Sobreiro

De varino ou de falua

[ Beira-Tejo ]

De varino ou de falua,
Vou da Moita a Alcochete
Abraçar teus braços de água,
Ver as Festas do Barrete.

Rio fadado, quantos laços
Um cordão umbilical!
Teus beijos aprisionados
Em marinhas de sal.

Quantas canastras passaram
Pelos braços extenuados,
Na faina dos salineiros
Que na Festa são forcados?!

Moita, Montijo, Alcochete,
A faena é querida:
O sangue pulsa nas veias,
Vermelho na investida.

Tanta terra, tanto mar!
Tanta história p’ra contar!

Estórias, estórias
De Festa rija,
De campos loiros, carícias,
Moças, papoilas, conquistas.

Tanta terra e tanto mar!
Tanta terra e tanto mar!
Tanta terra e tanto mar!
Tanta terra e tanto mar!
Tanta terra!…

Letra e música: Álvaro M. B. Amaro
Intérprete: Dialecto*
Versão original: Dialecto (in CD “Aromas”, Dialecto/Cloudnoise, 2011)

Indo eu caminho abaixo

[ Amphiguris ]

Indo eu caminho abaixo,
Por um caminho que não vi,
Encontrei a minha cabra,
Cabra que não era minha.
Vi pereiras com maçãs,
Subi, colhi avelãs,
Veio o dono das romãs:
Que lhe importam estas uvas
Qu’estão em faval alheio?

N’esta idade qu’inda tenho,
Ninguém viu mais do que eu,
Vi até entre uma hora,
A cidade de Viseu.
Vi a torre de Almeirim,
Lutar com uma formiga,
Qual de baixo, qual de riba,
Fez-lhe sangue na barriga;

Acolheu-se a uma toca
De lá veio uma minhoca.
Sete porcos vi na eira,
Debulhar um calcadoiro,
Tudo isto eu vi jogar,
E mai-lo jogo do toiro.
Também vinha na companha
Uma loba a pedir p’ra presos,
Com sete sacas de novelos,
Nas ancas de um carrapato,
Também no caminho vi,
Um pisco a vender tabaco.

Letra: Popular (Algarve)
Música: Amélia Muge
Intérprete: Amélia Muge (in CD “Taco a Taco”, Polygram, 1998)

Já que aqui estou

[ Viva Quem Canta ]

Já que aqui estou
Vou-lhes agora contar
De mil pessoas feitos vida
Desta vida atribulada
Desta vida de cantar

Se sobrar peito
Depois de mil melodias
Depois de tantas palavras
Tantas terras tantas estradas
Tantas noites tantos dias

Viva quem canta
Que quem canta é quem diz
Quem diz o que vai no peito
No peito vai-me um país

No Algarve mandei baile
Toquei adufes na Beira
Em Trás-os-Montes aprendi
A bombar como um Zé Pereira

Mundo fora dei abraços
Nos Açores e na Madeira
Deixei amigos do peito
E em casa cantei na eira

Viva quem canta
Que quem canta é quem diz
Quem diz o que vai no peito
No peito vai-me um país

Trago nos dedos malhões
Toquei rondas de caminho
No Douro aprendi Janeiras
Dancei as chulas no Minho

No Alentejo fica o peito
Da planície de cantar
No fado colhi o jeito
De um país por inventar

Viva quem canta
Que quem canta é quem diz
Quem diz o que vai no peito
No peito vai-me um país

Cantei no alto de um monte
Num tractor ou num celeiro
Para vinte ou vinte mil
E das palavras fiz viveiro

Para quem canta por cantar
Pouco mais se pediria
Mas quem canta para sentir
Para explicar-se e para ser
Pensem só quanto haveria
Ainda por dizer

Letra e música: Pedro Barroso
Intérprete: Pedro Barroso (in “Do Lado de Cá de Mim”, Rádio Triunfo, 1983; reed. Movieplay, 2003; CD “Cantos d’Oxalá”, CD Top, 1996)

Minha terra não tem rios

[ Quadras dum Dia Sozinho ]

Minha terra não tem rios,
Minha terra não tem mar;
Mas todos os meus vazios
Vão à minha terra dar.

Meu amor nunca lá foi,
Meu amor nunca me quis;
Eu vivo do que não foi
Com tudo o mais que não fiz.

Indiferença no sentir,
À-vontade no calar…
Acredito que há-de vir
No dia em que não vou estar.

Minha terra não tem rios,
Minha terra não tem mar;
Vão-se embora os meus vazios
Quando o meu amor chegar.

«Minha terra não tem rios,
Minha terra não tem mar;
Mas todos os meus vazios
Vão à minha terra dar.

Meu amor nunca lá foi,
Meu amor nunca me quis;
Eu vivo do que não foi
Com tudo o mais que não fiz.

Indiferença no sentir,
À-vontade no calar…
Acredito que há-de vir
No dia em que não vou estar.

