MELOTECA SÍTIO DE MÚSICAS E ARTES
Siga-nosFacebookFacebookTwitterLinkedInTumblrFlickr
> Mediateca > Dicionários
PRINCIPAL
Dicionário

COMPOSITORAS DO MUNDO

BANDEIRA DE PORTUGALBANDEIRA DA FRANÇABANDEIRA DA ALEMANHABANDEIRA DOS EUABANDEIRA DA BÉLGICABANDEIRA DA GRÃ-BRETANHABANDEIRA DE PORTUGALBANDEIRA DA ESTÓNIABANDEIRA DA ESLOVÁQUIABANDEIRA DA DINAMARCABANDEIRA DO BRASILBANDEIRA DA ÁUSTRIABANDEIRA DA POLÓNIABANDEIRA DA HUNGRIABANDEIRA DA FINLÂNDIABANDEIRA DA ESPANHA

A

TOPO

B

TOPO

BARRAINE, ELSA

Elsa (Jacqueline) Barraine (n. França 1910-1999)

Compositora francesa, trabalhou com Paul Dukas. Em 1929, obteve o "Grand Prix de Rome". Escreveu seis sinfonias, música para percussão e piano, música sacra. Entre outras obras compôs "Musique Rituelle", para órgão, gongo e xilofone, 1968, "Nativité", 1951, "Cantate du Vendredi Saint", 1955. Para bailado, escreveu "Chanson du mal-aimé", 1950. Em 1969, tornou-se titular da disciplina de Análise do Conservatório de Paris. Como presidente da Federação Musical Popular, promoveu a criação de peças para coros amadores.

TOPO

BARRIÈRE, FRANÇOISE

Françoise Barrière (n. França, Paris 1944-)

Compositora francesa, foi co-fundadora em 1970 e co-responsável do Grupo de Música Experimental de Bourges. Num estilo muito pessoal, compôs música electrónica e electroacústica, introduziu em obras suas sons da sociedade contemporânea e cantos revolucionários.

TOPO

BINGEN, SANTA HILDEGARDA DE

Santa Hildegarda de Bingen (n. Alemanha, Bermersheim 1098 - m. Rupertsberg, perto de Bingen, 1179).

Poetisa, mística e compositora alemã de origem aristocrática, entrou para o mosteiro aos 15 anos. Sucedeu a Jutta de Spanheim como superiora do mosteiro beneditino de Disododenberg e fundou mosteiros em Rupertsberg e Eibingen. Teve uma participação activa na política e na diplomacia, deixou várias obras literárias e científicas. No plano da música, compôs cânticos monódicos para vozes femininas que se afastavam do canto gregoriano e, por vezes, dos próprios textos oficiais. Pouco depois de 1150, reuniu os seus poemas sob o título "Symphonia armonie celestium revelationum".

TOPO

BOULANGER, LILI

Lili Boulanger (n. França, Paris 1893 - m. Mézy, Yvelines 1918)

Compositora francesa que morreu precocemente, Lili Boulanger começou os estudos musicais com a sua irmã, Nadia Boulanger. Escreveu a sua primeira melodia aos onze anos e entrou no Conservatório de Música em 1909. Estudou Contraponto com Georges Caussade e Composição com Paul Vidal. Foi a primeira mulher a vencer o célebre "Prix de Rome", com a cantata "Faust et Helène". Escreveu música vocal, sinfónica, peças para piano e outros instrumentos, sob influência impressionista. Tinha, além disso, tendência para textos religiosos e fúnebres. Escreveu, entre outras obras, "Thème et variations", "D'un matin de Printemps", "Nocturne", "Cortège", "Clairières dans le ciel", "D'un vieux jardin", "Dans l'imense tristesse", "Le retour", "Pie Jesu", curiosamente a sua última obra. Apesar de ter morrido precocemente, deixou marcas na música francesa.

