MELOTECA SÍTIO DE MÚSICAS E ARTES
Siga-nosFacebookFacebookTwitterLinkedInMyspaceFlickr
> Letras
PRINCIPAL
MORANGO
BOLA
VACA
COPO
Estudo do Meio
A ÁRVORE QUE PLANTO
Mel. trad. Bélgica / Texto António José Ferreira

Áudio

A árvore que planto
tem ramos a crescer, (bis)
muita sombra p'ra dar,
muitas aves p'ra acolher. (2v)

Árvore
TOPO
A CHUVA CAI, CAI
Madalena Sá Pessoa

Áudio

A chuva cai, cai,
a chuva cai, cai.
A chuva cai na "cabeça". (2v)

A chuva cai, cai,
a chuva cai, cai.
A chuva cai nas "orelhas". (2v)

Chuva
TOPO
A CHUVA É UM PINGUE

1. A chuva é um pingue pingue
constante e brincalhão.
Pingue, pingue, pingue, pingue,
vai pingando e cai no chão.

2. Molha tudo, tudo molha
molha tudo no jardim
e a gente quando se molha
faz atchim, atchim, atchim.
Atchim!

Chuva
TOPO
A MINHA MAMÃ NÃO GOSTA DA CHUVA

1. A minha mamã
não gosta da chuva.
Ela molha a cabeça.
quando está a chover
não brinco na rua
e tenho de me abrigar.

2. Agora o chapéu
já está aberto,
P'ra casa posso voltar,
porque o meu chapéu
me vai abrigar
já não me vou constipar.

3. Meu chapéu-de-chuva
gosta de dançar
com o vento,
com a chuva,
e quando à tardinha
ele regressa a casa,
pode então descansar.

guarda-chuva
TOPO
A RAM, SAM SAM
Mel. trad. Marrocos

Áudio

A ram sam sam, a ram sam sam,
guli guli guli guli guli ram sam sam. (bis)

Arafi, arafi, guli guli guli guli
guli ram sam sam. (bis)

Kawala
TOPO
ÁGUA LEVA O REGADINHO
Canção tradicional portuguesa

Água leva o regadinho,
água leva e vai regar.
A água do nosso rio,
corre toda para o mar.

1. Água leva o regadinho,
água leva, e vai regar.
Estes rapazes de agora,
já não sabem namorar.

2. Água leva o regadinho,
Água leva e vai regando.
Enquanto rega e não rega,
vamos rindo e cantando

3. Água leva o regadinho,
água leva e vai regar.
Chega-te cá, meu amor,
temos muito que falar.

4. Água leva o regadinho,
Água leva o regador.
Enquanto rega e não rega,
Vou falar ao meu amor.

5. Água leva o regadinho,
água leva, rega tudo.
O meu amor também rega,
mas com ele não me iludo.

Regador
TOPO
ALECRIM, ALECRIM DOIRADO

Áudio

1. Alecrim, alecrim doirado,
que nasces no monte
sem ser semeado. (bis)

Ai meu amor, quem te disse a ti,
que a flor do monte era o alecrim. (bis)

2. Alecrim, alecrim aos molhos,
por causa de ti
choram os meus olhos. (bis)

3. Alecrim, alecrim querido,
que vives no monte
quase esquecido. (bis)

4. Alecrim, alecrim a arder,
o teu fumo é santo,
junto a Deus vai ter. (bis)

Alecrim
TOPO
ARRE BURRINHO

Arre burrinho que vai pr'Azeitão
carregadinho de feijão.

Arre burrinho que vai para Estremoz
carregadinho de arroz.

Arre burinho que vai para Idanha
carregadinho de castanha.

Arre burrinho que vai p'rà Guarda
carregadinho de mostarda.

Arre burrinho que vai para Macau
carregadinho de cacau.

Arre burrinho que vai p'ra Alportel
carregadinho de papel.

Arre burrinho que vai p'ra Melgaço
carregadinho de bagaço.

Arre burrinho que vai p'ra Loulé
carregadinho de café.

Feijão
TOPO
À OLIVEIRA DA SERRA

1. À oliveira da serra
o vento leva a «felor». (bis)
Ó i ó ai, só a mim ninguém me leva,
ó i ó ai, para o pé do meu amor. (bis)

2. À oliveira da serra
o vento leva a ramada. (bis)
Ó i ó ai, só a mim ninguém me leva,
ó i ó ai, para o pé da minha amada. (bis)

Azeitonas
TOPO
AS NUVENS QUE ANDAM NO AR
Alentejo

As nuvens que andam no ar,
arrastadas pelo vento,
foram buscar água ao mar
p'ra regar em todo o tempo.
P'ra regar em todo o tempo,
em todo o tempo regar,
arrastadas pelo vento
as nuvens que andam no ar.

 

1. Chorem olhos, chorem olhos,
que chorar não é desprezo,
a Virgem também chorou
ao ver o seu Filho preso.

Cloud
TOPO
CAI A NEVE BRANCA E FRIA
Maria Adelaide Rosado Pinto

Áudio

Cai a neve branca e fria,
brilha na terra ao luar.

