Sérgio Godinho

A música é tamanha

[ Mão na Música ]

A música é tamanha,
cabe em qualquer medida.

Da sua mão sobe o ar ao infinito, de lá treme. A música, por um lado, vê-se; por outro, não se vê. Nada da música se improvisa por acaso. A música corre nas gargantas e pode ser tocada com um só dedo. A música mostra-se feia para os seus pares e bela para os seus ímpares. A música emudece, por vezes, os cantores e deixa-os a sós nos camarins à espera do amigo do carrasco. A música não é a mesma quando ouvida de longe ou quando ouvida de perto. A música não tem explicações a dar a si mesma: isso explica tudo. A música dá asas a quem voa: a quem tem asas para voar. A música faz aos poemas aquilo que os poemas quiseram fazer dela: render-se. E aos outros propõem: rendam-se! Tréguas e batalhas sem ordem de aviso.

A música é tamanha,
cabe em qualquer medida.

A música referenda a liberdade? Sim ou não? A música depende dum botão da liberdade e desunha-se a mostrar os efeitos de num dedo a voz humana. A música faz orelhas moucas. A música não se esquece no silêncio: por isso, nos lembramos dela. Permanece em mais que um som. A música vai, por vezes, mais alto e duma torre afunda o eco no centro da terra. A música aguenta-se de pé, dorme sentada, dança e escorrega na cama. A música pausa e pausa, faz das malas a viagem mas se acena, já de longe… A música atira os seus poemas ao mar e recebe-os nas ondas do dia seguinte, nas garrafas outro povo. A música perdeu muitos bons poemas no vento contrário, quem sabe eram bons? A música é uma cópia duma cópia, de cara aberta vai ao fundo e vem à tona por respiração. A música é uma revolução de estilos, é do passarinho herdeira órfã. A música é órfã. Quando nasceu, os seus pais tinham morrido há pouco. É órfã.

A música é tamanha,
cabe em qualquer medida.

A música esfrega os dedos em tudo o que der som. A música nunca teve, em si mesma, uma moral; pensa que não pensa e que não perdura. Diz-se que faz muito bem ouvi-la; alguém que pense e que perdure por ela. A música não tem barreiras, mas o amor por ela sim. A música prepara-se, destroçada mas vaidosa, para confessar tudo ao cair do sol. A música chora e ri ao mesmo tempo: uma criança por razões não exactamente compreensíveis. A música quer ser perfeita, sempre que por escolha é imperfeita. Por talento, dá-se a todas: a bondade, a presunção, ressentimento e, mais não fosse, a quatro tempos. A música de repente é a mesma nota repetida e outras vezes. A música mede-se com caneta e gravador. É maior e é menor. A música quando se encontra já lá está. A música nasceu antes de nós termos nascido com ela. A música segue a sua sombra e pela sombra é fácil, não há espelho. Ou é ritmo ou é pausa. Ambos dúbios mas reconhecíveis.

A música é tamanha,
cabe em qualquer medida.

A música é feita à janela e aberta vê-se da rua. A música eriça-se ao menor vento, arranha-se a si mesma, ladra ao ar, risca a terra. Gosta mesmo. A música quando a chuva cai com barulho de entre as nuvens, vê-se o mar em dia de acalmia, o que não é explicável nem por norma nem por excepção dos deuses: digamos que são os sons em dia de ofertório. A música vai de rio e desagua: aquece a água doce, rebenta no mar salgado, larga os seus bichos no mar. A música tem duas mãos, é tocada com um só peito e um só dedo. Da música sobe o ar ao infinito. A música tem um só dedo e um só dedo. A música tem um só dedo e um só dedo. Nada da música se improvisa por acaso.

A música é tamanha,
cabe em qualquer medida.

Letra e música: Sérgio Godinho
Intérprete: Sérgio Godinho* (in CD “Mútuo Consentimento”, Universal Music, 2011)

* Sérgio Godinho – voz
Manuela Azevedo – coros
Produção e direcção musical – Nuno Rafael
Produção executiva – Paulo Salgado / Vachier & Associados
Gravado por Hélder Gonçalves
Misturado por Nelson Carvalho, nos Estúdios Valentim de Carvalho, Paço d’Arcos
Masterizado por Andy Vandette (Masterdisk)

A Música

[ A Música Inventa o Lume ]

A música está coberta
com um manto. E dessa névoa
sai um uivo que poisa na água
e inventa o lume.

É a voz das fragas e o riso,
uma mulher que bate num cântaro
para afastar os pássaros dos lagares.
De uma cordilheira levanta-se
um corvo. A planície, a seu lado,
transforma-se num imenso rio onde
nascem os limões e a tarde cai
como se fosse um toldo de marfim.

A música está coberta
com um manto. E dessa névoa
sai um uivo que poisa na água
e inventa o lume.

É a voz das fragas e o riso,
uma mulher que bate num cântaro
para afastar os pássaros dos lagares.
De uma cordilheira levanta-se
um corvo. A planície, a seu lado,
transforma-se num imenso rio onde
nascem os limões e a tarde cai
como se fosse um toldo de marfim.

O lume arde nesta paisagem
reencontrada e todos os objectos
se viram de repente, em êxtase,
anunciando o vinho.

O lume arde nesta paisagem
reencontrada e todos os objectos
se viram de repente, em êxtase,
anunciando o vinho.

Poema: Jaime Rocha
Música: Janita Salomé
Intérprete: Janita Salomé (ao vivo no Estúdio 3 da Rádio e Televisão de Portugal, Lisboa)
Versão original: Janita Salomé com Luanda Cozetti (in CD “Valsa dos Poetas”, Cantar ao Sol/Ponto Zurca, 2018)

0 comentários

Deixe um comentário

Quer participar?
Deixe a sua opinião!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *