MELOTECA SÍTIO DE MÚSICAS E ARTES
Siga-nosFacebookInstagramLinkedInPinterestTwitterTumblr
> Sénior
Musicais
Piano
Órgão
Guitarra
Guitarra portuguesa

MÚSICA PARA SENIORES

Musicoterapia com seniores

Foto Confort Keepers

Com a melhoria dos cuidados de saúde, o número de pessoas idosas aumentou muito em numerosos países. E a música, qualquer que seja o seu estilo ou género, tem um papel cada vez mais importante a desempenhar nesta fase da vida, dando qualidade de vida à pessoa.

A música ajuda a relaxar, mantém o cérebro ativo, combate a depressão e atua no tratamento de certas doenças. Ouvir e cantar canções que marcaram a juventude traz à pessoa a recordação de momentos felizes e renova o gosto de viver.

Mormente se é utilizada de modo científico enquanto terapia, a música melhora o relacionamento interpessoal, reduz a fadiga, ajuda a reduzir a hipertensão, previne doenças cardiovasculares.

Sem objetivos terapêuticos, há também hoje entidades que fornecem aulas de música destinadas à terceira idade, para descontrair, socializar e entreter a pessoa. Atividades individuais ou grupais, incluindo movimento e dança, contribuem para o bem-estar físico e psicológico do idoso. Em grupo, são uma oportunidade aliciante para conviver. Cantar, tocar, improvisar, memorizar canções acessíveis trazem benefícios enormes à vida dos idosos.

Há toda a vantagem em incrementar projetos de qualidade que levem a música aos lares de terceira idade, centros de dia e que permitam a tantos idosos autónomos deslocarem-se a uma escola de música que tenha alternativas musicais. Mas a própria família pode fazer muito ao nível da inclusão e realização pessoal dos idosos. Estes têm muito a ensinar às crianças no que diz respeito a canções tradicionais, criação de instrumentos reutilizados, literaturas de tradição oral.

Esta nova secção da Meloteca, baseada para já em informações dispersas recolhidas há mais de uma década, pretende contribuir para um impacto positivo junto dos idosos e das pessoas que trabalham ou vivem com idosos.

António José Ferreira

19 de dezembro de 2016

TOPO