MELOTECA SÍTIO DE MÚSICAS E ARTES
Siga-nosFacebookFacebookTwitterLinkedInTumblrFlickr
> Mús. sacra
PRINCIPAL
Anjo músico Rei David
Santo Ambrósio
Santa Cecília

CÂNTICOS DE ACÍLIO MENDES

TOPO

Acílio Mendes

Frei Acílio Mendes (n. Chão de Couce, Ansião, 13 Set. 1943), ordenado presbítero em 1968, publicou centenas de cânticos destinados aos Cursos Bíblicos (que visam dar a conhecer ao povo a Sagrada Escritura), à promoção vocacional (de candidatos à vida religiosa) e à evangelização através de missões ao povo. Os cânticos de A. Mendes utilizam textos bíblicos (salmos, sobretudo) ou de inspiração bíblica estruturados em redondilha maior, tendo como objectivo a divulgação do livro sagrado, missão em que se destaca a Ordem dos Frades Menores Capuchinhos. Caracterizam-se por melodias tonais simples harmonizadas em terceiras, uma estrutura responsorial e uma textura homofónica.

OBRA EDITADA:

(1979) Manhãs de um mundo novo. Lisboa: Edições Paulistas.

(1986) Mãos cheias de esperança |12 cânticos|. Lisboa: Edições Paulistas.

(1987) Festa da vida |12 cânticos|. Fátima: Secretariado Nacional de Dinamização Bíblica.

(1988) Primavera de Deus |12 cânticos a Nossa Senhora|. Lisboa: Edições Paulistas.

(1989) A messe é grande |12 cânticos|. Fátima: Secretariado de Pastoral Vocacional; Franciscanos Capuchinhos.

(1990) É bom cantar salmos. Lisboa: Edições Paulistas.

(1991) Viver da Palavra |Hinos dos encontros nacionais de grupos bíblicos|. Fátima: Secretariado de Pastoral Vocacional; Franciscanos Capuchinhos.

(1992) Aquela eterna fonte |12 hinos da Liturgia das Horas|. Lisboa: Edições Paulistas.

(1993) Vida em abundância |17 cânticos|. Fátima: Secretariado de Pastoral Vocacional; Franciscanos Capuchinhos.

(1994) Forte é o amor |13 cânticos da família|. Fátima: Secretariado Nacional de Dinamização Bíblica.

DISCOGRAFIA

(2001) Jesus Cristo é o Senhor. Fortes e Rangel; Difusora Bíblica DCD 1073.

BIBLIOGRAFIA

Ferreira, António José (1997) Música Litúrgica e/ou Música Sacra: Critérios para uma delimitação conceptual a partir do Magistério da Igreja e sua recepção em Portugal. Dissertação de Mestrado Universidade Católica Portuguesa-Lisboa.

António José Ferreira

TOPO