Uma estrela anuncia
que Jesus vai chegar.

Cantam vozes melodias,
tocam sinos de cristal.

Uma estrela anuncia:
É Natal! É Natal!

Snowman
TOPO
CAI A NEVE E VEM O FRIO
Mel. trad. Ásia / Texto António José Ferreira

Áudio

1. Cai a neve e vem o frio
p'ra as pessoas ajuntar.

Sons de guizos, sons de sinos:
é o Natal que está a chegar.
Sons de risos de meninos:
Jesus vem para ficar
.

Floco de neve
TOPO
EU VENHO DE LÁ TÃO LONGE
Madeira

1. Eu venho de lá tão longe, (2x)
venho sempre à beira-mar. (2x)
Trago aqui estas coivinhas (2x)
p'ra amanhã p'rò seu jantar. (2x)

Deixai passar
esta linda brincadeira
que a gente vamos bailar
o bailinho da Madeira. (bis)

2. A Madeira é um jardim (2x)
no mundo não há igual. (2x)
Seus encantos não têm fim, (2x)
é filha de Portugal. (2x)

Bailinho
TOPO
INDO EU, INDO EU
Beira Alta

1. Indo eu, indo eu
a caminho de Viseu. (bis)
Encontrei o meu amor,
ai Jesus, que lá vou eu. (bis)

Ora zus truz truz,
ora zás trás trás. (bis)
Ora chega chega chega,
ora arreda lá p'ra trás. (bis)

2. Vindo eu, vindo eu
da cidade de Viseu, (bis)
deixei lá o meu amor,
o que bem me aborreceu. (bis)

Viseu
TOPO
NO ALTO DAQUELA SERRA
Minho

1. No alto daquela serra, (bis)
está um lenço,
está um lenço a acenar.

2. Está dizendo viva viva, (bis)
morra quem,
morra quem não sabe amar.

3. Do outro lado do monte, (bis)
tem meu pai,
tem meu pai um castanheiro.

4. Dá castanhas em Outubro, (bis)
uvas brancas,
uvas brancas em Janeiro.

Ouriço
TOPO
OLIVEIRA PEQUENINA
Algarve

1. Oliveira pequenina,
que azeitonas pode dar? (bis)
Dará uma, dará duas,
dará três se carregar. (bis)

2. Oliveira pende, pende,
bota para cá um ramo. (bis)
O meu amor é teimoso,
duram-lhe as teimas um ano. (bis)

Azeitonas
TOPO
PONHA AQUI O SEU PEZINHO
Açores

Áudio

Ponha aqui o seu pezinho,
devagar, devagarinho,
se vai à Ribeira Grande.
Eu tenho uma carta escrita
para ti, cara bonita;
não tenho por quem a mande.

1. Eu nasci à sexta-feira,
com barba e cabeleira,
mais parecia um anti-Cristo,
que até o Senhor Padre Cura,
que é homem de sabedura,
nunca tal houvera visto.

2. Eu fui de Lisboa a Sintra
a casa da tia Jacinta,
p'ra me fazer uns calções.
Mas a pobre criatura
esqueceu-se da abertura
para as minhas precisões.

3. Eu fui à Praia da Rocha,
fato de banho, galocha,
a ver se o mar estava manso
e vi lá uma garota,
toda embrulhada de roupa,
a dormir o seu descanso.

4. E eu fui a Vila Franca,
a cavalo numa tranca,
ao funeral de uma galinha
que tinha dentro do papo
sete cães e um macaco
e um soldado da marinha.

5. Toda a moça que é bonita,
se ela chora, se ela grita,
nunca houvera de nascer.
É como a maçã madura
na quinta do Padre Cura:
todos a querem comer.

Viola da Terra
TOPO
TIA ANICA, TIA ANICA
Algarve

Áudio

1. Tia Anica, tia Anica,
tia Anica de Loulé,
a quem deixaria ela
a caixinha do rapé? (2x)

Olé, olá,
está moda não está má,
olá, olé,
tia Anica de Loulé (bis).

2. Tia Anica, tia Anica,
tia Anica da Fuseta,
a quem deixaria ela
a barra da saia preta? (2x)

3. Tia Anica, tia Anica,
tia Anica de Alportel,
a quem deixaria ela
a barra do seu mantel? (2x)

Flautista
TOPO
UM BARQUINHO
Canção tradicional francesa (Fais dodo).

Áudio

1. Um barquinho ligeiro andava,
ligeirinho andava no mar. (bis)

A nuvem passou,
o mar se agitou,
o vento soprar
e os barcos a virar. (bis)

2. Vem a onda, baloiça o barquinho
e o barquinho faz "tchap" no mar. (bis)

A nuvem passou,
o mar se agitou,
o vento soprar
e os barcos a virar.

Barquinho
TOPO
VEM, VEM OUVIR NO MONTE
Mel. trad. Bulgária / Texto de António José Ferreira

Áudio

Vem, vem ouvir no monte
ramos a estalar. (bis)

Vem ouvir as folhas a mexer
e o vento a soprar.

Folhas
TOPO
Canta a Escola
TOPO