TOPO

BOULANGER, NADIA

Nadia Boulanger (n. França, Paris 1887 - m. Paris 1979)

Compositora, pianista, directora de orquestra e pedagoga francesa, Nadia, irmã de Lili Boulanger, cedo revelou uma grande paixão pela música e o ensino, paixão que a acompanhou ao longo de toda a vida. Estudou órgão com Guilmant e Composição com Gabriel Fauré no Conservatório de Música de Paris. Obteve em 1908 o Grand Prix de Rome e tornou-se assistente de Harmonia no Conservatório, onde leccionou entre 1909-1924. Foi também professora na École Normale de Musique (1920-1939) e no Conservatório Americano de Fontainebleau (1921-1939), cuja direcção assumiu em 1950. Foi professora de Composição de numerosos compositores, incluindo o americano Aaron Copland. A excelência do seu trabalho como pedagoga eclipsou em parte os seus dotes de pianista, compositora e directora de orquestra. As suas obras, escritas na maior parte entre 1906-1922, incluem peças para órgão, uma "Rapsódia" para piano e orquestra, a cantata "Sirène", podendo referir-se ainda "Lux Aeterna" e "Vers la Vie Nouvelle". Além das obras da sua irmã, divulgou clássicos franceses da Renascença, Claudio Monteverdi, Johann Sebastian Bach e Heinrich Schutz.

TOPO

C

CAPDEVILLE, CONSTANÇA

Constança Capdeville

Constança Capdeville

TOPO

D

DLUGOSZEWSKY, LUCIA

Lucia Dlugoszewsky (n. EUA, Detroit-)

Lucia Dlugoszewsky fez os estudos musicais na Universidade de Detroit e na Mannes School of Music e, em privado, com Edgar Varèse, em 1951. Depois de 1960, foi professora na Universidade de Nova Iorque e na New School for Musical Research. Inventou sonoridades com diversos materiais, incluindo plástico, metal, madeira e papel, formando, em 1958, uma orquestra com uma centena de percussões. A sua obra musical foi influenciada pelos filósofos orientais e pelos sons quotidianos. Escreveu também obras para voz, orquestra, piano, música de câmara.

TOPO

E

TOPO

F

FERREYRA, BÉATRIZ

Béatriz Ferreyra (n. Argentina, Córdoba-)

Compositora argentina, reside em França desde 1961. Entre 1964-1970, fez parte do "Groupe de Recherches Musicales de Paris". Participou em pesquisas sobre o "solfejo experimental", designadamente, conduzidas por Pierre Schaeffer, e começou a produzir música electroacústica. Em obras como "Demeures acquatiques", 1967, e "Étude aux sons flegmatiques", a voz humana desempenha um papel importante, gravada ou imitada e tratada electronicamente. Escreveu peças para experiências musicoterapêuticas. Entre as suas obras mistas conta-se a "Symphonie concertante pour le chat et son astrologue", 1978, para piano e banda magnética.

TOPO

FINE, VIVIAN

Vivian Fine (n. EUA, Chicago 1913-)

Compositora norte-americana, iniciou os estudos musicais na sua cidade natal. Estudou no Colégio de Música e no Conservatório com Ruth Crawford-Seeger, prosseguiu os estudos na Escola Jacques-Dalcroze, em Nova Iorque. Foi discípula de Djane Lavoie-Herz, em piano, Roger Sessions, Composição, e George Szell, Orquestração.

TOPO

FINZI, GRAZIANE

Graciane Finzi (n. Casablanca 1945-)

Compositora francesa, foi discípula de Elsa Barraine e Tony Aubin. A sua obra é especialmente consagrada ao teatro musical: "Avis de Recherche", 1981, "Trois opéras droles", 1984, "Le dernier jour de Socrate, 1998. A criação de "Pauvre Assassin" valeu-lhe o prémio da Sociedade dos Autores e Compositores Dramáticos.

TOPO

G

GUBAIDULINA, SOFIA

Sofia Gubaidulina

Sofia Gubaidulina

TOPO

H

HOLMÈS, AUGUSTA

Augusta Holmès (n. França, Paris 1847 - m. Paris 1903)

Compositora francesa de ascendência irlandesa, Augusta Holmès foi criança prodígio ao piano, tendo em seguida estudado composição com César Franck. Compôs óperas, música vocal e música de câmara. A sua primeira obra, escrita em 1873, foi o salmo "In exitu". Utilizou o pseudónimo Hermann Zenta, sob o qual compôs algumas melodias. No campo da música teatral, escreveu "Hero et Léandre", datada de 1875. De 1895 é a sua ópera "Montagne Noire", que inclui temas do folclore balcânico do séc. XVII. A sua obra reflecte influências de César Granck e Richard Wagner.