Minha terra não tem rios,
Minha terra não tem mar;
Vão-se embora os meus vazios
Quando o meu amor chegar.»

Meu amor nunca lá foi,
Meu amor nunca me quis;
Eu vivo do que não foi
Com tudo o mais que não fiz.

Letra: Duarte (Março de 2011)
Música: Carlos Manuel Proença e Duarte
Intérprete: Duarte* com Albano Jerónimo (in CD “Sem Dor Nem Piedade”, Duarte/Alain Vachier Music Editions, 2015)

No sonho se mede o encanto

[ Todavia Eu Sou Pastor ]

No sonho se mede o encanto
que me dá esta alegria
a saudade só me chama
quando a noite se faz dia

As estrelas já eu sei
que são luzes pequeninas
como os ciganos que cantam
dia e noite as suas sinas

Tenho o nome de uma pedra
sou cascalho e vivo só
passei toda a mocidade
em casa de minha avó

Tinha fruta no quintal
duas videiras verdosas
um eucalipto crescido
ao pé dum vaso de rosas

Bebi água em muitas fontes
e vi estrelas lá no céu
todavia eu sou pastor
dum gado que não é meu

Sonhei guitarras e guizos
ouvi poetas nas vendas
cantando a vida dos pobres
com os seus vícios e lendas

Comi uvas, bebi vinho
vi lagartos e lebrões
andei com velhos malteses
assassinos e ladrões

Dormi a sesta nos montes
levei porcos ao Barreiro
andei nas feiras guardando
o meu gado o ano inteiro

Lá nas moitas aprendi
a ser aquilo que sou
um camponês que não pensa
nas coisas que já pensou

Da macela faço o chá
e da esteva faço a cama
a hortelã tira o sarro
aos frutos verdes sem rama

Agarro a névoa aqui perto
nas margens duma ribeira
é na saudade que sinto
que mato a minha canseira

Montei cavalos de Alter
vi galgos de Montemor
saltei valados e rios
e compus versos de amor

É na lonjura que eu gozo
o vento que vem do céu
todavia eu sou pastor
dum gado que não é meu

Poema: Antunes da Silva
Música: Paco Bandeira
Intérprete: Paco Bandeira (in LP “Todavia Eu Sou Pastor”, Decca/Valentim de Carvalho, 1975; CD “O Melhor de Paco Bandeira”, EMI-VC, 1989; CD “O Melhor de Paco Bandeira”, Valentim de Carvalho/Iplay, 2008) [? YouTube]
Outra versão de Paco Bandeira (in CD “Uma Vida de Canções”, Farol Música, 2006)

Ó Coimbra do Mondego

[ Saudades de Coimbra ]

Letra: António de Sousa
Música: Mário Faria Fonseca
Intérprete: Edmundo de Bettencourt (in CD “Fados e Baladas de Coimbra: Para Uma História do Fado”, EMI-VC/Corda Seca/Público, 2004)
Outra versão: José Afonso (in “Fados de Coimbra e Outras Canções”, Orfeu, 1981, reed. Movieplay, 1987)

Ó Coimbra do Mondego
E dos amores que eu lá tive
Quem te não viu anda cego
Quem te não ama não vive

Do Choupal até à Lapa
Foi Coimbra os meus amores
A sombra da minha capa
Deu no chão, abriu em flor

Roendo uma laranja na falésia

[ Porto Covo ]

Letra: Carlos Tê
Música: Rui Veloso
Intérprete: Rui Veloso (in “Rui Veloso”, EMI-VC, 1986)

Roendo uma laranja na falésia
Olhando o mundo azul à minha frente,
Ouvindo um rouxinol nas redondezas,
No calmo improviso do poente

Em baixo fogos trémulos nas tendas
Ao largo as águas brilham como prata
E a brisa vai contando velhas lendas
De portos e baías de piratas

Havia um pessegueiro na ilha
Plantado por um vizir de Odemira
Que dizem que por amor se matou novo
Aqui, no lugar de Porto Covo

A lua já desceu sobre esta paz
E reina sobre todo este luzeiro
À volta toda a vida se compraz
Enquanto um sargo assa no brazeiro

Ao longe a cidadela de um navio
Acende-se no mar como um desejo
Por trás de mim o bafo do destino
Devolve-me à lembrança do Alentejo

Havia um pessegueiro na ilha
Plantado por um vizir de Odemira
Que dizem que por amor se matou novo
Aqui, no lugar de Porto Covo

Roendo uma laranja na falésia
Olhando à minha frente o azul escuro
Podia ser um peixe na maré
Nadando sem passado nem futuro

Havia um pessegueiro na ilha
Plantado por um vizir de Odemira
Que dizem que por amor se matou novo
Aqui, no lugar de Porto Covo

0 comentários

Deixe um comentário

Quer participar?
Deixe a sua opinião!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *