymbaly

Cytherne

Cytra

Clavichord, The Metropolitan Museum of Art, Boston

Clavichord, The Metropolitan Museum of Art, Boston

Instrumentos musicales que empiezan por c

Instrument de musique qui commence par c

Strumenti musicali che iniziano con la c