TOPO

I

TOPO

J

TOPO

K

TOPO

L

TOPO

M

TOPO

N

TOPO

O

TOPO

P

TOPO

Q

TOPO

R

ROSA, CLOTILDE

Clotilde Rosa

Clotilde Rosa

TOPO

S

SCHERCHEN-TSIAO, TONA

Tona Scherchen - Tsiao (n. Suiça, Neuchâtel 1938-)

Compositora suiça, é filha do compositor e director de orquestra Harmann Scherchen e da compositora Hsiao Shu-Sien. Estudou com Henze, Messiaen e Ligeti. Na China, aprofundou a cultura clássica chinesa nos anos seguintes a 1949. Embora influenciada pela poesia chinesa, a sua música não reflecte o exotismo oriental. Escreveu para coro a capella, orquestra de câmara, contralto e orquestra, trombone e cordas, música electrónica.

TOPO

SCHRÖTER, CORONA ELIZABETH WILHELMINE

Corona Elizabeth Wilhelmine Schröter (n. Alemanha, Guben 1751 - m. Ilmenau 1802)

Cantora e compositora alemã, foi discípula de Adam Hiller e beneficiou do apoio do poeta Goethe. Escreveu melodias e as árias de "Die Fischerin", um "singspiel" datado de 1782. Foi a primeira a compor sobre o "Erlkönig" de Goethe (1786).

TOPO

SCHUMANN, CLARA [WIECK]

Clara [Wieck] Schumann (n. Alemanha, Leipzig 1819 - m. Francfort-sur-leMain 1856)

Discípula do seu pai Friedrich Wieck, foi compositora e pianista da corte austríaca, tendo desenvolvido mesmo carreira internacional, com digressões por França, Dinamarca e Rússia. Deu aos 9 anos o seu primeiro concerto em Leipzig, e tocou perante Goethe em 1831. Casou com Robert Schumann em 1840, após longa espera motivada pela oposição do seu pai ao casamento com Schumann. Graças ao seu virtuosismo e aos conhecimentos de Schumann em relação à obra de J. S. Bach e L. v. Beethoven, tornou-se uma das mais importantes pianistas do seu tempo. Clara Schumann escreveu cerca de quarenta obras de valor, incluindo concertos para piano e colectâneas de "lieder".

TOPO

T

TAILLEFERRE, GERMAINE

Germaine Tailleferre (n. França, Saint-Maur-des-Fossés 1892 - m. Paris 1983)

Aluna do Conservatório de Música de Paris em 1904, Germaine Taileferre foi discípula de Charles Koechlin e condiscípula de Georges Auric, Artur Honegger e Darius Milhaud. Em 1917, encontrou-se com Erik Satie, que a influenciou. Foi membro do "Grupo dos Seis". De Maurice Ravel recebeu aulas de orquestração entre 1925-1930. A convite de Paul Valéry escreveu, em 1937, "La Cantate de Narcisse". Foi influenciada pela grande tradição clássica francesa, Couperin, Grétry, Chabrier, Debussy, Ravel, e Stravinsky. Escreveu numerosas obras instrumentais, músicas de cena e de filme, um "Quarteto de Cordas" (1918) e a ópera cómica "Il était un petit navire", 1951.

TOPO

U

USTVOLSKAYA, GALINA

Galina Ustvolskaya (n. Rússia, Petrogrado 1919-)

Galina Ustvolskaya fez os estudos musicais entre 1937-1947, na sua cidade natal, e foi, em 1939, aluna de Dmitri Chostakovitch. Em 1947, tornou-se assistente do mestre e foi professora no Conservatório de Leninegrado até ao início dos anos 90 do século XX. Compôs várias obras de inspiração religiosa, como a "Composição I Donna nobis pacem", para flauta piccolo, tuba e piano, de 1971, e a "Composição II Dies Irae", para oito contrabaixos, percussões e piano, de 1973. Utilizou outras combinações de instrumentos pouco habituais como é o caso do seu "Octeto" para dois oboés, quatro violinos, timbales e percussão. Compôs quatro sinfonias, tendo a segunda por título "A verdadeira e eterna bem-aventurança" (1979), e a terceira "Jesus Messias salva-nos" (1983). Escreveu ainda seis sonatas para piano entre 1947-1988. A sua música não se inscreve em nenhuma corrente estética, primando pela originalidade.

TOPO

V

TOPO

W

WHITELAW, JOYCE

Joyce Whitelaw

Joyce Whitelaw

TOPO

X

TOPO

Y

TOPO

Z

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z
TOPO